Ex­por­ta­ções não pe­tro­lí­fe­ras es­tão aquém das ex­pec­ta­ti­vas

Jornal de Economia & Financas - - Empresas - XA

O go­ver­no de­ve fa­zer fun­ci­o­nar a po­lí­ti­ca fis­cal e mo­ne­tá­ria de­du­zin­do os im­pos­tos so­bre os lu­cros, a fim de in­cen­ti­var as em­pre­sas que se de­di­cam às ex­por­ta­ções na­ci­o­nais.

A con­clu­são é do Cen­tro de Es­tu­dos Ci­en­tí­fi­cos (CEIC) da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de An­go­la que vem ex­pres­sa no seu úl­ti­mo Re­la­tó­rio Eco­nó­mi­co 2017, lan­ça­do es­ta se­ma­na.

O es­tu­do avan­ça que em 2017 as ex­por­ta­ções não pe­tro­lí­fe­ras ron­da­ram os 1.300 mi­lhões de dó­la­res. Em des­ta­que es­tão os pro­du­tos co­mo di­a­man­tes, ci­men­to, gra­ni­to, már­mo­re e be­bi­das.

“Ape­sar dos en­tra­ves no am­bi­en­te de ne­gó­ci­os as em­pre­sas fa­zem-no mas com al­gum sa­cri­fí­cio, que de­ve ser mo­ti­va­do”, re­co­nhe­ce o CEIC.

O es­tu­do re­ve­la que a mai­or par­te das em­pre­sas cri­a­das no país pro­du­zem ape­nas pa­ra o Es­ta­do e não pa­ra o con­su­mi­dor fi­nal. “Por is­so, nes­ta fa­se di­fí­cil mui­tas fe­cha­ram por­que o Go­ver­no não pa­ga”.

De acor­do com o do­cu­men­to o país con­ti­nua a gas­tar mui­to di­nhei­ro pa­ra im­por­tar in­su­mos, quan­do as em­pre­sas lo­cais po­dem fa­zê-lo.

Im­por­ta­ções

No que to­ca às im­por­ta­ções to­ta­li­za­ram cer­ca de 28 mil mi­lhões de dó­la­res em 2017.

Es­pe­ci­a­lis­tas do CEIC en­ten­dem que a in­dús­tria de be­bi­das por exem­plo im­por­ta quan­ti­da­des de pol­pa pa­ra a pro­du­ção de su­mos, mui­tas de­las de­vi­am ser fei­tas lo­cal­men­te a co­me­çar da mú­cua.

“A com­pe­ti­ti­vi­da­de do mer­ca­do na­ci­o­nal de­pen­de­rá da ca­pa­ci­da­de de co­lo­car os pro­du­tos no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal com ní­veis de qua­li­da­de”, re­fe­re o es­tu­do.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

As im­por­ta­ções es­ti­ve­ram fi­xa­das em 28 mil mi­lhões de dó­la­res em 2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.