Li­de­ran­ça em jo­go

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Adis­pu­ta pe­la li­de­ran­ça do cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol da pri­mei­ra di­vi­são es­tá ani­ma­da. Pe­lo me­nos, qua­tro equi­pas se­guem à fren­te, la­do a la­do, em­bo­ra uma, no ca­so o 1º de Agos­to, te­nha mais um pon­to em re­la­ção às ou­tras ,co­mo Pe­tro, Sa­gra­da Es­pe­ran­ça e Ka­bus­corp do Pa­lan­ca.

Na ver­da­de, quan­do o qua­dro se apre­sen­ta des­ta for­ma, não há co­mo não re­co­nhe­cer al­gu­ma com­pe­ti­ti­vi­da­de, sen­do es­te as­pec­to que va­lo­ri­za o pró­prio cam­pe­o­na­to e in­cen­ti­va o pú­bli­co con­su­mi­dor a acom­pa­nhar os jo­gos com mais in­te­res­se, com mais ex­pec­ta­ti­va. É cer­to que es­te xa­drez po­de ser efé­me­ro, mas tam­bém po­de per­sis­tir.

No des­fe­cho da pró­xi­ma jor­na­da, tan­to po­de­mos ter co­mo lí­der o 1º de Agos­to, o Pe­tro, o Ka­bus­corp, ou o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça. Tu­do es­ta­rá con­di­ci­o­na­do aos re­sul­ta­dos que as equi­pas vi­e­rem a ob­ter. E é sa­lu­tar quan­do se ve­ri­fi­ca um re­ve­za­men­to de equi­pas na li­de­ran­ça da pro­va.

Gu­ar­da­mos na me­mó­ria cam­pe­o­na­tos mar­ca­dos por um acen­tu­a­do de­se­qui­lí­brio com­pe­ti­ti­vo, em que uma equi­pa di­ta as re­gras, re­me­te às de­mais nu­ma de­ses­pe­ra­da lu­ta pe­lo se­gun­do lu­gar. Quan­do is­so acon­te­ce, mui­tas ve­zes o pú­bli­co ti­ra as aten­ções do to­po, con­cen­tra o olhar na lu­ta pe­la não des­ci­da de di­vi­são.

Fe­liz­men­te, em al­gu­mas edições es­te ci­clo es­te­ve que­bra­do e pas­sá­mos à as­sis­tir a lu­ta pe­lo tí­tu­lo até à úl­ti­ma jor­na­da, mas a en­vol­ver du­as equi­pas, o que já é bom. A pre­sen­te edi­ção dá-nos in­di­ca­ções das coi­sas se­rem mais in­te­res­san­tes, a pe­le­ja po­de con­tar com mais de du­as equi­pas.

Di­rão al­guns que o cam­pe­o­na­to ain­da tem mui­ta es­tra­da a cal­cor­re­ar, tu­do cer­to. En­tre­tan­to, para o fim do pri­mei­ro tur­no já não es­ta­mos mui­to lon­ge. E, em re­gra, é o co­e­fi­ci­en­te com que as equi­pas ter­mi­nam a pri­mei­ra vol­ta que se tor­na no tó­ni­co para a eta­pa der­ra­dei­ra. Pre­ten­de­mos di­zer que se a pro­va es­ti­ves­se a meio, a lu­ta para o re­a­ta­men­to se­ria de vi­da ou de mor­te.

Ain­da as­sim, é im­por­tan­te não per­der de vis­ta que na fes­ta ain­da não en­trou o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, que no ca­so de ser bem su­ce­di­do no cor­te­jo de jo­gos em atra­so, es­ta­rá tam­bém ao ní­vel das equi­pas de que fi­ze­mos re­fe­rên­cia e es­pe­vi­ta ain­da mais a lu­ta pe­la li­de­ran­ça. Di­ga-se de pas­sa­gem que o tor­neio es­tá in­te­res­san­te e re­co­men­da-se...

No des­fe­cho da pró­xi­ma jor­na­da, tan­to po­de­mos ter co­mo lí­der o 1º de Agos­to, o Pe­tro, o Ka­bus­corp, ou o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça. Tu­do es­ta­rá con­di­ci­o­na­do aos re­sul­ta­dos que as equi­pas vi­e­rem a ob­ter. E é sa­lu­tar quan­do se ve­ri­fi­ca um re­ve­za­men­to de equi­pas na li­de­ran­ça da pro­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.