BOA VI­TÓ­RIA FO­RA DE CA­SA

AN­GO­LA VEN­CE ILHAS MAU­RÍ­CI­AS NA CORRIDA AO CHAN

Jornal dos Desportos - - PORTADA - PAULO CACULO

Triun­fo de 1-0 em Port Louis per­mi­te aos Pa­lan­cas Ne­gras en­ca­ra­rem o jo­go da se­gun­da-mão com mais se­re­ni­da­de. O jo­go de res­pos­ta dis­pu­ta-se no pró­xi­mo do­min­go em Lu­an­da.

Um go­lo so­li­tá­rio de Job, ru­bri­ca­do ain­da na pri­mei­ra par­te, ga­ran­tiu a Se­lec­ção Na­ci­o­nal o triun­fo, por 1-0, no em­ba­te fren­te à con­gé­ne­re da Ilhas Mau­rí­ci­as, em jo­go da pri­mei­ra mão da pe­núl­ti­ma eli­mi­na­tó­ria de aces­so à fa­se de gru­pos do CHAN, com­pe­ti­ção re­ser­va­da aos fu­te­bo­lis­tas que ac­tu­am nos cam­pe­o­na­tos lo­cais.

Bas­ta di­zer que a vi­tó­ria co­lo­ca An­go­la em con­di­ções pri­vi­le­gi­a­das de ca­rim­bar a qua­li­fi­ca­ção pa­ra a úl­ti­ma fa­se da com­pe­ti­ção, em que de­fron­ta o ven­ce­dor do con­fron­to en­tre Mo­çam­bi­que e Ma­da­gas­car. O triun­fo, fo­ra de ca­sa, abre bo­as e agra­dá­veis pers­pec­ti­vas do com­bi­na­do na­ci­o­nal con­cre­ti­zar o ob­jec­ti­vo de dis­pu­tar o CHAN, em 2018, no Qué­nia.

A vi­tó­ria co­me­çou a ser cons­truí­da mui­to ce­do. Da­da a gran­de pres­são im­pri­mi­da ao seu ataque, os Pa­lan­cas be­ne­fi­ci­a­ram de um pé­nal­ti, de fal­ta co­me­ti­da so­bre Ya­no, na área dos do­nos da ca­sa. Na co­bran­ça, Job tra­du­ziu em go­lo a gran­de opor­tu­ni­da­de.

Na se­gun­da par­te, gran­de mé­ri­to pa­ra An­go­la, que sou­be con­ser­var a van­ta­gem, evi­tan­do que a sua ba­li­za fos­se vi­o­la­da pe­lo ataque con­trá­rio. Ape­sar de jo­gar des­fal­ca­da de al­gu­mas uni­da­des fun­da­men­tais na ma­no­bra do con­jun­to, ca­sos de Man­gu­xi e Car­li­nhos, a se­lec­ção na­ci­o­nal nun­ca dei­xou trans­pa­re­cer uma ima­gem de fra­gi­li­da­de co­lec­ti­va.No fi­nal do jo­go, o se­lec­ci­o­na­dor Be­to Bi­an­chi não con­se­guiu es­con­der a sa­tis­fa­ção, em de­cla­ra­ções à Rá­dio Cin­co, via te­le­fo­ne. O téc­ni­co dos Pa­lan­cas elo­gi­ou os jo­ga­do­res, mas quei­xou-se da má qua­li­da­de do rel­va­do de jo­go.

"Foi um jo­go bas­tan­te com­pli­ca­do. Sa­bía­mos que se­ria um jo­go di­fí­cil e num ter­re­no mui­to ir­re­gu­lar, mas os jo­ga­do­res es­tão de pa­ra­béns. Jo­gá­mos um fu­te­bol ob­jec­ti­vo, prá­ti­co e com mui­ta in­ten­si­da­de. Não foi um fu­te­bol mui­to bo­ni­to, mas foi que os jo­ga­do­res po­di­am fa­zer", adi­an­tou-se a afir­mar o se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal. "Foi uma pena que as con­di­ções do cam­po não per­mi­ti­ram aos jo­ga­do­res pra­ti­car o fu­te­bol que es­tão ha­bi­tu­a­dos. Ti­ve­mos van­ta­gem mes­mo a jo­gar fo­ra de ca­sa, es­pe­ra­mos em nos­sa ca­sa jo­gar um fu­te­bol mais bo­ni­to. Ain­da não ter­mi­nou a eli­mi­na­tó­ria, fal­tam 90 mi­nu­tos, mas acre­di­ta­mos no apu­ra­men­to", acres­cen­tou Be­to Bi­an­chi.

O téc­ni­co dos Pa­lan­cas dis­se, ain­da, que a vi­tó­ria per­mi­te a equi­pa e arar o jo­go da se­gun­da mão, em Lu­an­da, com mais tran­qui­li­da­de e me­nos pres­são. Ga­ran­tiu que o gru­po es­tá mui­to op­ti­mis­ta na qua­li­fi­ca­ção ao CHAN.

"Acho que os jo­ga­do­res es­tão a de­mons­trar uma va­len­tia mui­to gran­de. Va­mos ver co­mo se­rá o jo­go da pró­xi­ma se­ma­na".

JO­SÉ COLA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

A vi­tó­ria co­lo­ca

An­go­la em con­di­ções pri­vi­le­gi­a­das

de ca­rim­bar a qua­li­fi­ca­ção pa­ra a úl­ti­ma

fa­se da com­pe­ti­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.