Fra­co in­cen­ti­vo tra­va au­men­to da pro­du­ção no Cu­an­za Nor­te

Cam­po­ne­ses a ní­vel da re­gião cla­mam por mais apoi­os pa­ra po­derm vol­tar a atin­gir os ní­veis já al­can­ça­dos nas sa­fras pas­sa­das e pro­mo­ver o cres­ci­men­to da re­gião

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Marcelo Manuel no Cu­an­za Nor­te

Ofra­co in­cen­ti­vo à pro­du­ção agrícola e prin­ci­pal­men­te a in­ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra dos cam­po­ne­ses, no que to­ca à aqui­si­ção de mei­os de tra­ba­lho, agra­va­da pe­las di­fi­cul­da­des de es­co­a­men­to da colheita pa­ra as prin­ci­pais zo­nas de co­mér­cio, são al­guns dos fac­to­res que con­di­ci­o­nam o au­men­to da pro­du­ção no Cu­an­za Nor­te.

Nu­ma re­por­ta­gem efec­tu­a­da pe­lo JE, re­la­ci­o­na­da com a aber­tu­ra do ano agrícola, ofi­ci­al­men­te aber­to ho­je, em to­do o país, os cam­po­ne­ses do pe­rí­me­tro ir­ri­ga­do de Ca­ca­la, Pam­bas e Qui­ri­mas, per­ten­cen­tes aos mu­ni­cí­pi­os de Lu­ca­la e Ca­zen­go, la­men­tam o fac­to de há mui­to dei­xa­rem de re­ce­ber os apoi­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra a pro­du­ção.

Agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar

O cam­po­nês Cos­ta Cân­di­do de 48 anos, 36 dos quais de­di­ca­dos à prá­ti­ca da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, em Ca­ca­la, con­ta que ele e os ir­mãos não re­ce­bem quais­quer in­cen­ti­vos des­de 2011, al­tu­ra em que che­gou a be­ne­fi­ci­ar de uma mo­to­bom­ba re­sul­tan­te do úl­ti­mo cré­di­to de cam­pa­nha no va­lor de 35 mil kwan­zas, ce­di­do por uma ins­ti­tui­ção ban­cá­ria, pa­gos no fim da colheita agrícola des­te ano.

Fri­sou que há se­te anos, os ní­veis de pro­du­ção anu­al atin­gi­am as cin­co to­ne­la­das de pro­du­tos di­ver­sos, com par­ti­cu­lar des­ta­que pa­ra a man­di­o­ca, fei­jão, ba­ta-do­ce e re­na e hor­ta­li­ças. Avan­ça que nos di­as de ho­je con­se­gue em ca­da sa­fra 1.500 qui­los de pro­du- tos di­ver­sos, fac­to que tem es­ta­do a des­mo­ti­vá-lo e co­le­gas.

Qu­em tam­bém ma­ni­fes­tou a sua in­sa­tis­fa­ção pe­la fa­la de apoi­os aos cam­po­ne­ses da co­o­pe­ra­ti­va agrícola de Ca­ca­la é a se­nho­ra Ma­ria Ca­pi­ta, que nes­ta fa­se co­lhe o fei­jão das hor­tas e ao mes­mo tem­po, jun­to com os 21 co­le­gas que com­põem a co­o­pe­ra­ti­va agrícola, pre­pa­ram se­te hec­ta­res pa­ra a pro­du­zir na épo­ca chu­vo­sa.

Se­gun­do ela, em tem­pos idos a re­gião de Ca­ca­la foi a mai­or pro­du­to­ra de fei­jão man­tei­ga a ní­vel do Cu­an­za Nor­te, mas que por fal­ta de es­tí­mu­los são obri­ga­dos a di­mi­nuí­rem a pro­du­ção.

“An­ti­ga­men­te, a as­so­ci­a­ção cul­ti­va­va anu­al­men­te per­to de 50 hec­ta­res, ho­je es­ta­mos li­mi­ta­dos aos se­te por cau­sa da su­bi­da dos pre­ços do alu­guer dos trac­to­res, cu­jos do­nos pas­sa­ram a co­brar 55 mil kwan­zas a 60 mil por hec­ta­re, ao con­trá­rio dos 20 mil co­bra­dos nos anos an­te­ri­o­res”, dis­se.

Avan­çou que fru­to dos in­cen­ti­vos no pas­sa­do, já che­gou a pro­du­zir dois hec­ta­res so­zi­nha, mas que ac­tu­al­men­te a si­tu­a­ção é im­pos­sí­vel.

De acor­do com a cam­po­ne­sa, a si­tu­a­ção se agra­va ain­da mais com a es­cas­sez do trans­por­te de mer­ca­do­ri­as pa­ra os prin­ci­pais cen­tros de co­mer­ci­a­li­za­ção.

Re­ve­lou que as car­ri­nhas ra­ra­men­te es­ca­lam a re­gião de Ca­ca­la, ten­do avan­ça­do que o meio de trans­por­te que apa­re­ce de for­ma “tí­mi­da” são as mo­to­ri­za­das de qua­tro rodas, vul­gar­men­te co­nhe­ci­das de “ku­pap­tas”, que co­bram 500 kwan­zas por ca­da ca­be­ça e mil por ca­da sa­co de 50 qui­los, até à vi­la de Lu­ca­la, nu­ma dis­tân­cia de 15 qui­ló­me­tros.

Re­ve­lou que pa­ra a pre­sen­te épo­ca agrícola, os 21 as­so­ci­a­dos da co­o­pe­ra­ti­va agrícola de Ca­ca­la pre­pa­ram se­te hec­ta­res on­de vão se­me­ar gin­gu­ba, ba­ta­ta-do­ce, mi­lho, fei­jão e man­di­o­ca. Adi­an­tou que ca­so as chu­vas se­jam re­gu­la­res es­pe­ram co­lher en­tre 18 to­ne­la­das a 20.

Qu­em tam­bém já tem três hec­ta­res pre­pa­ra­dos é o agri­cul­tor Jo­sé Agos­to An­tó­nio, da re­gião dos Qui­ri­nas, que em­bo­ra dê mai­or re­al­ce à cri­a­ção do ani­mais co­mo ca­pri­nos, ovi­nos e ga­li­ná­ce­os.

Na pre­sen­te épo­ca, es­pe­ra se­me­ar mi­lho, fei­jão, gin­gu­ba, ba­ta-do­ce, den­tre ou­tros pro­du­tos.

O agri­cul­tor so­li­ci­ta ao Go­ver­no a sub­ven­ção dos com­bus­tí­veis des­ti­na­dos pa­ra a prá­ti­ca agrícola, co­mo for­ma de in­cen­ti­vo a pro­du­ção.

NILO MA­TEUS | CU­AN­ZA NOR­TE | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

A me­ca­ni­za­ção agrícola po­de ser uma das saí­das pa­ra que a pro­du­ção pos­sa res­pon­der aos ac­tu­ais de­sa­fi­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.