MA­NU­EL PI­MEN­TEL ELO­GIA QUA­LI­DA­DE DA ARBRITAGEM

Ma­nu­el Pi­men­tel é uma fi­gu­ra in­con­tor­ná­vel na ar­bi­tra­gem na­ci­o­nal. Com uma ex­ce­len­te car­rei­ra co­mo fu­te­bo­lis­ta, e de­pois co­mo árbitro, é uma voz au­to­ri­za­da pa­ra fa­lar do mo­men­to ac­tu­al da clas­se, nu­ma al­tu­ra em que o cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal ca­mi­nha pa­ra o tér

Jornal dos Desportos - - PORTADA - GAU­DÊN­CIO HAMELAY/LUBANGO

O Gi­ra­bo­la ca­mi­nha pa­ra a fa­se cru­ci­al e mui­tos são os co­men­tá­ri­os em re­la­ção ao tra­ba­lho das equi­pas de ar­bi­tra­gem, uns po­si­ti­vos e ou­tros ne­ga­ti­vos. Que ava­li­a­ção faz a es­se res­pei­to?

A ar­bi­tra­gem não es­tá tão mal, co­mo as pes­so­as apre­go­am. Nós te­mos ár­bi­tros de va­lor, e a pro­va dis­so é que te­mos ago­ra um árbitro in­ter­na­ci­o­nal, o Hél­der Mar­tins, que se­ma­na sim se­ma­na não, es­tá nos cam­pos afri­ca­nos a api­tar. A in­te­gri­da­de das leis e dos ár­bi­tros que as apli­cam, têm de ser sem­pre pro­te­gi­dos e res­pei­ta­dos.

Quem de­ve de­fen­der e fa­zer res­pei­tar es­sa in­te­gri­da­de?

Boa per­gun­ta. To­dos os que têm au­to­ri­da­de, es­pe­ci­al­men­te trei­na­do­res e ca­pi­tães de equi­pas, têm a cla­ra res­pon­sa­bi­li­da­de de no jo­go res­pei­tar a equi­pa de ar­bi­tra­gem e as su­as de­ci­sões.

E, em An­go­la, es­te prin­cí­pio não es­tá a ser cum­pri­do ou há má in­ter­pre­ta­ção das leis?

In­fe­liz­men­te, nem sem­pre as­sim acon­te­ce. Por­que ca­sos há, em que os jo­ga­do­res ao pra­ti­ca­rem um jo­go vi­o­len­to, até o trei­na­dor in­sur­ge-se con­tra o árbitro. Re­co­nhe­ce­mos, tam­bém, avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos na mu­dan­ça de ati­tu­de dos atle­tas, trei­na­do­res e di­ri­gen­tes. Aliás, as leis são cla­ras, e a sua in­ter­pre­ta­ção de­ve ser efec­ti­va. Gos­ta­ria de di­zer tam­bém que, no mun­do glo­ba­li­za­do de que o nos­so país faz par­te, as mu­ta­ções são con­tí­nu­as. É pre­ci­so ac­tu­a­li­zar­mo-nos sem­pre, so­bre as leis que sur­gem no fu­te­bol, por­que elas são uni­ver­sais.

Que comentário faz so­bre as cons­tan­tes re­cla­ma­ções de al­gu­mas equi­pas do cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal so­bre a ac­tu­a­ção de cer­tos tri­os de ar­bi­tra­gem.

Só não er­ra quem não tra­ba­lha. To­dos nós er­ra­mos e os ár­bi­tros não es­tão li­vres de er­ros. Acom­pa­nho al­gu­mas re­cla­ma­ções que sur­gem, mas não é as­sim tan­to, co­mo al­guns di­ri­gen­tes des­por­ti­vos di­zem. Co­mo dis­se atrás, nós te­mos bons ár­bi­tros. A pro­va dis­so, a CAF in­di­ca ár­bi­tros nos­sos pa­ra ajui­za­rem em pro­vas or­ga­ni­za­das pe­lo ór­gão reitor da mo­da­li­da­de, no con­ti­nen­te afri­ca­no.

Em fun­ção das crí­ti­cas cons­tan­tes, que em na­da dig­ni­fi­cam a clas­se, que con­se­lho dei­xa às no­vas ge­ra­ções que de­ci­di­ram abra­çar a car­rei­ra?

Pa­ra os ár­bi­tros, qu­e­ro re­fe­rir­me ao po­si­ci­o­na­men­to, mo­vi­men­ta­ção e tra­ba­lho de equi­pa, lin­gua­gem cor­po­ral, co­mu­ni­ca­ção e o uso do api­to, a com­pen­sa­ção do tem­po per­di­do, a ava­li­a­ção, e o tra­ta­men­to após in­frac­ção san­ci­o­na­da com ad­ver­tên­cia ou ex­pul­são. Es­ses ele­men­tos to­dos pre­ci­sam de cons­tan­tes ac­tu­a­li­za­ções, daí a im­por­tân­cia tam­bém da for­ma­ção aca­dé­mi­ca dos ár­bi­tros, que são apu­ra­dos pa­ra en­tra­rem na car­rei­ra de ar­bi­tra­gem.

Ma­nu­el Pi­men­tel de­fen­de ac­tu­a­li­za­ções cons­tan­tes na clas­se pa­ra a me­lho­ria

da qua­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.