Des­por­to e negócio

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ARLINDO MA­CE­DO

Vin­do re­a­tar o de­sa­ba­fo so­bre o es­ta­do de de­sen­vol­vi­men­to apa­ren­te­men­te crí­ti­co do nos­so des­por­to, o ca­pí­tu­lo que se se­gue é so­bre a re­la­ção dos nos­sos jo­vens de ho­je com o des­por­to, já sem a cha­ma nem a mo­ti­va­ção de ou­tro­ra, nem já o com­pro­mis­so con­si­go mes­mo de da­rem tu­do por tu­do de si e com am­bi­ção por ser en­tre os seus o mais rá­pi­do, o mais al­to e o mais for­te (ci­tius, al­tius, for­tius: di­vi­sa do olim­pis­mo).

A cé­le­bre e ele­va­dís­si­ma di­vi­sa olím­pi­ca já não diz na­da às no­vas ge­ra­ções an­go­la­nas de des­por­tis­tas, que mal ou­vi­ram fa­lar do ‘Ve­lho De­mo’ ou De­mósthe­nes de Al­mei­da, ou nem se­quer sa­bem que Bar­ce­ló de Car­va­lho (Bon­ga) e Rui Min­gas te­nham si­do um dia an­go­la­nos re­cor­dis­tas de atletismo de Por­tu­gal.

Aqui dá a im­pres­são de que hou­ve uma ne­ces­si­da­de de se dar uma ma­cha­da­da em mui­ta coi­sa que ha­via pos­si­vel­men­te sem se sa­ber o qu­an­to con­ti­nha de bom, tal­vez ain­da co­mo for­ma de cor­tar o cor­dão e ini­ci­ar al­go de no­vo, que em de­fi­ni­ti­vo não es­tá a dar cer­to no des­por­to. À fal­ta de pro­jec­tos vi­si­o­ná­ri­os, não sou­be­mos apa­nhar o com­boio da for­ma­ção téc­ni­ca, sen­do ho­je o nú­me­ro dos trei­na­do­res in­su­fi­ci­en­te pa­ra a ‘re­vo­lu­ção’.

As­sim se­pa­ra­dos de um pas­sa­do de prá­ti­cas se­gu­ras e res­se­gu­ras por téc­ni­cos na­ci­o­nais ex­pe­ri­men­ta­dos de um de­sen­vol­vi­men­to des­por­ti­vo do qual já des­car­ri­lá­mos, e que pa­re­ce tar­dar­mos em re­en­con­trar ca­mi­nho, eis que mais re­cen­te­men­te trou­xe-nos re­do­bra­da es­pe­ran­ça a úl­ti­ma re­no­va­ção de man­da­tos nas fe­de­ra­ções. Acre­di­ta-se que os ven­ce­do­res in­ter­pre­ta­ram me­lhor os pro­fun­dos an­sei­os dos elei­to­res ou se­jam, os clu­bes, pa­ra ser­mos mais pre­ci­sos.

As­sim e em re­la­ção à mas­sa pra­ti­can­te, per­sis­tin­do o dé­fi­ce da po­pu­la­ção des­por­ti­va de pro­ve­ni­ên­cia aca­dé­mi­ca e es­tu­dan­til, eis-nos sem­pre aten­tos ao sub-pro­du­to cri­a­do e crescido sem ei­ra e nem bei­ra des­por­ti­va, nos mu­ce­ques on­de se­ca­ram tam­bém os pou­cos clu­bes e equi­pas que ha­via, ten­do-se man­ti­do, pe­lo me­nos no fu­te­bol, o po­bre vi­vei­ro de que ain­da vi­ve­mos.

En­tre­tan­to, acre­di­ta-se que a exem­plo da Aca­de­mia de Fu­te­bol de An­go­la, tam­bém o Pri­mei­ro de Agos­to e o Pe­tro Atlé­ti­co apre­sen­tem em bre­ve re­sul­ta­dos dos seus úl­ti­mos es­for­ços no des­por­to jo­vem, ape­sar de no andebol se­rem vi­sí­veis os ta­len­tos úl­ti­ma­men­te co­lhi­dos do vi­vei­ro mi­li­tar, tal co­mo no basquetebol, aque­les pro­ve­ni­en­tes do can­tei­ro pe­tro­lí­fe­ro. Mas tal é ma­ni­fes­ta­men­te pouco pa­ra o po­ten­ci­al ins­ta­la­do em An­go­la e aqui nas­ci­do tam­bém.Os des­por­tis­tas ho­je mais em evi­dên­cia são de uma pro­ve­ni­ên­cia na mai­o­ria das ve­zes ex­tre­ma­men­te hu­mil­de, os quais pouco mais fa­zem pa­ra além de jo­gar, jo­gar, e jo­gar, no bair­ro, o que lhes dá uma mais do que ex­tra­or­di­ná­ria das ru­as so­bre­po­vo­a­das e ter­rei­ros mal ama­nha­dos pa­ra o des­por­to, on­de se apren­dia de tu­do me­nos o jo­go tal co­mo ele é en­si­na­do na aca­de­mia.

