Um tro­féu pa­ra os tri­co­lo­res

Jornal dos Desportos - - ABERTURA - TEI­XEI­RA CÂN­DI­DO

Sou de opi­nião que a for­ma­ção de­via ser um cri­té­rio a ter em con­ta na dis­tin­ção das equi­pas nes­ta com­pe­ti­ção. A FAB po­dia re­flec­tir a pro­pó­si­to, cri­ar um pré­mio pa­ra dis­tin­guir es­sas equi­pas, que che­gam à fi­nal com um le­que ele­va­do de atle­tas. Rei­te­ro por is­so as fe­li­ci­ta­ções à di­rec­ção de To­más Fa­ria, por ter cul­ti­va­do a pa­ci­ên­cia, re­sis­ti­do aos ape­los dos adep­tos pa­ra des­pe­dir o trei­na­dor, no fi­nal da épo­ca pas­sa­da. Es­tá vis­to, se é que era uma dú­vi­da, que a for­ma­ção com­pen­sa du­pla­men­te.

Pe­tro de Lu­an­da e Li­bo­lo co­me­ça­ram on­tem a dis­cu­tir o tí­tu­lo da tri­gé­si­ma no­na edi­ção da mai­or pro­va do bas­que­te­bol na­ci­o­nal. Se de­pen­des­se de mim, da­ria ao Pe­tro de Lu­an­da o tro­féu de me­lhor equi­pa, e a La­za­re Adi­go­nou de me­lhor trei­na­dor.Os tri­co­lo­res são pa­ra mim os ver­da­dei­ros cam­peões des­sa edi­ção, pe­lo tra­ba­lho fei­to que te­rá em úl­ti­ma ins­tân­cia re­fle­xo na Se­lec­ção Na­ci­o­nal.

Rei­te­ro por is­so as fe­li­ci­ta­ções à di­rec­ção de To­más Fa­ria, por ter cul­ti­va­do a pa­ci­ên­cia, re­sis­ti­do aos ape­los dos adep­tos pa­ra des­pe­dir o trei­na­dor, no fi­nal da épo­ca pas­sa­da. Es­tá vis­to, se é que era uma dú­vi­da, que a for­ma­ção com­pen­sa du­pla­men­te. Qu­an­tas ve­zes pre­ga­mos nes­se es­pa­ço, e nou­tros es­sa ques­tão. O Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, so­bre­tu­do es­te, tei­ma em me­nos­pre­zar a for­ma­ção, no bas­que­te­bol co­mo no fu­te­bol. É uma equi­pa de­se­nha­da ape­nas pa­ra con­tra­tar, o que se­gu­ra­men­te não aju­da o des­por­to na­ci­o­nal, em par­ti­cu­lar as se­lec­ções na­ci­o­nais.

Qual­quer mor­tal que se pre­ze sa­be que não é exequí­vel es­sa po­lí­ti­ca de con­tra­ta­ção per­ma­nen­te, ain­da que as equi­pas pos­su­am um blo­co de pe­tró­leo ou uma mi­na de di­a­man­tes. Al­gum dia o di­nhei­ro fal­ta. Quan­to o des­por­to so­freu com a cri­se dos dó­la­res, qu­an­tos atle­tas aban­do­na­ram o des­por­to na­ci­o­nal por fal­ta de di­vi­sas? Não acre­di­to que o Li­bo­lo pre­ci­sa de um rei ma­go pa­ra lhe mos­trar o si­nal que re­pre­sen­ta es­sa cri­se. Tem na sua di­rec­ção mui­tos en­ten­di­dos em mer­ca­dos fi­nan­cei­ros, e sa­bem que ne­nhu­ma em­pre­sa do mun­do, as­sim co­mo clu­be, vi­ve com e de ex­por­ta­ção de ca­pi­tais. Ex­por­ta­ção é co­mo quem diz, saí­das per­ma­nen­tes de ca­pi­tal, sem en­cai­xar al­gum.

