30

Jornal de Economia & Financas - - Destaque -

Ar­ran­caho­je,12,em­to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal o “Ano agrícola 2018/2019”, na qual se es­pe­ra co­lher mais de qua­tro mi­lhões de to­ne­la­das de ce­re­ais, 11 mi­lhões 130 mil to­ne­la­das de raí­zes e tu­bér­cu­los, bem co­mo 802.202 to­ne­la­das de le­gu­mi­no­sas e um mi­lhão 937 mil 852 to­ne­la­das de hor­tí­co­las.

Da­dos do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas re­ve­lam que es­ta me­ta se­rá pos­sí­vel al­can­çá-la com a im­ple­men­ta­ção da es­tra­té­gia que vi­sa a cor­rec­ção da aci­dez dos so­los, nu­ma área de 30 mil hec­ta­res e com a pre­pa­ra­ção de mais de cin­co mi­lhões de hec­ta­res pa­ra se­men­tei­ra.

O JE sa­be que o pro­jec­to vi­sa tam­bém o re­cru­ta­men­to de 380 téc­ni­cos su­pe­ri­o­res e mé­di­os.

O seg­men­to da “agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar” con­ti­nua a ser res­pon­sá­vel por cer­ca de 80 por cen­to dos ce­re­ais, 90 de raí­zes e tu­bér­cu­los e 90 das le­gu­mi­no­sas e ole­a­gi­no­sas pro­du­zi­dos no país.

Es­tra­té­gia do sec­tor

Du­ran­te o I Con­se­lho Con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas re­a­li­za­do em Agos­to, na ci­da­de do Lu­e­na (Mo­xi­co), sob o le­ma “O de­sen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra co­mo a ba­se da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca do país”, os par­ti­ci­pan­tes re­co­men­da­ram a con­ti­nui­da­de da es­tra­té­gia da re­du­ção dos cus­tos de pro­du­ção atra­vés da re­du­ção dos pre­ços dos fer­ti­li­zan­tes e da in­tro­du­ção de se­men­tes me­lho­ra­das.

Ten­do em con­ta os re­sul­ta-

MIL

Ex­ten­são de ter­ra que po­de­rá ser me­lho­ra­da com a cor­rec­ção da aci­dez dos so­los.

O SEC­TOR ES­TÁ A AU­MEN­TAR OS APOI­OS À AGRI­CUL­TU­RA FA­MI­LI­AR, POIS É RES­PON­SÁ­VEL EM 80 POR CEN­TO DA PRO­DU­ÇÃO QUE SE CONSOME NO PAÍS

dos al­can­ça­dos com o pro­ces­so de cor­rec­ção dos so­los com cal­cá­rio do­lo­mí­ti­co, re­co­men­dou-se, na oca­sião, a ex­pan­são pa­ra mais re­giões do país.

Os par­ti­ci­pan­tes re­co­men­da­ram igual­men­te a es­tra­té­gia de im­ple­men­ta­ção do cré­di­to fis­cal aos com­bus­tí­veis em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal da­do o “seu efei­to po­si­ti­vo na re­du­ção dos cus­tos de pro­du­ção”, além da im­ple­men­ta­ção das “cai­xas co­mu­ni­tá­ri­as” , co­mo fac­tor in­du­tor do de­sen­vol­vi­men­to ru­ral, sen­do que de­ve­rá ser fei­ta “de for­ma gra­du­al e em fun­ção da ca­pa­ci­da­de or­ga­ni­za­ti­va das co­mu­ni­da­des”.

Na sua po­lí­ti­ca pa­ra o sec­tor, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no pre­ten­de in­cre­men­tar a pro­du­ção agro-pe­cuá­ria no pe­río­do 2018/2022, com o au­men­to da sa­fra dos pro­du­tos ali­men­ta­res, que in­te­gram a ces­ta bá­si­ca, quer em ex­plo­ra­ções agrí­co­las fa­mi­li­a­res, quer em ex­plo­ra­ções agrí­co­las em­pre­sa­ri­ais.

Cons­ta igual­men­te a cri­a­ção de cul­tu­ras in­dus­tri­ais e de ren­di­men­to, bem co­mo apoi­ar a pro­du­ção agrícola fa­mi­li­ar, atra­vés do au­men­to da dis­po­ni­bi­li­da­de e me­lho­ria do aces­so aos fac­to­res de pro­du­ção e do au­men­to da ca­pa­ci­da­de dos ser­vi­ços de ex­ten­são e de de­sen­vol­vi­men­to ru­ral.

Pre­vê-se tam­bém fo­men­tar o au­men­to da pro­du­ção pe­cuá­ria pa­ra a sa­tis­fa­ção das ne­ces­si­da­des ali­men­ta­res do país em pro­du­tos de ori­gem ani­mal, além de me­lho­rar a pre­ven­ção, o con­tro­lo e a er­ra­di­ca­ção de do­en­ças ani­mais.

Ba­lan­ço

Du­ran­te o ano agrícola 2017/2018, o país re­gis­tou a pro­du­ção de 2.250.853 to­ne­la­das de mi­lho, ten­do au­men­ta­do 16 por cen­to em com­pa­ra­ção com a épo­ca an­te­ri­or se­me­a­da nu­ma área com­pre­en­di­da de 2.408.352 hec­ta­res.

O país ne­ces­si­ta de cin­co mi­lhões de to­ne­la­das de ce­re­ais pa­ra su­prir à ca­rên­cia ali­men­tar, as­sim co­mo o fa­bri­co de ra­ção e de se­men­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra.

O mi­lho e a so­ja cons­ti­tu­em os prin­ci­pais pro­du­tos pa­ra a cri­a­ção de fran­gos e con­se­quen­te­men­te de ovos. Pa­ra que os ob­jec­ti­vos tra­ça­dos te­nham res­pal­do, é ne­ces­sá­rio se dar uma aten­ção mui­to es­pe­ci­al a es­te seg­men­to.

Pa­ra o fo­men­to da pro­du­ção de ce­re­ais, a in­ten­ção é pas­sar dos ac­tu­ais 2 mi­lhões de to­ne­la­das de ce­re­ais (mi­lho, mas­san­go, mas­sam­ba­la, ar­roz e tri­go) pa­ra 5 mi­lhões.

O sec­tor da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas es­tá a au­men­tar os apoi­os à agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, pois é res­pon­sá­vel em 80 por cen­to da pro­du­ção que se consome no país.

Cer­ca de 2,4 mi­lhões de fa­mí­li­as vi­vem da agri­cul­tu­ra, sen­do que o sec­tor con­tro­la per­to de 13 mil ex­plo­ra­ções em­pre­sa­ri­ais.

A cam­pa­nha 2017-2018, o sec­tor pro­jec­tou co­lher cer­ca de 11 mi­lhões to­ne­la­das de raí­zes e tu­bér­cu­los.

O país tem um po­ten­ci­al de se­te mi­lhões de hec­ta­res de pe­rí­me­tros ir­ri­ga­dos pa­ra a pro­du­ção agrícola, sen­do que ape­nas 45 mil hec­ta­res de ter­re­nos es­tão em uti­li­za­ção.

O ac­to do lan­ça­men­to ofi­ci­al acon­te­ce no mu­ni­cí­pio do Chin­guar, na pro­vín­cia do Bié.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.