Fes­ta da bo­la ao ces­to

Jornal dos Desportos - - ABERTURA - MATIAS ADRIANO

Des­de já, tra­ta-se de uma fi­nal que de­sa­con­se­lha qual­quer ti­po de prog­nós­ti­co, por­que da mes­ma for­ma que uma vi­tó­ria não é ga­ran­tia de fa­vo­ri­tis­mo, tam­bém uma der­ro­ta não se­rá si­nó­ni­mo de um fra­cas­so anun­ci­a­do. Mas a ra­zão des­tas li­nhas na­da tem a ver com as li­gas eu­ro­pei­as, tam­pou­co com o fu­te­bol. O exer­cí­cio até aqui fei­to vi­sou ape­nas es­ta­be­le­cer uma ana­lo­gia. É do BIC Basket, cu­jo pri­mei­ro jo­go da fi­nal, em sis­te­ma de play off, à me­lhor de se­te jo­gos, te­ve lu­gar on­tem,no Dre­am Spa­ce.

Há sem­pre um go­zo es­pe­ci­al quan­do ao fim de uma ma­ra­to­na com­pe­ti­ti­va es­ta­fan­te se che­ga ao mo­men­to de­ci­si­vo, aquele que as­su­me a par­ti­cu­la­ri­da­de de di­tar o se­nhor cam­peão, a quem se de­ve ren­der a guar­da pe­la he­ge­mo­nia evi­den­ci­a­da so­bre os de­mais con­cor­ren­tes, e me­re­ce­dor, por tu­do is­so, de to­das hon­ra­ri­as.

É qua­se is­to que acon­te­ce nos di­as presentes pe­lo Ve­lho Con­ti­nen­te, cu­jas li­gas, à bei­ra do fim, co­me­çam a de­fi­nir os res­pec­ti­vos ven­ce­do­res.

Aliás, os ben­fi­quis­tas de cá e os de lá(Por­tu­gal), ain­da não se sen­tem re­fei­tos da res­sa­ca eu­fó­ri­ca do tí­tu­lo con­quis­ta­do sá­ba­do pas­sa­do, de mo­do an­te­ci­pa­do, de­pois de uma va­len­te so­va ao Vi­tó­ria de Gui­ma­rães.

Mas a ra­zão des­tas li­nhas na­da tem a ver com as li­gas eu­ro­pei­as, tam­pou­co com o fu­te­bol. O exer­cí­cio até aqui fei­to, vi­sou ape­nas es­ta­be­le­cer uma ana­lo­gia. É do BIC Basket, cu­jo pri­mei­ro jo­go da fi­nal, em sis­te­ma de play off, à me­lhor de se­te jo­gos, te­ve lu­gar on­tem, no Dre­am Spa­ce.

Fi­cou, en­tre­tan­to, de­mons­tra­do que va­mos ter noi­tes quen­tes ,de um ca­cim­bo prin­ci­pi­an­te, tal é pois a en­tre­ga das equi­pas.

Cons­ti­tuí­das pe­los mais su­bli­mes va­lo­res do bas­que­te­bol na­ci­o­nal, Pe­tro de Lu­an­da e Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo pro­me­tem brin­dar-nos com par­ti­das de bas­que­te­bol dis­pu­ta­das até ao li­mi­te. Aliás, uma fi­nal só jus­ti­fi­ca es­ta ex­pres­são quan­do agra­da e con­ven­ce do pon­to de vis­ta com­pe­ti­ti­vo.

Na verdade, ao que fi­cou de­mons­tra­do es­tá ad­qui­ri­do, des­ma­ta­do e mu­ra­do um vas­to ter­re­no pa­ra uma ba­ta­lha sem quar­tel en­tre dois gu­rus da nos­sa bo­la ao ces­to.

Des­de já, tra­ta-se de uma fi­nal que de­sa­con­se­lha qual­quer ti­po de prog­nós­ti­co, por­que da mes­ma for­ma que uma vi­tó­ria não é ga­ran­tia de fa­vo­ri­tis­mo, tam­bém uma der­ro­ta não se­rá si­nó­ni­mo de um fra­cas­so anun­ci­a­do. In­de­pen­den­te­men­te do re­sul­ta­do do mo­men­to na­da aju­da a pre­ver o res­to.

O res­ga­te do cep­tro é, sem dú­vi­da, o prin­cí­pio de me­xe com as du­as equi­pas, re­le­ga­do o 1º de Agos­to, de­ten­tor do tí­tu­lo, à con­di­ção de me­ro es­pec­ta­dor da fes­ta, por se ter re­ve­la­do per­meá­vel na meia-fi­nal di­an­te dos va­len­tes ra­pa­zes de Adin­go­no.

As­sim, Pe­tro, cam­peão de 2015 e Li­bo­lo, cam­peão de 2014, que re­e­di­tam a fi­nal de 2015, têm as con­di­ções cri­a­das pa­ra po­de­rem vol­tar à ri­bal­ta.

É, em úl­ti­ma ins­tân­cia, es­ta par­ti­cu­la­ri­da­de que pro­me­te ani­mar a Ci­da­de­la Des­por­ti­va e o Dre­am Spa­ce, pal­cos des­ta fi­nal aus­pi­ci­o­sa, que te­rá de um la­do La­za­re Adin­go­no, que pro­cu­ra mais um tí­tu­lo pa­ra en­ri­que­ci­men­to da sua fo­lha de ser­vi­ço, e do ou­tro Hu­go Lopes, es­tre­an­te na nos­sa pra­ça, mas ávi­do em dar o si­nal po­si­ti­vo da sua ma­tu­ri­da­de pro­fis­si­o­nal, quan­to mais não se­ja uma for­ma de jus­ti­fi­car a sua con­tra­ta­ção.

Em ter­mos de va­lo­res in­di­vi­du­ais que aju­dem nas am­bi­ções dos téc­ni­cos, di­ga­se de pas­sa­gem, as equi­pas es­tão com­pe­ten­te­men­te ser­vi­das. Reg­gie Mo­o­re, Le­o­nel Pau­lo, Her­me­ne­gil­do Bun­ga, Do­min­gos Bo­ni­fá­cio e de­mais fa­zem as de­lí­ci­as da tur­ma do “Ei­xo-Viá­rio”, ao pas­so que Olím­pio Ci­pri­a­no, Edu­ar­do Min­gas, Mil­ton Bar­ros, Val­de­lí­cio Jo­a­quim e ou­tros são­as es­tre­las que bri­lham na cons­te­la­ção do Cuanza Sul.

A lu­ta pro­me­te ser pa­ra surdos. Pre­vê-se que­das de ta­be­las, ir­re­sis­ten­tes à fúria dos ho­mens de­ter­mi­na­dos à vi­tó­ria. Mas em re­su­mo, é es­te ce­ná­rio que va­lo­ri­za qual­quer com­pe­ti­ção no sen­ti­do la­to da pa­la­vra. A re­fre­ga co­me­çou on­tem. O ven­ce­dor é uma in­cóg­ni­ta. O es­pec­tá­cu­lo, es­te sim, é uma cer­te­za. Va­mos a is­to...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.