Tu­do a pos­tos

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

De­pois de du­as vol­tas bem dis­pu­ta­das, nas fa­ses an­te­ri­o­res, em que o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo foi o des­ta­que, es­pe­ra-se que a par­tir dos quar­tos de fi­nal in­ten­si­fi­ca­se a com­pe­ti­ti­vi­da­de pa­ra o en­gran­de­ci­men­to do pró­prio cam­pe­o­na­to a fim de se en­con­trar no fi­nal um cam­peão de mé­ri­to, co­mo tem si­do nor­ma até aqui.

Tal co­mo já se dis­se aqui, pa­ra a dis­pu­ta do tí­tu­lo do BIC Basket va­mos ter os mes­mos can­di­da­tos, o trio ou qu­ar­te­to de sem­pre, com o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, 1º de Agos­to, Pe­tro de Lu­an­da e qui­çá In­ter­clu­be, es­te úl­ti­mo que tem de me­lho­rar a per­for­man­ce pa­ra não ser sur­pre­en­di­do.

Ape­sar de qua­tros equi­pas po­de­rem ga­ran­tir a pre­sen­ça nas mei­as-fi­nais, ape­nas du­as vão es­tar ha­bi­li­ta­das a dis­pu­tar a ba­ta­lha de­ci­si­va, a fi­nal. Por aqui­lo que nos foi da­do a ver até ago­ra, Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo e 1º de Agos­to es­tão na "po­le po­si­ti­on", mas não é des­car­tar even­tu­ais sur­pre­sas, aten­den­do que se en­trou pa­ra a fa­se do "ma­ta-ma­ta", ou A XXIX edi­ção do Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal de bas­que­te­bol em se­ni­o­res mas­cu­li­nos, vul­go BIC Basket, en­tra a par­tir de ago­ra pa­ra uma das su­as fa­ses de­ci­si­vas: os quar­tos de fi­nal. Ou se­ja, a par­tir dos jo­gos de ho­je co­me­çam a se ali­nhar os po­ten­ci­ais can­di­da­tos que vão pro­cu­rar che­gar às mei­as-fi­nais e, con­se­quen­te­men­te, à fi­nal.se­ja, da eli­mi­na­tó­ria di­rec­ta.

à par­tir de ago­ra, as equi­pas que le­va­rem a me­lhor so­bre os ad­ver­sá­ri­os se­guem em fren­te e as que per­de­rem fi­cam pe­lo ca­mi­nho. Daí que é de vis­lum­brar um "tu­do ou na­da" por par­te de to­das as equi­pas, po­den­do por is­so mes­mo, ca­so não ha­ja cau­te­las e con­cen­tra­ção, da par­te dos gran­des ou favoritos, acon­te­ce­rem agra­dá­veis sur­pre­sas. Mi­li­ta­res, li­bo­len­se e pe­tro­lí­fe­ros, sem qual­quer ri­gor pe­la or­dem co­mo são enu­me­ra­dos, são os po­ten­ci­ais can­di­da­tos, tal co­mo tem su­ce­di­do nos úl­ti­mos três anos. Qual­quer uma de­las tem no tí­tu­lo a con­cre­ti­za­ção da me­ta pa­ra no fi­nal po­der di­zer que o ob­jec­ti­vo foi al­can­ça­do. Por ago­ra, não há pe­ri­go em tro­pe­ça­rem, pois as equi­pas ad­ver­sá­ri­as não do seu cam­pe­o­na­to e com mai­or ou me­nor di­fi­cul­da­de vão ga­ran­tir as mei­as-fi­nais.

Co­mo cam­peão, o 1º de Agos­to car­re­ga a mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de, pois tem a mis­são de de­fen­der o pres­tí­gio al­can­ça­do no ano pas­sa­do. De­pois de dois anos em se­ca (2014 e 2015), os mi­li­ta­res con­se­gui­ram re­gres­sar aos tí­tu­los, com uma vi­tó­ria su­a­da nu­ma gran­de fi­nal com os li­bo­len­ses. Mas em fun­ção do de­sem­pe­nho nas fa­ses an­te­ri­o­res a ta­re­fa es­te ano não se adi­vi­nha fá­cil pa­ra Ri­card Ca­sas e seus pupilos.

O mes­mo pro­pó­si­to tem a equi­pa do Cu­an­za Sul, que tam­bém vi­ve uma se­ca de du­as épo­ca (2015 e 2016). Ao con­trá­rio dos mi­li­ta­res, os li­bo­len­ses re­ve­la­ram mai­or efi­cá­cia nas du­as pri­mei­ras vol­tas e en­tram co­mo os gran­des favoritos. Mas te­rá de ser na qua­dra, mais uma vez, on­de te­rão de mos­trar que o de­sem­pe­nho ti­do até ago­ra não foi obra de me­ro aca­so. Aliás, ti­ve­ram já um sé­rio avi­so do 1º de Agos­to, quan­do na úl­ti­ma jor­na­da que­brou-lhes a in­ven­ci­bi­li­da­de na pro­va, pe­lo que to­do o cui­da­do se­rá pou­co pa­ra Hu­go Lo­pes e sua ra­pa­zi­a­da.

Por­fim,nashos­tes­doEi­xo-Viá­rio,oca­ma­ro­nêsLa­za­reA­din­go­no vai­ten­tar­re­pe­ti­ra­pro­e­za­dehá­dois anos, quan­do em 2015, con­tra to­das as pre­vi­sões che­gou ao tí­tu­lo, co­mo­pré­mi­o­deu­már­du­o­tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do na equi­pa do Pe­tro deLu­an­da.Aem­prei­ta­da­se­ráar­ro­ja­da,mas­po­ra­qui­lo­que­já­mos­trou na­da­vol­ta­ráa­ser­sur­pre­sa.Aver­va­mo­so­que­nos­re­ser­va­mes­tes­quar­tos de fi­nal que têm iní­cio ho­je.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.