Es­pe­ci­fi­ci­da­des do Mar­ke­ting na Ges­tão Des­por­ti­va ( 1 )

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - NZONGO BERNARDO DOS SANTOS

Omar­ke­ting des­por­ti­vo apre­sen­ta um con­jun­to de es­pe­ci­fi­ci­da­des, que o tor­nam di­fe­ren­te na sua im­ple­men­ta­ção, ao con­trá­rio dos ou­tros con­tex­tos de mar­ke­ting.Afi­nal, que ló­gi­ca te­ria le­va­do pa­ra que nos úl­ti­mos anos em­pre­sas e mar­cas apos­tas­sem no mar­ke­ting des­por­ti­vo, pa­ra fi­de­li­zar, cap­tar e até mes­mo au­men­tar o nú­me­ro de con­su­mi­do­res ? Pa­ra o efei­to, é ne­ces­sá­rio, a qu­em de­se­ja ter lu­cros e ob­ter re­cei­tas fa­bu­lo­sas no mer­ca­do des­por­ti­vo, per­ce­ber, in­ter­pre­tar e ope­ra­ci­o­na­li­zar as re­fe­ri­das es­pe­ci­fi­ci­da­des, pa­ra que es­te­jam ali­nha­das com as prin­ci­pais pre­mis­sas que nor­tei­am o fan­tás­ti­co mun­do do des­por­to, no­me­a­da­men­te, a pai­xão, emo­ção, par­ti­ci­pa­ção, in­te­res­se e o consumo.Das es­pe­ci­fi­ci­da­des até en­tão co­nhe­ci­das, des­ta­co três, que na sua es­sên­cia e gé­ne­se, são os pi­la­res do mar­ke­ting des­por­ti­vo, quer a ju­san­te co­mo a mon­tan­te, que são: o pla­no de co­mu­ni­ca­ção, pla­no de mar­ke­ting e o pla­no es­tra­té­gi­co. Nes­te ar­ti­go, cin­gir-me-ei no pla­no de co­mu­ni­ca­ção, pa­ra em ar­ti­gos fu­tu­ros abor­dar de for­ma di­dác­ti­ca e pe­da­gó­gi­ca os ou­tros as­pec­tos, aci­ma alis­ta­dos.De­pois de nos úl­ti­mos anos ce­der aos seus di­rei­tos co­mer­ci­ais, as em­pre­sas de con­sul­to­ria es­pe­ci­a­li­za­das na área da co­mu­ni­ca­ção, os prin­ci­pais clu­bes a ní­vel mun­di­al co­me­ça­ram a in­cor­po­rar no seu or­ga­ni­gra­ma de ges­tão des­por­ti­va, as su­as pró­pri­as es­tru­tu­ras li­ga­das à co­mu­ni­ca­ção, con­tra­tan­do pro­fis­si­o­nais com vas­to know-how e ex­pe­ri­ên­cia de co­mu­ni­ca­ção. A tí­tu­lo de exem­plo, gos­ta­va de des­ta­car , que uma das mai­o­res con­tra­ta­ções do ac­tu­al Pre­si­den­te do Real Ma­drid, Flo­ren­ti­no Pe­réz, tal co­mo no pri­mei­ro man­da­to em que es­te­ve à fren­te da ges­tão des­por­ti­va do clu­be ma­dri­le­no, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo a “era dos ga­lác­ti­cos”, não fo­ram os Fi­gos , Zi­da­nes, Bec­kahams, Cris­ti­a­nos, Ká­kas en­tre ou­tros, se­não o até ago­ra (des)co­nhe­ci­do Ós­car Ugaz, o “su­per-po­de­ro­so” ho­mem do bu­si­ness sport mun­di­al, res­pon­sá­vel pe­lo de­par­ta­men­to de co­mu­ni­ca­ção e ima­gem do Real Ma­drid. Pa­ra to­dos os efei­tos, ho­je, uma re­fe­rên­cia de “mar­ca” no que diz res­pei­to à for­ma co­mo se tra­ba­lha a ima­gem e a co­mu­ni­ca­ção de um clu­be, a pon­to de atrair os mai­o­res in­ves­ti­do­res e mar­cas no mun­do in­tei­ro! De fac­to, pa­ra que se crie um im­pac­to for­te e efi­caz, é in­dis­pen­sá­vel que a agre­mi­a­ção des­por­ti­va dê aten­ção ao for­ma­to co­mu­ni­ca­ti­vo a ser uti­li­za­do, as­sim co­mo a ne­ces­si­da­de de ha­ver to­tal con­tro­lo e uti­li­za­ção de uma li­nha ade­qua­da ao per­fil do seu pú­bli­co al­vo (se­jam só­ci­os, adep­tos, pa­tro­ci­na­do­res e até mes­mo po­ten­ci­as in­ves­ti­do­res), de tal ma­nei­ra que che­gue ao pon­to de ge­rar APRO­XI­MA­ÇÃO e SINTONIA. Se le­var­mos em con­ta que o mai­or “pa­tri­mó­nio” de uma agre­mi­a­ção des­por­ti­va é a sua ima­gem, e es­te fac­tor “si­ne qua non”, for MAL ex­plo­ra­do ou RELEGADO pa­ra um pla­no in­fe­ri­or, to­da a es­tru­tu­ra da