Rai­va no lo­cal de tra­ba­lho é fre­quen­te

O sen­ti­men­to de re­vol­ta é con­tra pro­du­cen­te pa­ra qual­quer pro­fis­si­o­nal

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

Sen­ti­men­to de ira no lo­cal de tra­ba­lho é fre­quen­te e mui­tas ve­zes cau­sa con­fli­tos vi­o­len­tos en­tre co­la­bo­ra­do­res. Is­so emo­ci­o­na qual­quer pes­soa e mui­tas ve­zes a in­ter­ven­ção de psi­có­lo­gos po­de tor­nar-se um de­sa­fio ain­da mai­or pa­ra as or­ga­ni­za­ções. Mas rai­va é al­go que to­dos sen­ti­mos.

Ve­ja três di­cas pa­ra li­dar com a rai­va no tra­ba­lho de uma for­ma sau­dá­vel e pro­du­ti­va:

1. Re­co­nhe­ça e acei­te que es­tá com rai­va:

Re­co­nhe­ça fa­cil­men­te que es­tá tris­te, frus­tra­do, de­sa­pon­ta­do ou cha­te­a­do, mas nun­ca se ir­ri­te. Po­de ha­ver um sig­ni­fi­ca­do cul­tu­ral de gé­ne­ro pa­ra es­te pa­drão, já que é mais so­ci­al­men­te acei­tá­vel pa­ra os ho­mens es­bra­ve­ja­rem do que pa­ra as mu­lhe­res. Kershens­ti­ne afir­ma que “a fal­ta de acei­ta­ção cul­tu­ral em tor­no da rai­va das mu­lhe­res po­de fa­zer com que elas se acons­tu­mem a guar­dar es­se sen­ti­men­to”.

Ter no­ção da sua rai­va so­bre a si­tu­a­ção per­mi­te es­ca­par da ar­ma­di­lha da dú­vi­da e es­for­çar pa­ra fa­zer uma es­co­lha di­fe­ren­te e mais cons­ci­en­te;

2. Per­mi­ta-se re­al­men­te sen­tir rai­va:

De­pois de se per­ce­ber que es­tá bra­vo, de­sa­ba­fe com al­guém e ten­ta mu­dar a sua vi­são pa­ra uma pers­pec­ti­va positiva, por ser es­sen­ci­al pa­ra su­pri­mir a rai­va.

Es­te po­de ter si­do um ar­gu­men­to ra­ci­o­nal pa­ra ten­tar aca­bar com a mi­nha rai­va. Não im­por­ta se seus sen­ti­men­tos são ra­zoá­veis ou ra­ci­o­nais. O que im­por­ta é que eles es­tão lá. Es­tes sen­ti­men­tos são mui­to po­de­ro­sos pa­ra per­ma­ne­cer pa­ci­fi­ca­men­te guar­da­dos;

3. Fa­ça es­tra­té­gi­as so­bre co­mo pro­ce­der:

De­pois que a rai­va di­mi­nuiu na­tu­ral­men­te, fique mais à von­ta­de. No pas­sa­do, os sen­ti­men­tos de es­tres­se, dú­vi­da ou frus­tra­ção te­ri­am se pro­lon­ga­do. A rai­va ain­da é uma nova emo­ção e qua­se não se no­ta quan­do ela ata­ca. Re­flic­ta so­bre o seu re­la­ci­o­na­men­to com a rai­va ou so­bre qual­quer emo­ção que pos­sa ser di­fí­cil de ex­plo­rar, con­si­de­re quais são os seus pa­drões e o que se­ria ne­ces­sá­rio pa­ra pas­sar pe­la emo­ção na­que­le mo­men­to.

DR

Ira é pre­ju­di­ci­al pa­ra a saú­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.