“Em An­go­la não há cré­di­to de cam­pa­nha”

As ex­pe­ri­ên­ci­as al­can­ça­das pe­lo pro­jec­to no pe­río­do 2011-2012 fo­ram con­si­de­ra­das pe­lo es­pe­ci­a­lis­ta co­mo de­cep­ci­o­nan­tes mas ain­da as­sim acre­di­ta que os no­vos si­nais po­dem al­te­rar o ac­tu­al qua­dro do sec­tor agrá­rio

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Adé­ri­to Veloso

Pri­mei­ro que tu­do, é pre­ci­so que o país em ge­ral, e o Exe­cu­ti­vo em par­ti­cu­lar, olhem pa­ra a agri­cul­tu­ra (en­glo­ban­do a pe­cuá­ria e a flo­res­ta) com o res­pei­to que ela me­re­ce. Is­so se­ria mais fá­cil se nós não con­ti­nuás­se­mos a ter uma al­ter­na­ti­va cha­ma­da pe­tró­leo pa­ra im­por­tar mais de três mil mi­lhões de dó­la­res de ali­men­tos por ano. O que é um ver­da­dei­ro es­cân­da­lo. Na en­tre­vis­ta, o En­ge­nhei­ro agró­no­mo Fer­nan­do Pa­che­co não vê os Mi­nis­té­ri­os das Fi­nan- ças e do Pla­ne­a­men­to e Eco­no­mia, nem os bancos pú­bli­cos, ver­da­dei­ra­men­te pre­o­cu­pa­dos com o as­sun­to, “até por­que não o co­nhe­cem”.

Oen­ge­nhei­ro agró­no­mo mos­trou-se pou­co op­ti­mis­ta com os re­sul­ta­dos que o pro­jec­to go­ver­na­men­tal “Cré­di­to de Cam­pa­nha” tem a apre­sen­tar pa­ra au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de, mas ain­da as­sim des­ta­ca que se de­ve co­me­çar a tra­ba­lhar de mo­do in­te­gra­do e co­or­de­na­do, ata­can­do os fac­to­res li­mi­tan­tes de mo­do equi­li­bra­do e pro­gres­si­vo.