agre­mi­a­ção des­por­ti­va, fi­ca COM­PRO­ME­TI­DA. E, no ca­so particular de An­go­la, não te­mos ape­nas, mas de­ve­mos me­lho­rar o for­ma­to co­mu­ni­ca­ti­vo das agre­mi­a­ções des­por­ti­vas, com a fi­na­li­da­de de re­for­çar o po­si­ci­o­na­men­to das mar­cas, as­sim co­mo pro­mo­ver um con­jun­to de pro­du­tos e ser­vi­ços, que as mes­mas pos­sam dis­po­ni­bi­li­zar, in­te­grar so­lu­ções que cap­tem e atrai­am mais só­ci­os, mais adep­tos, mais pa­tro­ci­na­do­res e mais in­ves­ti­do­res, ao in­vés de an­dar atrás do pre­juí­zo, “filme” que ha­bi­tu­al­men­te as­sis­ti­mos to­dos os di­as, cu­jo “en­re­dos” ,mon­ta­dos por al­guns res­pon­sá­veis (que di­ga-se ama­do­res) de co­mu­ni­ca­ção dos clu­bes, che­gam ao pon­to de per­mi­tir as mais ab­sur­das e de­sas­tro­sas es­pe­cu­la­ções, ou até, o mes­mo es­cla­re­ci­men­to de as­sun­tos can­den­tes!Sal­vo ra­rís­si­mas ex­cep­ções, até mes­mo dis­tri­buir press re­le­a­ses ou en­vi­ar co­mu­ni­ca­dos com o ro­tei­ro de ac­ti­vi­da­des se­ma­nais dos clu­bes, cons­ti­tui-se num gran­de dé­fi­ce pa­ra a co­mu­ni­ca­ção dos clu­bes, pa­ra com os seus prin­ci­pais in­ter­lo­cu­to­res, que são os adep­tos e os só­ci­os.Por­que ora, é fei­ta de for­ma de­fi­ci­en­te, ora é fei­ta de for­ma des­fo­ca­da. E is­so, qu­an­do exis­te !Co­mo com­pre­en­der, que pa­ra o des­por­to que é uma ac­ti­vi­da­de que aglo­me­ra e con­ver­ge gran­de con­cen­tra­ção de mas­sas di­a­ri­a­men­te, pe­los mais di­ver­sos ca­nais de in­for­ma­ção, se­ja im­pren­sa, rá­dio, tv, etc, o for­ma­to co­mu­ni­ca­ti­vo das agre­mi­a­ções des­por­ti­vas, se­ja con­si­de­ra­do um han­di­cap, ou se­ja, não se an­te­ci­pa, não pre­pa­ra o am­bi­en­te e com­pli­ca em vez de ex­pli­car?Co­mo en­ten­der, que ho­je, em que não se po­de fa­lar do fu­tu­ro, pre­sen­te (ou vi­ce-ver­sa) sem as no­vas tec­no­lo­gi­as, a mai­or par­te das agre­mi­a­ções des­por­ti­vas em An­go­la, não ten­tam “vender” a sua ima­gem, mar­car pre­sen­ça ac­ti­va na in­ter­net e nas re­des so­ci­ais, apos­tar em ac­ções de co­mu­ni­ca­ção de pro­xi­mi­da­de e de in­te­rac­ti­vi­da­de per­ma­nen­te, com o seu pú­bli­co-al­vo e par­cei­ros, pre­fe­rir ao con­trá­rio fi­car fe­cha­dos na pre­sun­ção do qu­e­ro, pos­so, man­do, e não dou “ca­va­co” a nin­guém ? Re­pi­to, sal­vo ra­ras ex­cep­ções, tu­do o res­to só con­fir­ma a re­gra de que há um es­cas­so do­mí­nio pro­fis­si­o­nal dos as­sun­tos, do co­mo, qu­an­do, on­de, porquê, pa­ra quê e atra­vés de que mei­os de­ve uma agre­mi­a­ção des­por­ti­va co­mu­ni­car com seu pú­bli­co al­vo, de for­ma particular e com a im­pren­sa es­pe­ci­a­li­za­da de uma for­ma ge­ral!Por nor­ma, em­bo­ra não exis­tam mo­de­los per­fei­tos, a de­fi­ni­ção de um pla­no de co­mu­ni­ca­ção a im­ple­men­tar num pe­río­do alar­ga­do, im­põe a ne­ces­si­da­de de uti­li­zar uma mul­ti­pli­ci­da­de de for­ma­tos e su­por­tes, que o tor­nem pro­ac­ti­vos na pas­sa­gem de men­sa­gens aos prin­ci­pais in­ter­lo­cu­to­res, sen­do im­por­tan­te a es­co­lha de fer­ra­men­tas mais ade­qua­das, da­dos os ob­jec­ti­vos vi­sa­dos.Uma boa ges­tão de co­mu­ni­ca­ção é es­sen­ci­al pa­ra as­se­gu­rar a re­pu­ta­ção de qual­quer agre­mi­a­ção des­por­ti­va, re­du­zir as pro­ba­bi­li­da­des de ser mal ci­ta­da ou de ver pu­bli­ca­das in­for­ma­ções in­cor­rec­tas, que aca­bem por afec­tar a sua ima­gem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.