Sem gran­des fun­da­ções e nem pai­xão pura pe­lo des­por­to, mas ape­nas a eupho­ria pró­pria da ju­ven­tu­de, eis que de­pres­sa nas­ce-lhes o so­nho mór­bi­do em ga­nhar di­nhei­ro de­pres­sa e já; e tal é nor­mal­men­te o iní­cio de uma car­rei­ra de cur­to pa­vio, pou­ca du­ra­ção e gran­de de­si­lu­são. De­mons­tra­do es­tá, pe­las mo­der­nas aca­de­mi­as, que não se ex­trai tan­to de um des­por­tis­ta qu­an­to se po­de quan­do ele tem tam­bém um his­tó­ri­co aca­dé­mi­co re­la­ci­o­na­do con­si­go; as­si­mi­la-se o jo­go me­lhor e mais de­pres­sa.

Ul­ti­ma­men­te e quan­do tu­do pa­re­cia encaminhado pa­ra o des­por­to re­nas­cer da es­co­lar e do sis­te­ma de en­si­no, eis que o si­lên­cio se fez e pros­se­gue, en­quan­to os pais co­me­çam tam­bém a equa­ci­o­nar uma vi­da des­por­ti­va pa­ra os fi­lhos e sem ne­ces­si­da­de apa­ren­te de es­co­la, o que é uma apos­ta de risco.

O país ain­da não aten­de ao es­ta­tu­to es­pe­ci­al do atle­ta-es­tu­dan­te, re­me­te a ex­cep­ção pa­ra so­men­te os atle­tas de al­ta-com­pe­ti­ção, ar­re­dan­do da es­co­la os de­mais. Ora, se as­sim con­ti­nu­ar, o risco dos jo­vens au­men­ta, uma vez que seus pais e pro­ge­ni­to­res po­dem achar que seus re­ven­tos têm to­das as pos­si­bi­li­da­des do mun­do de se tor­na­rem gran­des atle­tas, po­rém, se es­se não for o ca­so, hão-de ter às mãos adul­tos sem pre­pa­ra­ção pa­ra a vi­da.

Nes­se ca­so, ape­nas o su­ces­so des­por­ti­vo – e uma ca­be­ci­nha no sí­tio – po­dem sal­var de uma vi­da de pe­di­chin­ce qu­a­se ga­ran­ti­da, to­do e aque­le atle­ta que ti­ver uma es­co­la des­por­ti­va fei­ta sem aca­de­mia, ou se­ja, uma for­ma­ção des­por­ti­va pouco qua­li­fi­ca­da e se­gu­ra­men­te pouco pro­me­te­do­ra tam­bém.

Não é mui­to fá­cil es­ti­mar qual dos pra­tos da ba­lan­ça pe­sa­rá mais na mo­ti­va­ção do jo­vem, se o des­por­to e o prazer, ou se o des­por­to co­mo sú­bi­ta opor­tu­ni­da­de pro­fis­si­o­nal; e as­sim mui­tos ini­ci­am uma vi­a­gem de mui­ta ilu­são, mas pouco re­a­lis­mo, em que os jo­ga­do­res não são em re­gra de gran­des an­te­ce­den­tes des­por­ti­vos, têm efec­ti­va­men­te um ta­len­to pu­ro ele­va­do, mas tam­bém uma di­fi­cul­da­de de ab­sor­ver ru­di­men­tos do fu­te­bol de pa­co­ti­lha e que se apren­dem em uma ida­de que os nos­sos jo­vens ta­len­tos de rua des­co­ber­tos não têm mais.Pre­sen­te­men­te tam­bém os pais e tu­to­res que­rem na mai­o­ria dos ca­sos ser igual­men­te os agen­tes dos fi­lhos, en­te­a­dos e so­bri­nhos, pre­te­rin­do a es­co­la de­les se for pre­ci­so, con­ven­ci­dos de es­ta­rem a cri­ar um va­lor co­mer­ci­al des­por­ti­vo ele­va­do e, quem sa­be, o fu­tu­ro ri­so­nho da fa­mí­lia. Mas, em boa ho­ra e com­pre­en­den­do o im­pe­di­men­to di­rec­to da car­rei­ra pe­la es­co­la, e vi­ce-ver­sa, in­tro­du­ziu-se no mo­der­no con­cei­to da aca­de­mia des­por­ti­va, o apro­vei­ta­men­to in­te­gra­do do dia do jo­vem e a par­ti­lha de obri­ga­ções es­co­la­res ago­ra aca­sa­la­das co­ma re­gu­la­ri­da­de e in­ten­si­da­de do treino des­por­ti­vo, ten­do sos­se­ga­do um pouco os pais.