Pa­ra Fer­nan­do Pa­che­co, o re­for­ço das ca­pa­ci­da­des ins­ti­tu­ci­o­nais e em­pre­sa­ri­ais, ca­pa­ci­ta­ção dos téc­ni­cos e dos agri­cul­to­res a to­dos os ní­veis, as­sis­tên­cia téc­ni­ca, in­ves­ti­ga­ção e in­fra-es­tru­tu­ras, po­dem ga­ran­tir a tão al­me­ja­da au­to-su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar. Ini­cia a épo­ca agrícola 2018/2019. Qual é a vi­são do en­ge­nhei­ro so­bre a ac­tu­al po­lí­ti­ca do Go­ver­no no apoio aos pro­du­to­res/agri­cul­to­res na­ci­o­nais? Se olhar­mos pa­ra o pla­no teó­ri­co, as nos­sas po­lí­ti­cas agrí­co­las nun­ca fo­ram, de mo­do ge­né­ri­co, er­ra­das. Pos­si­vel­men­te num ou nou­tro as­pec­to con­cre­to po­de­ría­mos en­con­trar pon­tos de dis­cor­dân­cia. O que se cons­ta­ta é que os pro­gra­mas do par­ti­do no po­der e do Go­ver­no di­zi­am uma coi­sa e na prá­ti­ca fa­zia-se qua­se o opos­to, prin­ci­pal­men­te em ter­mos do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do e das op­ções de in­ves­ti­men­to pú­bli­co. Um exem­plo con­cre­to foi o es­can­da­lo­so des­per­dí­cio com os cha­ma­dos pro­jec­tos pú­bli­cos de lar­ga e mé­dia es­ca­la que, não es­tan­do pre­vis­tos em ne­nhum dos tais pro­gra­mas, con­su­mi­ram nos anos de re­cons­tru­ção na­ci­o­nal mais de 1,5 mil mi­lhões de dó­la­res com re­sul­ta­dos prá­ti­cos mi­se­rá­veis e ho­je es­tão na sua mai­o­ria fa­li­dos e com as in­fra-es­tru­tu­ras mui­to de­gra­da­das. Em con­tra­par­ti­da, du­ran­te o mes­mo pe­río­do, os agri­cul­to­res fa­mi­li­a­res be­ne­fi­ci­a­ram, se tan­to, de cer­ca de 200 mi­lhões de dó­la­res, mas são eles que pro­du­zem mais de 80 por cen­to da pro­du­ção agrícola na­ci­o­nal. Há anos que te­nho vin­do a aler­tar pa­ra es­ta ques­tão, in­cluin­do jun­to de de­pu­ta­dos da res­pec­ti­va Co­mis­são da As­sem­bleia Na­ci­o­nal quan­do sou con­vi­da­do, mas nin­guém ou­viu. Nos úl­ti­mos tem­pos, a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­ca tem vin­do a re­ve­lar coi­sas que mui­tos de nós, con­si­de­ra­dos “crí­ti­cos” ví­nha­mos de­nun­ci­an­do. A qu­em atri­buir a responsabilidade por es­te de­sas­tre? No úl­ti­mo ano, a si­tu­a­ção co­me­çou a ser al­te­ra­da no sen­ti­do de se im­ple­men­tar o que es­tá pre­vis­to, e ve­mos fi­nal­men­te uma cer­ta pre­o­cu­pa­ção com pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes e ou­tros que vão ao en­con­tro de so­lu­ções que vi­nham sen­do per­ma­nen­te­men­te adi­a­das. Ain­da é ce­do pa­ra ti­rar­mos con­clu­sões. O que se de­ve fa­zer pa­ra que os in­di­ca­do­res que o Go­ver­no se pro­põe atin­gir em ca­da iní­cio do ano agrícola pos­sam ser al­can­ça­dos? Pri­mei­ro que tu­do, é pre­ci­so que o país em ge­ral, e o Exe­cu­ti­vo em par­ti­cu­lar, olhem pa­ra a agri­cul­tu­ra (en­glo­ban­do a pe­cuá­ria e a flo­res­ta) com o res­pei­to que ela me­re­ce. Is­so se­ria mais fá­cil se nós não con­ti­nuás­se­mos a ter uma al­ter­na­ti­va cha­ma­da pe­tró­leo pa­ra im­por­tar mais de três mil mi­lhões de dó­la­res de ali­men­tos por ano. O que é um ver­da­dei­ro es­cân­da­lo. O Exe­cu­ti­vo tem de ana­li­sar es­ta si­tu­a­ção com to­da a ur­gên­cia e to­mar me­di­das cor­rec­to­ras. Não ve­jo os Mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças