PRO­GRES­SO E SAN­TA RI­TA

JO­GAM HO­JE NOS CO­QUEI­ROS

Jornal dos Desportos - - PORTADA - PAU­LO CACULO

Oes­tá­dio dos Co­quei­ros tes­te­mu­nha es­ta tar­de, às 15H30, o de­sa­fio de aber­tu­ra da úl­ti­ma jor­na­da da pri­mei­ra vol­ta do Gi­ra­bo­la Zap. Pro­gres­so do Sam­bi­zan­ga e San­ta Ri­ta de Cás­sia me­dem for­ças num jo­go cu­jo to­tal fa­vo­ri­tis­mo é atri­buí­do aos 'do­nos da ca­sa', por ra­zões ób­vi­as.

Di­an­te do úl­ti­mo clas­si­fi­ca­do, os sam­bi­las não ape­nas são obri­ga­dos a jus­ti­fi­car o "fac­tor-ca­sa", mas so­bre­tu­do pro­va­rem que o as­cen­den­te evi­den­ci­a­do nas úl­ti­mas jor­na­das não é obra do aca­so.

O ren­di­men­to que a for­ma­ção ori­en­ta­da por Ki­to Ri­bei­ro es­pe­lha no fim da pri­mei­ra vol­ta da pro­va é uma cla­ra de­mons­tra­ção que a equi­pa es­tá no ca­mi­nho cer­to. É sa­bi­do que fa­vo­ri­tis­mos não ga­nham jo­gos, por is­so, exi­ge-se do Pro­gres­so ar­gu­men­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra me­re­cer fi­car com os três pon­tos em dis­cus­são.

A pre­ci­sar de pon­tos, co­mo se do "pão pa­ra a bo­ca" se tra­tas­se, na lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia no cam­pe­o­na­to, ao San­ta Ri­ta pe­de-se que vá a bus­ca de for­ças re­do­bra­das pa­ra evi­tar que con­ti­nue a ver a Se­gun­do­na ca­da vez mais pró­xi­mo.

A mai­or pres­são en­con­tra-se, na­tu­ral­men­te, do la­do da equi­pa ca­tó­li­ca, da­da a po­si­ção afli­ti­va que ocu­pa no cam­pe­o­na­to. Em fa­ce dis­so, ao con­jun­to do Uí­ge a vi­tó­ria afi­gu­ra-se im­pe­ri­o­sa, ca­so quei­ra en­ce­tar a ne­ces­sá­ria fu­ga dos lu­ga­res de des­pro­mo­ção.

Acres­cen­ta-se o fac­to dos ca­tó­li­cos en­fren­ta­rem es­te jo­go fo­ra de por­tas, uma va­riá­vel que po­de com­pli­car, ain­da mais, as as­pi­ra­ções de "rou­ba­rem" os três pon­tos ao ad­ver­sá­rio.

Se, por um la­do, o Pro­gres­so che­ga a es­te jo­go com os ní­veis de mo­ti­va­ção em al­ta, fru­to da sur­pre­en­den­te vi­tó­ria al­can­ça­da no ter­re­no do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, por ou­tro, o San­ta Ri­ta pre­ci­sa de se re­di­mir do des­li­ze (mais um) con­sen­ti­do na jor­na­da an­te­ri­or, em ca­sa, fren­te ao Pe­tro de Lu­an­da, em­bo­ra num jo­go em que se po­de enal­te­cer a pos­tu­ra aguer­ri­da da equi­pa.

Aguar­da-se por um jo­go em que os do­nos da ca­sa vão pro­cu­rar as­su­mir fa­zer jus a sua con­di­ção lo­go nos mi­nu­tos ini­ci­ais com o do­mí­nio ter­ri­to­ri­al da par­ti­da, mas com o con­jun­to fo­ras­tei­ro a im­por o seu fu­te­bol e a ten­tar es­prei­tar o go­lo.

A jo­gar em ca­sa e pe­ran­te os seus adep­tos, cer­ta­men­te, que os sam­bi­las vão apro­vei­tar o em­ba­lo dos re­sul­ta­dos dos dois úl­ti­mos jo­gos pa­ra en­tra­rem em cam­po com a fir­me dis­po­si­ção de so­ma­rem a ter­cei­ra vi­tó­ria con­se­cu­ti­va. O San­ta Ri­ta já pro­vou ser um con­jun­to que não se po­de dar es­pa­ço.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.