Na re­a­li­da­de, o mai­or di­le­ma pa­ra um jo­vem e seu pais, é adi­vi­nha­rem qu­an­to po­de­rá ren­der a car­rei­ra des­por­ti­va do fi­lho ou fi­lha, re­ce­an­do que uma car­rei­ra des­por­ti­va fra­cas­sa­da pos­sa nem ren­der o su­fi­ci­en­te, nem dei­xar o jo­vem apto a ter um ou­tro em­pre­go e ren­di­men­to. Re­cor­de-se

Na re­a­li­da­de, o mai­or di­le­ma pa­ra um jo­vem e seus pais, é adi­vi­nha­rem qu­an­to po­de­rá ren­der a car­rei­ra des­por­ti­va do fi­lho ou fi­lha, re­ce­an­do que uma car­rei­ra des­por­ti­va fra­cas­sa­da pos­sa nem ren­der o su­fi­ci­en­te, nem dei­xar o jo­vem apto a ter um ou­tro em­pre­go.

que mui­tos des­por­tis­tas de no­me­a­da en­ve­lhe­ce­ram na in­di­gên­cia, sem o mí­ni­mo de pre­pa­ra­ção pa­ra fa­zer ou­tra coi­sa.

En­tre­tan­to e por ou­tro la­do, os agen­tes e pseu­do-agen­tes des­por­ti­vos têm vis­to abrir-se-lhes as por­tas do Mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, atra­vés de par­ce­ri­as com ‘agên­ci­as’ de des­por­tis­tas que ac­tu­am por via in­ter­pos­ta ou sub-con­tra­ta­ção co­mo tam­bém se po­de­rá di­zer, afim de cre­di­bi­li­zar o agen­te e a ven­da do pro­du­to ‘Ma­de In An­go­la’. No en­tan­to, lá pos­ta a ‘mer­ca­do­ria’, pa­re­ce a mes­ma per­der par­te da qua­li­da­de (me­di­da em va­lor) que aqui vía­mos, in­do pa­rar às pra­te­lei­ras dos clu­bes ad­qui­ren­tes, co­mo ten­do com­pra­do ga­to por le­bre, e me­ti­dos por ale­ga­ções vá­ri­as nas Equi­pas B des­ses em­ble­mas.

Em to­da es­ta de­cep­ci­o­nan­te ex­pe­ri­ên­cia de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção dos nos­sos ta­len­tos, ex­cep­ção se­ja fei­ta ao andebol; en­tre os pou­cos ac­ti­vos que têm al­guns clu­bes em des­por­tis­tas de pon­ta, par­ti­cu­lar­men­te em basquetebol e fu­te­bol, se­ja fei­ta ex­cep­ção ao andebol e às nos­sas ‘Di­vas’, que ain­da vão pre­fe­rin­do fi­car em ca­sa e me­lhor pa­gas, que lá fo­ra e em clu­bes de ine­gá­vel des­ta­que, mas com uma re­a­li­da­de se­gun­do a qual o andebol é des­por­to po­bre. E en­tão, em An­go­la pa­ga-se mais do que lá fo­ra, daí nem as ‘Di­vas’ se me­xe­rem da­qui.

Nes­ta al­tu­ra e sem a mes­ma ur­gên­cia em ter­mos de bol­sa de va­lo­res, in­te­res­sa aos des­por­tis­tas An­go­la­nos pers­pec­ti­va­rem co­mo se­rá o ‘day af­ter’ das su­as car­rei­ras, o mo­men­to após pen­du­ra­rem chu­tei­ras e sa­pa­ti­lhas; e co­mo tem si­do acau­te­la­da a sua se­gu­ran­ça so­ci­al. Ou ain­da, co­mo es­ta­rá ga­ran­ti­da a sua vi­da, o seu fí­si­co e saú­de.