e do Pla­ne­a­men­to e Eco­no­mia, nem os bancos pú­bli­cos, ver­da­dei­ra­men­te pre­o­cu­pa­dos com o as­sun­to, até por­que não o co­nhe­cem. Cla­ro que em úl­ti­ma ins­tân­cia a responsabilidade é do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo e da sua equi­pa de co­la­bo­ra­do­res. As es­tra­das na­ci­o­nais con­ti­nu­am com gran­des pro­ble­mas, o que não fa­ci­li­ta o es­co­a­men­to da pro­du­ção por par­te dos agri­cul­to­res. Que so­lu­ção de­fen­de pa­ra se ul­tra­pas­sar es­ta pro­ble­má­ti­ca? Se hou­ves­se mais co­or­de­na­ção e in­te­gra­ção na ac­ti­vi­da­de do Exe­cu­ti­vo, o pro­ble­ma das es­tra­das po­de­ria es­tar me­lhor tra­ta­do. Não me can­so de de­nun­ci­ar mais uma das mui­tas aber­ra­ções em ter­mos da de­fi­ni­ção de pri­o­ri­da­des pe­lo Exe­cu­ti­vo. No qua­dro da re­a­bi­li­ta­ção das es­tra­das do tem­po co­lo­ni­al, aque­la que era tal­vez a mais im­por­tan­te do pon­to de vis­ta agrícola em ter­mos ali­men­ta­res, en­tre Caconda e a Caála, foi a úl­ti­ma a ser ini­ci­a­da. E, até ho­je, quan­do ou­tras já vão na se­gun­da vol­ta, ain­da não es­tá con­cluí­da. Nu­ma pa­la­vra, a so­lu­ção es­tá na de­fi­ni­ção das pri­o­ri­da­des. Que in­cen­ti­vos de­vem ser alo­ca­dos pe­lo Go­ver­no pa­ra que a pro­du­ção agrícola na­ci­o­nal pos­sa com­pe­tir com os pro­du­tos im­por­ta­dos? Re­for­ço das ca­pa­ci­da­des ins­ti­tu­ci­o­nais e em­pre­sa­ri­ais, ca­pa­ci­ta­ção dos téc­ni­cos e dos agri­cul­to­res a to­dos os ní­veis, as­sis­tên­cia téc­ni­ca, in­ves­ti­ga­ção e in­fra-es­tru­tu­ras (es­tra­das, água, ener­gia). De­pois po­de­mos fa­lar dos ou­tros, co­mo os fi­nan­cei­ros. Fa­lar dos fi­nan­cei­ros an­tes dos ou­tros é de­so­nes­to. Na vi­são do en­ge­nhei­ro, o cré­di­to agrícola de cam­pa­nha es­tá a cum­prir a sua mis­são? O que é que de­fen­de pa­ra que se ob­te­nha bons re­sul­ta­dos? Em An­go­la pra­ti­ca­men­te não há cré­di­to de cam­pa­nha. Fo­ra do sec­tor qua­se não se sa­be o que is­so sig­ni­fi­ca. As ex­pe­ri­ên­ci­as de 2011-2012 fo­ram de­cep­ci­o­nan­tes. En­quan­to se pen­sar que pa­ra um agri­cul­tor ter um cré­di­to pa­ra re­sol­ver um pro­ble­ma con­cre­to, co­mo, por exem­plo, pa­gar sa­lá­ri­os ou com­prar uma mo­to­bom­ba, pre­ci­sa de um pro­jec­to, não va­mos lá. Pa­ra agir é pre­ci­so co­nhe­cer. Vol­tá­mos ao mes­mo. Quan­do é que po­de­re­mos al­can­çar a au­to-su­fi­ci­ên­cia? Quan­do co­me­çar­mos a tra­ba­lhar de mo­do in­te­gra­do e co­or­de­na­do, ata­can­do os fac­to­res li­mi­tan­tes de mo­do equi­li­bra­do e pro­gres­si­vo po­de­rei res­pon­der a es­ta per­gun­ta. Até lá só po­de ha­ver es­pe­cu­la­ção barata. Um ex-mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra, já de­pois de ter­mi­na­da a guer­ra, pro­me­teu a au­to-su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar pa­ra 2006. Em 2018 con­ti­nu­a­mos a gas­tar qua­se um mi­lhão de dó­la­res por dia na im­por­ta­ção de ali­men­tos.

NO QUA­DRO DA RE­A­BI­LI­TA­ÇÃO DAS ES­TRA­DAS DO TEM­PO CO­LO­NI­AL, AQUE­LA QUE ERA TAL­VEZ A MAIS IM­POR­TAN­TE DO PON­TO DE VIS­TA AGRÍCOLA EM TER­MOS ALI­MEN­TA­RES, EN­TRE CACONDA E A CAÁLA, FOI A ÚL­TI­MA A SER INI­CI­A­DA

KINDALA MANUEL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.