Os go­le­a­do­res que nos fal­tam

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FER­NAN­DES

Não nos es­que­ça­mos que o ac­tu­al treinador ad­jun­to dos Pa­lan­cas Ne­gras é o do­no do pri­mei­ro e úni­co go­lo de um An­go­la­no num Mun­di­al de fu­te­bol ru­bri­ca­do di­an­te do Irão no cé­le­bre em­pa­te a uma bo­la.

Ocam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol da 1ª Di­vi­são vul­go Gi­ra­bo­la que faz dis­pu­tar a sua 38ª edi­ção es­tá ca­da vez mais com­pe­ti­ti­vo nos úl­ti­mos dez anos, es­pe­ci­al­men­te des­de a en­tra­da em ce­na do Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo do Cu­an­za Sul.

Na pres­sen­te edi­ção com dez jor­na­das já dis­pu­ta­das o des­pi­que é gran­de des­de o to­po ao fim da ta­be­la clas­si­fi­ca­ti­va on­de a di­fe­ren­ça en­tre o pri­mei­ro ao quar­to co­lo­ca­do é de ape­nas um pon­to!

Is­to por si é um for­te in­di­ca­ti­vo de que te­mos ti­do gran­des par­ti­das de fu­te­bol co­mo por exem­plo acon­te­ceu nos der­bi en­vol­ven­do o Ka­bus­corp do Palanca, Pe­tro de Lu­an­da, Pro­gres­so do Sam­bi­zan­ga e 1º de Agos­to.

En­tre­tan­to, um dos gran­des pro­ble­mas do fu­te­bol na­ci­o­nal é a gri­tan­te fal­ta de go­le­a­do­res na­tos que faz com que os gran­des es­pec­tá­cu­los que te­mos as­sis­ti­do não atin­jam o “pon­to re­bu­ça­do” co­mo soe-se di­zer.

Te­mos vá­ri­os exem­plos dis­so. No jo­go 1º de Agos­to – Santa Ri­ta de Cás­sia, viu-se um au­tên­ti­co fes­ti­val de fa­lhan­ços de go­los co­mo se os jo­ga­do­res ti­ves­sem si­do con­tra­ta­dos pa­ra tal. Ain­da no dér­bi dos dérbis en­tre o Pe­tro de Lu­an­da e o 1º de Agos­to vi­mos que o nos­so fu­te­bol, es­tá ór­fão de ar­ti­lhei­ros no ver­da­dei­ro sen­ti­do da pa­la­vra.

Os go­los são a vi­ta­mi­na do jo­gos e quan­do não exis­tem exe­cu­tan­tes ca­pa­zes de os fa­zer is­to re­ti­ra a ale­gria que é o fu­te­bol. Por mais que as equi­pas jo­guem bem se não hou­ver go­los é co­mo se es­ti­vés­se­mos num am­bi­en­te de lu­to.

Só pa­ra ter­mos uma ideia de quão vai mal o nos­so fu­te­bol nes­te ca­pi­tu­lo, o me­lhor mar­ca­dor da his­to­ria do Gi­ra­bo­la é Car­los Al­ves, an­ti­go pon­ta de lan­ça do 1º de Agos­to que em 1980 ru­bri­cou 29 go­los.

Por­tan­to há mais de 37 anos que nin­guém con­se­gue des­tro­nar o rei Al­ves. Se a me­mo­ria não me atrai­çoa já ti­ve­mos um cam­pe­o­na­to em que o me­lhor mar­ca­dor mar­cou ape­nas 11 go­los, en­tre 2005 á 2008!

Os jo­ga­do­res que mais pró­xi­mos es­ti­ve­ram de igual ou ul­tra­pas­sar Car­los Al­ves fo­ram o Je­sus, Ama­ral Alei­xo e Flá­vio do Pe­tro de Lu­an­da e Gel­son do 1º de Agos­to que mar­ca­ram 23 go­los na sua con­ta pes­so­al.

Que sau­da­des te­mos de go­le­a­do­res na­tos dos anos 80 e 90 co­mo João Ma­cha­do, dos Di­a­bos Ver­des, Ma­vó, do Fer­ro­viá­rio da Hui­la, Ba­sí­lio, do Che­la, Sayom­bo, do Aca­dé­mi­ca do Lo­bi­to, San­são, Ma­nu­el e Da­la, do 1º de Agos­to e ou­tros gran­des ma­ta­do­res.