Exis­te nes­ta pra­ça des­por­ti­va mais do que um con­tra-sen­so, e o ul­ti­mo é aque­le Se­gun­do o qual os agen­tes e pseu­do-agen­tes de atle­tas es­tão mais ac­ti­vos no ter­re­no em bus­ca de um com­pra­dor, mais do que no in­ves­ti­men­to em uma car­rei­ra com mar­gens de evo­lu­ção ta­be­la­das e re­gu­la­men­ta­das em ga­nhos, en­quan­to o atle­ta e so­bre­tu­do os seus res­pon­sá­veis e tu­to­res vão re­ve­lan­do es­ta­rem so­men­te con­cen­tra­dos no ganho e nem por is­so em to­ma­rem qual­quer precaução de or­dem so­ci­al pre­ven­ti­va a fa­vor do seu ‘te­sou­ro’.

É pre­ci­o­so as en­ti­da­des pro­mo­to­ras de even­tos e pa­les­tras, cha­mar à pla­teia es­te gru­po so­ci­al de atle­tas e seus tu­to­res, fa­lan­do pa­ra eles de ma­nei­ra res­pon­sá­vel so­bre di­rei­tos, mas tam­bém de­ve­res, in­do des­se mo­do con­tri­buir pa­ra fa­zer es­pe­ci­tar a clas­se atra­vés de al­gu­ma luz ini­ci­al, an­tes que a con­ver­sa des­cam­be sem­pre pa­ra va­lo­res e di­nhei­ro. Nun­ca tan­to co­mo ul­ti­ma­men­te, di­nhei­ro é o que mo­ve o des­por­to an­go­la­no fe­de­ra­do, a ní­veis que mais pa­re­ce ser um jo­go de ‘ba­to­ta’. Ao me­nos, as Fi­nan­ças Pú­bli­cas ga­nham com es­te, mas não sei se ga­nham o im­pos­to de ren­di­men­to so­bre o sa­lá­rio de trei­na­do­res e atle­tas que an­dam se­mi­a­nó­ni­mos nos re­gis­tos fis­cais.

O des­por­to pro­fis­si­o­nal é bom e to­dos gos­tam, mas os seus im­pe­ra­ti­vos e con­tri­bui­ções fis­cais são di­ta­mes du­ros que nem to­do o agen­te des­por­ti­vo e atle­tas es­tão dis­pos­tos a acei­tar. Os ca­sos ju­di­ci­as de fu­ga ao fis­co de jo­ga­do­res de gran­de no­me­a­da, co­mo Neymar e Mes­si, le­van­do in­clu­si­ve seus pais à bar­ra do tri­bu­nal, são a pro­va de co­mo o des­por­to dei­xou de ser pu­ra­men­te des­por­to, mas uma in­dús­tria de en­tre­te­ni­men­to com al­gum sabor des­por­ti­vo ain­da, em que pe­sa ca­da vez mais o ca­chet de ca­da um.E as­sim foi que o jo­vem An­go­la­no co­me­çou a dei­xar de ter prazer na vi­da des­por­ti­va, des­de que ele des­co­briu que a sua ha­bi­li­da­de com e sem bo­la lhe po­de ren­der al­gum sa­lá­rio e tor­nar-se pro­fis­si­o­nal.

E es­ta­rá is­so tu­do a ser fei­to den­tro dos ‘ti­mings’ e pre­cei­tos que o Mer­ca­do re­quer? Se es­ti­ver, en­tão o va­lor de­cla­ra­do pe­los pas­ses dos An­go­la­nos a clu­bes es­tran­gei­ros, re­ve­la bem da po­bre­za do pro­du­to des­por­ti­vo na­ci­o­nal quan­do ele­va­do e equi­pa­ra­do ao de ou­tros mer­ca­dos do des­por­to igual­men­te si­tu­a­dos no Ter­cei­ro Mun­do.

Mais do que a ge­o­gra­fia, a de­ter­mi­na­ção des­por­ti­va des­tes mun­dos não é tan­to uma de­ter­mi­na­ção eco­nó­mi­ca, qu­an­to se­rá a de ver­da­dei­ros ‘tru­tas’ me­ti­dos a pen­sar; ago­ra, das du­as uma, ou já não te­mos tru­ta, ou as que ha­via dei­xa­ram mes­mo de na­dar.

