CO­MIS­SÃO DE GES­TÃO TRA­BA­LHA NA HUÍLA

Di­ri­gen­tes da fe­de­ra­ção es­tão a ra­di­o­gra­far o es­ta­do da mo­da­li­da­de no in­te­ri­or

Jornal dos Desportos - - PORTADA - GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LU­BAN­GO

A or­ga­ni­za­ção e re­or­ga­ni­za­ção do ténis são, en­tre ou­tras, as me­tas tra­ça­das pe­la Co­mis­são de Ges­tão cri­a­da pa­ra ad­mi­nis­trar a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Ténis (FAT) nos próximos me­ses. A co­mis­são tra­ba­lhou sá­ba­do e do­min­go na pro­vín­cia da Huíla, com o ob­jec­ti­vo de cons­ta­tar no lo­cal a re­a­li­da­de da mo­da­li­da­de na­que­la cir­cuns­cri­ção.

Aor­ga­ni­za­ção e re­or­ga­ni­za­ção do ténis em An­go­la, são en­tre ou­tras me­tas tra­ça­das pe­la Co­mis­são de Ges­tão cri­a­da pa­ra ad­mi­nis­trar a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Ténis (FAT), nos próximos me­ses, que tra­ba­lhou sá­ba­do e do­min­go, na pro­vín­cia da Huíla, com ob­jec­ti­vo de cons­tar “in lo­co” à re­a­li­da­de da mo­da­li­da­de na­que­la cir­cuns­cri­ção.

Bal­ta­zar Roque, mem­bro da Co­mis­são de Ges­tão da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Ténis, dis­se que de­pois de a co­mis­são ter já reu­ni­do em Lu­an­da tra­çou al­gu­mas di­re­tri­zes pa­ra sua im­ple­men­ta­ção. Des­te mo­do, in­di­cou a pri­mei­ra de­las an­tes de co­me­çar a cum­prir com to­do uma ta­re­fa e ori­en­ta­ção do Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos que de­le­gou es­sa in­cum­bên­cia, pas­sa em co­nhe­cer e fa­zer um le­van­ta­men­to real do ténis no país.

Su­bli­nhou ser pre­ci­so sa­ber-se a ver­da­dei­ra si­tu­a­ção do ténis em An­go­la. A par­tir des­te pres­su­pos­to, ar­gu­men­tou Bal­ta­zar Roque é que vão con­se­guir en­tão re­or­ga­ni­zar e or­ga­ni­zar o ténis. Re­co­nhe­ceu que o ténis no país es­tá vi­vo, mas é pre­ci­so a con­ju­ga­ção de to­do um es­for­ço de to­dos pa­ra que a mo­da­li­da­de em to­do país co­nhe­ça ou­tra di­nâ­mi­ca.

“Em Lu­an­da, te­mos mui­tos par­ti­ci­pan­tes e com pro­jec­tos bons, Ben­gue­la, Lun­da Nor­te, Huíla, tam­bém. So­mos re­al­men­te pou­cos, mas com es­te tra­ba­lho de re­or­ga­ni­za­ção e di­re­tri­zes do Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos se con­se­guir­mos cum­pri-la na ín­te­gra, va­mos con­se­guir ter gran­des resultados”, ga­ran­tiu.

Apon­tou que o iní­cio do tra­ba­lho de vi­si­tas nas pro­vín­ci­as é o que es­tá a ser fei­to com a fi­na­li­da­de de cons­ta­tar no lo­cal co­mo se en­con­tra a si­tu­a­ção real da mo­da­li­da­de. “Pa­ra de­pois fa­zer­mos uma apre­sen­ta­ção e a par­tir daí, vi­rão o cum­pri­men­to de ou­tras di­re­tri­zes”, sus­ten­tou.

Bal­ta­zar Roque des­ta­cou que de­pois de ter fei­to o di­ag­nós­ti­co da re­a­li­da­de do ténis na Huíla, sai sa­tis­fei­to pe­lo que ob­ser­vou e cons­ta­tou por ser es­te o ob­jec­ti­vo prin­ci­pal da Co­mis­são de Ges­tão em com­pro­var “in lo­co” co­mo an­da a si­tu­a­ção da mo­da­li­da­de nas pro­vín­ci­as.

“E a Huíla es­tá a ser uma surpresa por­que es­tou a ver mui­tos pra­ti­can­tes. Por is­so, saiu da pro­vín­cia da Hui­la con­ten­te. É ver­da­de que é pre­ci­so mais tra­ba­lho, mas é as­sim que se co­me­ça. Os pra­ti­can­tes vão tra­ba­lhar pa­ra ga­nhar tra­que­jo e aos pou­co vão me­lho­ran­do. Por­tan­to, de uma for­ma ge­ral es­tou fe­liz com is­so. Me foi da­do a ver que a Huíla tem três clu­bes e to­dos aqui a de­mons­trar, as­sim co­mo es­tá a sur­gir ou­tras agre­mi­a­ções. Daí, es­tou fe­liz com o tra­ba­lho da Huíla”, ma­ni­fes­tou.

