Mão pe­sa­da da FAF

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Avi­o­lên­cia nos cam­pos de fu­te­bol em An­go­la bas­tas ve­zes é as­so­ci­a­da a ati­tu­des me­nos acer­ta­das dos adep­tos que, im­pe­li­dos por frus­tra­ções de­ri­va­das dos maus re­sul­ta­dos dos seus em­ble­mas de co­ra­ção, par­tem em di­rec­ção a adep­tos con­trá­ri­os ou in­sur­gem-se con­tra os ho­mens do api­to, fac­tos que não nos can­sa­mos de con­de­nar.

São ati­tu­des que em na­da dig­ni­fi­cam o fu­te­bol e os es­pec­tá­cu­los, e que aca­bam por cri­ar um cli­ma de in­se­gu­ran­ça pa­ra os pa­ca­tos ci­da­dãos que ao des­lo­ca­rem-se aos re­cin­tos des­por­ti­vos, es­pe­ram ver, ape­nas, bons es­pec­tá­cu­los de bo­la e as su­as equi­pas a triun­far.

Con­tu­do, há tam­bém vi­o­lên­cia que par­te de di­ri­gen­tes des­por­ti­vos (que por via dis­so não de­ve­ri­am ter es­sa de­sig­na­ção), que to­mam po­si­ções ex­tre­mas, co­mo acon­te­ceu, re­cen­te­men­te, em Sau­ri­mo, quan­do o quar­te­to de ár­bi­tros e o co­mis­sá­rio ao jo­go en­tre o Pro­gres­so da Lun­da Sul e o 1º de Agos­to pa­ra o Gi­ra­bo­la Zap fo­ram al­vo de agres­são da par­te de di­ri­gen­tes iden­ti­fi­ca­dos do clu­be lo­cal, mas que aca­ba­ram por ter a de­vi­da res­pos­ta da par­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol.

É que de­pois de apu­ra­das to­das as si­tu­a­ções no fi­nal do jo­go, o ór­gão res­pec­ti­vo do or­ga­nis­mo fe­de­ra­ti­vo cons­ta­tou que os tu­mul­tos nos bal­neá­ri­os fo­ram pro­ta­go­ni­za­dos por dois di­ri­gen­te lo­cais, que aca­ba­ram sus­pen­sos por dois anos e seis me­ses, além de uma mul­ta pe­cu­niá­ria que cer­ta­men­te vai me­xer com os bol­sos dos dois in­frac­to­res.

Si­tu­a­ções que aca­bam por man­char o bom no­me da ins­ti­tui­ção, por­quan­to os dois di­ri­gen­tes de­ve­ri­am ser o pri­mei­ros a dar exem­plo aos jo­ga­do­res e adep­tos do clu­be, com po­si­ções que lon­ge de ser ex­tre­mas, de­ve­ri­am le­var à re­con­ci­li­a­ção.A ins­ti­tui­ção Pro­gres­so da Lun­da Sul me­re­ce o res­pei­to de to­dos, pe­lo que po­si­ções co­mo es­sas, da par­te de al­guns pes­so­as li­ga­das à sua di­rec­ção ou de um gru­po de adep­tos não sig­ni­fi­ca que se­ja cau­ci­o­na­da co­mo um to­do por to­dos aque­les que se iden­ti­fi­cam, de fac­to, com os ob­jec­ti­vos da agre­mi­a­ção.

A equi­pa es­tá nu­ma fa­se me­nos boa no pre­sen­te cam­pe­o­na­to, lon­ge das exi­bi­ções bri­lhan­tes do pas­sa­do, mas is­so de­ve­ria ser­vir pre­ci­sa­men­te pa­ra unir di­ri­gen­tes, trei­na­do­res, jo­ga­do­res e adep­tos, e não ver nos ho­mens do api­to os”bo­des ex­pi­a­tó­ri­os” pa­ra os seus ma­les.

O re­pre­sen­tan­te da Lun­da Sul no Gi­ra­bo­la já deu mui­tas ale­gri­as às po­pu­la­ções lo­cais, e mes­mo com re­sul­ta­dos me­nos con­se­gui­dos até ago­ra na pre­sen­te edi­ção, ain­da vai a tem­po de po­der re­cu­pe­rar, da­do que a pro­va ob­ser­va nes­te fim-de-semana o fim da sua pri­mei­ra vol­ta, e com to­das as equi­pas a pre­pa­ra­rem­se pa­ra o se­gun­do tur­no, es­te sim, que vai de­ci­dir a des­ti­no de ca­da uma das 16 equi­pas.

De­pois de apu­ra­das to­das as si­tu­a­ções no fi­nal do jo­go, o ór­gão res­pec­ti­vo do or­ga­nis­mo fe­de­ra­ti­vo cons­ta­tou que os tu­mul­tos nos bal­neá­ri­os fo­ram pro­ta­go­ni­za­dos por dois di­ri­gen­te lo­cais, que aca­ba­ram sus­pen­sos por dois anos e seis me­ses, além de uma mul­ta pe­cu­niá­ria que cer­ta­men­te vai me­xer com os bol­sos dos dois in­frac­to­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.