“O CE­NÁ­RIO MAIS ACONSELHÁVEL É O DO DIÁ­LO­GO EN­TRE AS PAR­TES”

Jornal de Economia & Financas - - Voz Do Cidadão -

O ad­vo­ga­do João Go­mes, so­bre o as­sun­to dos atra­sa­dos nas pres­ta­ções men­sais dos pro­mi­ten­tes com­pra­do­res de ha­bi­ta­ções ao Es­ta­do, nas mais di­ver­sas cen­tra­li­da­des, en­ten­de que se de­ve op­tar pe­lo ca­mi­nho do diá­lo­go, pa­ra que os pos­sí­veis in­cum­pri­men­tos se­jam re­vis­tos e se pos­sí­vel re­ne­go­ci­a­dos. Lem­bra que a Lei do Ar­ren­da­men­to Ur­ba­no, de Ja­nei­ro de 2016, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo a Lei nº 26/15, de 23 de Ou­tu­bro, es­ta­be­le­ce os cri­té­ri­os em que a re­la­ção se­nho­rio e in­qui­li­no de­ve ser con­du­zi­da. “É por es­sa ra­zão que en­ten­do ser o mais aconselhável o diá­lo­go en­tre as par­tes, pa­ra so­lu­ci­o­na­rem-se even­tu­ais li­tí­gi­os”, dis­se. O ad­vo­ga­do ad­mi­te que as fa­mí­li­as es­tão a pas­sar por um mo­men­to de cer­ta pro­va, pois não é me­nos ver­da­de de que mui­tos te­rão fi­ca­do sem a sua fon­te prin­ci­pal de sus­ten­to, que era o seu em­pre­go, de­vi­do ao mo­men­to eco­nó­mi­co. Já a con­ta­bi­lis­ta Mar­ta Cris­tó­vão é de opi­nião que as fa­mí­li­as tam­bém re­de­se­nhem a sua es­tru­tu­ra de cus­tos, por­quan­to se hou­ve re­du­ção das re­cei­tas e um pos­sí­vel au­men­to das des­pe­sas, o re­co­men­dá­vel é mes­mo a re­vi­são das con­tas. Mar­ta Cris­tó­vão ape­la aos mo­ra­do­res das cen­tra­li­da­des o re­cur­so à má­xi­ma se­gun­do a qual “o ca­mi­nho é o da re­du­ção das des­pe­sas ao in­vés de se fa­ze­rem es­for­ços em au­men­tar a re­cei­ta”. Ela lem­bra que já se es­tá em tem­po de as pes­so­as apren­de­rem a pe­gar nas cal­cu­la­do­ras e pla­ni­fi­car com ri­gor e ao de­ta­lhe as su­as obri­ga­ções fi­nan­cei­ras men­sais.

DR

Cen­tra­li­da­de Zan­go 8000 em Lu­an­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.