Es­cu­sa­do é di­zer que a po­lí­ti­ca do Li­bo­lo, que se apre­sen­ta na fi­nal sem um úni­co atle­ta for­ma­do na sua can­te­ra, é um bu­ra­co sem saí­da. Se­ria bom que o 1º de Agos­to vol­tas­se a apos­tar nes­sa prá­ti­ca, ini­ci­a­da nos úl­ti­mos anos pe­lo trei­na­dor an­go­la­no Pau­lo Ma­ce­do. Era bom que o Li­bo­lo re­ti­ras­se to­da ce­ra que tem nos ou­vi­dos, e de uma vez por to­das ou­vis­se. Po­rém, no âm­bi­to da sua li­ber­da­de, o Li­bo­lo tam­bém po­de nos man­dar ca­var ba­ta­tas. E pros­se­guir fe­liz­men­te com a sua po­lí­ti­ca. Na­da o im­pe­de de as­sim pro­ce­der, pois aos seus pro­pri­e­tá­ri­os com­pe­te de­ci­dir o que é me­lhor pa­ra si e o seu clu­be. A úni­ca coi­sa que não po­dem fa­zer é im­pe­dir-nos de cri­ti­car­mos a pos­tu­ra.

So­bre a fi­nal em si, o Li­bo­lo é fa­vo­ri­to. Ou não ti­ves­se ga­nho to­dos os jo­gos com o Pe­tro de Lu­an­da na pri­mei­ra fa­se da com­pe­ti­ção. É sua obri­ga­ção, tem jo­ga­do­res mais ex­pe­ri­men­ta­dos e me­lho­res da pro­va. Por is­so tem nos om­bros es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de. Ao Pe­tro de Lu­an­da as­sis­te o di­rei­to de con­tra­ri­ar, e po­der sur­pre­en­der to­das as pre­vi­sões. Se­ria um du­plo pré­mio pa­ra o trei­na­dor ca­ma­ro­nês, e a di­rec­ção do Pe­tro de Lu­an­da, pe­la apos­ta, pe­la de­ci­são viragem na po­lí­ti­ca de con­tra­ta­ção, pou­co me im­por­ta se te­nham si­do for­ça­dos ou não pe­la cri­se dos dó­la­res.

Sou de opi­nião que a for­ma­ção de­via ser um cri­té­rio a ter em con­ta na dis­tin­ção das equi­pas nes­ta com­pe­ti­ção. A FAB po­dia re­flec­tir a pro­pó­si­to, cri­ar um pré­mio pa­ra dis­tin­guir es­sas equi­pas, que che­gam à fi­nal com um le­que ele­va­do de atle­tas for­ma­do nas su­as ba­ses.

É uma prá­ti­ca que o tem­po e os dó­la­res apa­ga­ram do nos­so bas­que­te­bol, em par­ti­cu­lar nas gran­des equi­pas. E se­ria bom, in­cen­ti­var o seu re­gres­so.

Foi is­so que nos fez cam­peões dos cam­peões no con­ti­nen­te, que tor­nou o bas­que­te­bol na apai­xo­nan­te mo­da­li­da­de pa­ra mui­tos an­go­la­nos. Por con­ta da for­ma­ção, mui­tos atle­tas de­ci­di­ram pra­ti­car o bas­que­te­bol mo­ti­va­dos pe­los vi­zi­nhos, ir­mãos, ti­os, pri­mos e etc. É por is­so que de de­ve con­ti­nu­ar a for­mar. A mo­da­li­da­de agra­de­ce, e o País se afir­ma ca­da vez mais.

Não so­mos cam­peões por cus­ta da con­tra­ta­ção. Aliás, o País na­tu­ra­li­zou até ho­je dois atle­tas (Ab­del e Mo­o­re), nun­ca ti­ve­mos tan­ta ne­ces­si­da­de dis­so. Por is­so, o bas­que­te­bol tem um enor­me va­lor na vi­da dos an­go­la­nos, a sua me­di­a­ti­za­ção ou im­pac­to che­gar a ser mui­ta das ve­zes me­nor com­pa­ra­do à sua di­men­são. Po­rém, tem o seu es­pa­ço pri­vi­le­gi­a­do. Que ga­nhe o me­lhor. Aliás, an­tes que me per­gun­tem qual é a mi­nha equi­pa, res­pon­do: Sou or­gu­lho­sa­men­te do 1º de Agos­to, mas co­lo­co aci­ma des­sa fi­li­a­ção, o jor­na­lis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.