Bal­ta­zar Roque ex­pli­cou que além da Huíla, os mem­bros da Co­mis­são de Ges­tão já tra­ba­lha­ram em Ben­gue­la e de­pois nos próximos di­as des­lo­cam-se pa­ra a pro­vín­cia do Bié. Con­fir­mou que ou­tro co­le­ga in­te­gran­te da co­mis­são, foi igual­men­te re­a­li­zar o mes­mo tra­ba­lho de cons­ta­ta­ção em Ca­bin­da e pos­te­ri­or­men­te na Lun­da Sul.

“Co­me­ça­mos a pou­co as nos­sa vi­si­tas e não te­mos mui­to tem­po de tra­ba­lho ain­da, mas es­sa é a nos­sa pri­mei­ra fa­se da nos­sa ac­ti­vi­da­de em co­nhe­cer co­mo es­tá a si­tu­a­ção da mo­da­li­da­de a ní­vel na­ci­o­nal, a sua po­pu­la­ção vo­tan­te e a par­tir daí or­ga­ni­zar­mos pa­ra par­tir­mos pa­ra um no­vo plei­to elei­to­ral”, dis­se.

Con­fir­mou que a re­a­li­da­de do de­sen­vol­vi­men­to do ténis na pro­vín­cia de Ben­gue­la é boa e mo­ti­va­do­ra e acres­cen­tou exis­tir ac­tu­al­men­te dois clu­bes que di­na­mi­zam a mo­da­li­da­de no­me­a­da­men­te o Clu­be de Ténis Ba­na­nei­ra do Ca­va­co e o Clu­be de Ténis de Ben­gue­la, bem co­mo a pró­pria as­so­ci­a­ção lo­cal que to­ma pos­se es­ta se­ma­na.

“Exis­te em Ben­gue­la, dois clu­bes vi­vos e a par des­tes, a As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al lo­cal, fa­rá o seu pro­ces­so de re­no­va­ção de man­da­to e elei­ções pe­lo fac­to de es­tar a ser ge­ri­da tam­bém por uma co­mis­são de ges­tão. Por­tan­to es­sa é a re­a­li­da­de de Ben­gue­la que con­ta com dois clu­bes mor­men­te o Clu­be de Ténis Ba­na­nei­ras do Ca­va­co e Clu­be de Ténis de Ben­gue­la, bem co­mo a pró­pria as­so­ci­a­ção que es­ta se­ma­na pas­sa­ra a exis­tir na sua for­ma real”, as­se­ve­rou.

Em de­cla­ra­ção ao Jor­nal dos Des­por­tos no Lu­ban­go, Bal­ta­zar Roque su­bli­nhou que com a di­gres­são que a co­mis­são de ges­tão es­tá a fa­zer, acre­di­ta que o ténis no país, po­de­rá ga­nhar ou­tro alen­to pa­ra a ale­gria e sa­tis­fa­ção dos aman­tes da mo­da­li­da­de.

O mem­bro da Co­mis­são de Ges­tão que tra­ba­lhou no Lu­ban­go, ar­gu­men­tou ser da­que­las pes­so­as que tem a cer­te­za ab­so­lu­ta de que qu­an­do se tra­ba­lha, se con­se­gue. “O que pre­ci­sa­mos de fa­zer to­dos é dar­mos a mão por­que so­mos pou­cos. E pou­cos, jun­tos fa­zem mui­to e qu­an­do se faz for­ça, con­se­gue se atin­gir gran­des ní­veis”, apon­tou.

O di­ri­gen­te afir­mou que com cal­ma, pon­de­ra­ção e in­te­li­gên­cia, a co­mis­são de ges­tão, vai ten­tar or­ga­ni­zar e re­or­ga­ni­zar o ténis na­ci­o­nal com ver­da­de pa­ra que o ór­gão rei­tor da mo­da­li­da­de e o Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos con­si­gam apoi­ar e dar as mãos pa­ra per­mi­tir que o ténis saia ra­pi­da­men­te do es­ta­do em que es­tá mer­gu­lha­do ac­tu­al­men­te. Bal­ta­zar Roque adi­an­tou que ape­sar de ain­da não ter o re­su­mo fi­nal do tra­ba­lho de cons­ta­ta­ção que es­tão a re­a­li­zar nas pro­vín­ci­as, mas cer­ti­fi­cou que o ténis é pra­ti­ca­do em Ben­gue­la, Huíla, Lu­an­da, Lun­da Nor­te. “Na Lun­da Sul, ain­da não fo­mos pa­ra lá, mas há dois anos num dos cam­pe­o­na­tos re­a­li­za­do na Lun­da Nor­te, apa­re­ceu te­nis­ta da Lu­na­da Sul e Ca­bin­da. Mas ain­da não te­nho o re­la­tó­rio do mo­men­to, po­rém, a prin­cí­pio Ca­bin­da tam­bém tem ténis. São es­sas pro­vín­ci­as que nes­te mo­men­to mo­vi­men­tam o ténis em An­go­la”, ga­ran­tiu.

O mo­da­li­da­de tem re­gis­ta­do um de­cres­ci­mo.

Dis­ci­pli­na es­tá a atra­ves­sar uma das sua pi­o­res fa­ses de­pois da des­ti­tui­ção do elen­co

KINDALA MANUEL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.