Mas ho­je is­so já en­vol­ve os pais, ou fa­mi­li­a­res pró­xi­mos que pre­ten­dem ex­plo­rar o jo­vem ta­len­to da fa­mí­lia. Du­ran­te mui­to tem­po, an­tes de apa­re­ce­rem em An­go­la os pri­mei­ros agen­tes des­por­ti­vos, era ta­bu fa­lar de par­ce­ri­as que pu­des­sem sig­ni­fi­car levar ta­len­tos An­go­la­nos pa­ra fo­ra, jul­gan­do co­mo se tra­tas­se de uma pi­lha­gem. Os paí­ses Afri­ca­nos que de­pres­sa adop­ta­ram a par­ce­ria com um clu­be eu­ro­peu, não só vi­ram es­te aju­dar a de­sen­vol­ver uma aca­de­mia lo­cal, co­mo tam­bém o em­ble­ma afri­ca­no be­ne­fi­cia do par­cei­ro em to­das as áre­as do sa­ber do fu­te­bol, da or­ga­ni­za­ção à téc­ni­ca.

A ques­tão, en­tre­tan­to, mu­dou e ho­je o fa­ro do negócio já che­gou tam­bém à pra­ça de An­go­la, com os do­nos An­go­la­nos do pe­da­ço a ter­ci­a­ri­za­rem por ve­zes e a dei­xar a ges­tão do negócio a quem sai­ba mais que eles e cu­jos ga­nhos são co­mis­sões so­bre os va­lo­res que o negócio ren­der. As­sim e di­an­te de um ou­tro ver­da­dei­ro ca­so de ‘An­go­lan con­tent’, com os na­ci­o­nais a as­su­mi­rem tam­bém po­si­ção na ges­tão de pas­ses, rou­ban­do de cer­ta ma­nei­ra o na­co ao clu­be do atle­ta, eis que vin­te ou mais anos pas­sa­dos, veio pri­mei­ro o Sport Lis­boa e Ben­fi­ca ao Cu­an­za Sul há um par de anos, oca­sião em que se inau­gu­rou um pro­jec­to lo­cal de fu­te­bol jo­vem, e aca­ba de cá es­tar o Sporting Club de Por­tu­gal, a apa­dri­nhar uma aca­de­mia em Vi­a­na, li­ga­da a Nor­ber­to de Cas­tro.

As­sim pos­tas as coi­sas, é ca­so pa­ra di­zer que mais va­lue tar­de, que nun­ca; e ago­ra cer­ta­men­te já fa­ria mais sen­ti­do que da­li saís­sem atle­tas que sen­do as es­tre­las lo­cais, não aca­bem nas equi­pas B lá de fo­ra, nem em­pres­ta­dos a clu­bes em pi­or es­ta­do que eles, e on­de não en­cai­xam por pro­ble­mas nas ares­tas, que é co­mo quem diz nas cos­tu­ras, de­vi­do à po­bre for­ma­ção de fu­te­bol que tais cra­ques ti­ve­ram e ago­ra lhes faz fal­ta ali no fu­te­bol or­ga­ni­za­do pa­ra on­de emi­gra­ram às ce­gas, pe­lo que se viu e ain­da se vê.

As cra­ques An­go­la­nas do Andebol vão sen­do ain­da as que mais va­lor de Mer­ca­do apre­sen­tam, em com­pa­ra­ção aos bas­que­te­bo­lis­tas, fu­te­bo­lis­tas ou ho­quis­tas An­go­la­nos. Acon­te­ce que por ve­zes au­fe­rem em ca­sa mais do que lá no clu­be es­tran­gei­ro, on­de o des­por­to é de um ama­do­ris­mo exem­plar e o pro­fis­si­o­na­lis­mo é al­go ain­da as­sim car­re­ga­do de pai­xão juvenil, mo­ti­va­ção e prazer em jo­gar, vi­a­jar, com­pe­tir, sem a pres­são do te­ma ‘qu­an­to va­mos re­ce­ber’.

Acre­di­ta-se que as me­lho­res An­de­bo­lis­tas da nos­sa pra­ça au­fi­ram va­lo­res aci­ma da me­dia eu­ro­peia, con­tu­do mon­tan­tes ini­gua­lá­veis em Áfri­ca fa­ce a qual­quer ou­tra jo­ga­do­ra Afri­ca­na de to­po. Os bas­que­te­bo­lis­tas vi­nham sen­do dos des­por­tis­tas na­ci­o­nais mais bem pa­gos prin­ci­pal­men­te nos clu­bes de proa. O Mer­ca­do des­por­ti­vo no nos­so país é uma coi­sa por ve­zes tão es­ca­bro­sa, que téc­ni­cos apa­re­cem a co­brar pro­pi­nas dos atle­tas, se­ja pe­la sua con­tra­ta­ção ou re­no­va­ção, se­ja pe­la sua pos­sí­vel con­vo­ca­ção, se­ja ain­da pa­ra jo­gar em de­tri­men­to de ou­tro co­le­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.