En­tre­tan­to, te­mos que re­co­nhe­cer que com o pas­sar dos anos o fu­te­bol dei­xou de ser ape­nas uma for­ma de en­tre­te­ni­men­to e pas­sou a uma das mai­o­res fon­tes de en­ri­que­ci­men­to. As­sim, as de­fe­sas que an­tes eram o elo mais fra­co das equi­pas pas­sa­ram a ser mais for­tes que os ata­ques.

Mes­mo as­sim, não se jus­ti­fi­ca a gri­tan­te fal­ta de go­le­a­do­res na­tos no nos­so prin­ci­pal cam­pe­o­na­to. Nos úl­ti­mos dez anos ti­ve­mos um Akwá, que é o me­lhor mar­ca­dor da se­lec­ção na­ci­o­nal de to­dos os tem­pos, mas pra­ti­ca­men­te não jo­gou uma épo­ca em gran­de no Gi­ra­bo­la.

O Ma­nu­cho, co­me­çou mui­to bem co­mo go­le­a­dor no Pe­tro de Lu­an­da, mas a sua trans­fe­rên­cia pa­ra o Man­ches­ter United atra­pa­lhou a sua bri­lhan­te car­rei­ra ini­ci­a­da em An­go­la. O Flá­vio, te­ve mais tem­po de Gi­ra­bo­la e por is­so em du­as oca­siões in­ter­na­men­te mos­trou que era um gran­de go­le­a­dor e fez o mes­mo en­quan­to esteve no Egip­to.

Não nos es­que­ça­mos que o ac­tu­al treinador ad­jun­to dos Pa­lan­cas Ne­gras é o do­no do pri­mei­ro e úni­co go­lo de um An­go­la­no num Mun­di­al de fu­te­bol ru­bri­ca­do di­an­te do Irão no cé­le­bre em­pa­te a uma bo­la.

Gel­son Da­la, co­me­çou mui­to bem a sua car­rei­ra co­mo ar­ti­lhei­ro no seu 1º de Agos­to, mas a sua trans­fe­rên­cia pa­ra o Spor­ting de Por­tu­gal tra­vou a sua marcha. Mas pa­re­ce­nos que o pu­to não se in­ti­mi­dou di­an­te dos Tu­gas e con­ti­nu­ar ca­da vez mais fe­li­no. A ní­vel do Gi­ra­bo­la ac­tu­al­men­te não te­mos um ver­da­dei­ro ma­ta­dor. Mes­mo re­cor­ren­do ao es­tran­gei­ro pa­ra col­ma­tar es­te dé­fi­ce com jo­ga­do­res co­mo Tiago Azu­lão, Ram­bé e ou­tros com to­do o res­pei­to que te­nho por eles, o nos­so cam­pe­o­na­to ain­da con­ti­nua mor­no em ter­mos de con­cre­ti­za­ções .

Pa­ra pi­o­rar ain­da mais a si­tu­a­ção al­guns jo­ga­do­res que eram vis­tos co­mo gran­des ar­ti­lhei­ros nas ca­ma­das jo­vens co­mo Fi­lhão do Pe­tro de Lu­an­da, Nany do Ka­bus­corp do Palanca e ou­tros, não lhes é da­da a de­vi­da opor­tu­ni­da­de nas equi­pas prin­ci­pais e aca­bam de­sa­pa­re­cen­do de­pois de mui­tos anos de atu­ra­do tra­ba­lho.

Em fun­ção des­ta tris­te re­a­li­da­de e por­que a se­lec­ção na­ci­o­nal aca­ba por pa­gar ca­ro com es­ta si­tu­a­ção é ur­gen­te que as pes­so­as de di­rei­to fa­çam es­for­ços no sen­ti­do de se in­ver­ter o qua­dro pa­ra que te­nha­mos um cam­pe­o­na­to com ar­ti­lhei­ros ca­pa­zes de brin­da­rem os espectadores com gran­des jo­gos e mui­tos mo­ti­vos de ale­gria: os go­los

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.