Ca­pi­tal hu­ma­no e fi­nan­cei­ro

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

Tu­do gi­ra em tor­no da qua­li­da­de dos re­cur­sos hu­ma­nos e da sua ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção aos di­ver­sos pro­ble­mas que apo­quen­tam as or­ga­ni­za­ções e a so­ci­e­da­de no ge­ral. Por con­ta dis­so, a qua­li­da­de do mer­ca­do de re­cur­sos hu­ma­nos, por si­nal, um dos fac­to­res do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, me­re­ce fi­gu­rar per­ma­nen­te­men­te na agen­da das po­lí­ti­cas pú­bli­cas dos go­ver­nos que quei­ram vin­car, di­ver­si­fi­car e sus­ten­tar a sua eco­no­mia. Daí di­zer-se que a qua­li­da­de do ca­pi­tal hu­ma­nos é a ri­que­za prin­ci­pal de que um país se de­ve or­gu­lhar, co­mo se a di­vi­sa com mai­or po­der de com­pra se tra­tas­se.

Em con­tra­par­ti­da, pa­ra que es­ta qua­li­da­de es­te­ja acau­te­la­da não bas­ta ha­ver um sis­te­ma de edu­ca­ção acei­tá­vel, por es­te pre­ci­sar de ou­tros sectores e fac­to­res in­ter­nos fun­da­men­tal­men­te de um sis­te­ma de saú­de na­ci­o­nal à al­tu­ra. Qui­çá, por is­so mes­mo,se ad­vo­ga que a qua­li­da­de e cre­di­bi­li­da­de dos sis­te­mas de saú­de e de edu­ca­ção cons­ti­tui ele­men­to “si­ne-qua-non”na mi­ti­ga­ção do de­sem­pre­go, da po­bre­za e da as­si­me­tria so­ci­o­e­co­nó­mi­ca, as­sim co­mo no al­can­ce da pros­pe­ri­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca de um país. Di­to por ou­tras pa­la­vras, as vá­ri­as in­su­fi­ci­ên­ci­as que ve­nham a exis­tir num da­do sis­te­ma na­ci­o­nal de saú­de po­dem, à gui­sa de re­al­ce, fa­zer au­men­ta­ro ab­sen­tis­mo ou dis­pen­sas – dos em­pre­ga­dos - no lo­cal de tra­ba­lho e ou ser­vir de in­cen­ti­vo a me­nos pro­du­ção e a in­sus­ten­ta­ção eco­nó­mi­ca das em­pre­sas. Es­tes, que de res­to, são agen­tes que se quer bem-su­ce­di­das e ri­cas, pois pre­ci­sam de pro­fis­si­o­nais sau­dá­veis, as­sí­du­os, pre­sen­tes, dis­pos­tos e com­pro­me­ti­dos com a me­lho­ria do seu de­sem­pe­nho.

Por ou­tro la­do, a fal­ta de edu­ca­ção e saú­de “em dia” cons­ti­tui, sem som­bra de dú­vi­das, o “Cal­ca­nhar de Aqui­les” aos in­ves­ti­do­res, quer na­ci­o­nal, quer es­tran­gei­ro, na me­di­da em que es­tes di­fi­cil­men­te es­ta­rão dis­pos­tos a in­ves­tir em re­giões com um al­to grau de di­fi­cul­da­de pa­ra se con­tra­tar mão-de-obra qua­li­fi­ca­da. E ca­so as­sim, vi­rem a pro­ce­der, se­gu­ra­men­te que vão ne­ces­si­tar da im­por­ta­ção mas­si­va de qua­dros, al­go que no fun­do aca­ba­rá por per­mi­tir que mais di­vi­sas - de que tan­to ne­ces­si­ta­mos, uma vez que o pe­tró­leo ago­ra nos dá pou­co! se­jam gas­tas lá fo­ra.

Aqui, há mui­to se fa­la da ne­ces­si­da­de da me­lho­ria do nos­so sis­te­ma de ensino e apren­di­za­gem, so­bre­tu­do, pou­co de­pois do al­can­ce da paz, em 2002. Po­rém, em re­la­ção ao sis­te­ma, não obs­tan­te ha­ver me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas, no que­si­to quan­ti­ta­ti­vo, no qua­li­ta­ti­vo,em gran­de me­di­da, ain­da não é acei­tá­vel.

Há in­su­fi­ci­ên­ci­as­nes­te sec­tor des­de a es­cas­sez de bi­bli­o­te­cas e de la­bo­ra­tó­ri­os es­co­la­res, a pou­ca opor­tu­ni­da­de de es­tá­gi­os pa­ra os for­man­dos e pa­ra os re­cém-for­ma­dos.

Dá-se me­nos ên­fa­se ao sub­sec­tor do ensino de ba­se, a in­fla­ção dos ma­te­ri­ais ou mei­os aca­dé­mi­cos, os par­cos re­cur­sos que o sec­tor tem re­ce­bi­do, a ga­so­sa em al­guns ca­sos es­sen­ci­al­men­te pa­ra se tran­si­tar de clas­se, são mar­cas ne­ga­ti­vas que cons­ti­tu­em en­tra­ve à me­lho­ria da qua­li­da­de que se quer pro­gres­si­va e ca­paz de dar res­pos­ta sa­tis­fa­tó­ria aos de­sa­fi­os das em­pre­sas e o da di­ver­si­fi­ca­ção e de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia na­ci­o­nal.

Por ago­ra, auguro que o OGE de 2019 reserve pa­ra os dois sectores, aqui em vo­ga na pe­ça, um bo­lo mai­or do ha­bi­tu­al, ape­sar de a cri­se que nos assola não nos per­mi­tir mui­ta mar­gem de ma­no­bras.

O dé­fi­ce or­ça­men­tal e os avul­ta­dos atra­sa­dos com que vêm ca­rac­te­ri­zan­do a nos­sa eco­no­mia, con­fir­mam is­so mes­mo. E co­mo se não bas­tas­se,nos pró­xi­mos anos, não se vis­lum­bram um cres­ci­men­to do PIB que, pe­lo me­nos, su­pe­re sa­tis­fa­to­ri­a­men­te anos­sa ta­xa anu­al de cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal, de pou­co mais de 3%.

Que o di­ga o Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal (PDN), que pre­vê um cres­ci­men­to de 2,3% pa­ra es­te ano, de 3,6% pa­ra 2019e de 2,4% pa­ra 2020.

Em con­tra­pon­to, em 2017, o Eco­no­mist In­tel­li­gen­ce Unit “EIU” pre­via um cres­ci­men­to de 2,4% pa­ra 2018, e 2,5% pa­ra os três anos a se­guir.

Ape­sar dis­so, o Exe­cu­ti­vo e o FMI an­dam op­ti­mis­tas, e es­se op­ti­mis­mo, se­gun­do de­fen­de o FMI, te­rá de ser su­por­ta­do por me­di­das di­tas “im­po­pu­la­res”, que sig­ni­fi­ca, mais aper­to aos nos­sos cin­tos!

AUGURO QUE O OGE DE 2019 RESERVE PA­RA OS SECTORES DA EDU­CA­ÇÃO E SAÚ­DE, UM BO­LO MAI­OR DO HA­BI­TU­AL, APE­SAR DE A CRI­SE QUE NOS ASSOLA NÃO NOS PER­MI­TIR MUI­TA MAR­GEM DE MA­NO­BRAS

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

An­dra­de A. Am­bró­sio Téc­ni­co Su­pe­ri­or de Ges­tão e ana­lis­ta eco­nó­mi­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.