Re­ver os es­que­mas

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

ASe­lec­ção de bas­que­te­bol sé­ni­or mas­cu­li­na já res­pi­ra ares de Tu­nis, lo­ca­li­da­de on­de vai dis­pu­tar a úl­ti­ma fa­se do cam­pe­o­na­to afri­ca­no da mo­da­li­da­de, que nes­ta sua XXIV edi­ção é co-or­ga­ni­za­do pe­lo Se­ne­gal e Tu­ní­sia. Es­pe­ra­mos, que de­pois de três jo­gos su­ces­si­vos, que com­pre­en­de­ram a fa­se de gru­pos, a equi­pa re­pen­se o seu jo­go, re­ve­ja es­tra­té­gi­as, e en­ca­re o res­to do tor­neio com mais do­se de con­fi­an­ça.

A pri­mei­ra fa­se, não foi na­da boa. Es­te­ve, di­ga-se em abo­no da ver­da­de, mui­to lon­ge do que a equi­pa nos acos­tu­mou, ao lon­go de mui­tos anos e edi­ções. An­go­la es­te­ve sim­ples­men­te ir­re­co­nhe­cí­vel, de­sen­qua­dra­da em to­dos as­pec­tos, a de­no­tar fal­ta de efi­cá­cia e de ar­ca­boi­ço, que per­mi­tis­se en­ca­rar os jo­gos com mais se­ri­e­da­de. Em mui­tas oca­siões, es­te­ve à bei­ra da fa­lên­cia.

O jo­go inau­gu­ral, di­an­te do Ugan­da, é mes­mo pa­ra es­que­cer. Vi­mos uma equi­pa, que não jus­ti­fi­cou o es­ta­tu­to que os­ten­ta, na pra­ça do bas­que­te­bol afri­ca­no. Foi do­mi­na­da ao lon­go de to­dos os quar­tos, che­gou in­clu­si­ve a per­der por 21 pon­tos de di­fe­ren­ça, e di­ga-se, fal­tou à se­lec­ção ugan­de­sa ex­pe­ri­ên­cia pa­ra se­gu­rar o re­sul­ta­do. Foi por uma unha, que se con­se­guiu o "vol­te-fa­ce".

Se­guiu-se o jo­go com o Mar­ro­cos, em que re­a­pa­re­ceu, com um pou­co mais de cri­a­ti­vi­da­de. Vai-se lá sa­ber, se o ad­ver­sá­rio é quem es­te­ve pi­or, ou coi­sa pa­re­ci­da. Pe­lo me­nos con­se­guiu uma vi­tó­ria, que aju­dou na re­no­va­ção de es­pe­ran­ças. Com a Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na era o tu­do ou na­da. A se­lec­ção es­ta­va proi­bi­da de er­rar.

Ago­ra, vai co­me­çar a fa­se do­lo­ro­sa. On­de as equi­pas não se de­vem re­ve­lar per­mis­si­vas, por­que uma der­ro­ta di­ta a sen­ten­ça. Por tu­do is­so, fa­ze­mos ape­lo que a equi­pa en­ca­re es­ta fa­se O jo­go inau­gu­ral di­an­te do Ugan­da é mes­mo pa­ra es­que­cer. Vi­mos uma equi­pa que não jus­ti­fi­cou o es­ta­tu­to que os­ten­ta na pra­ça do bas­que­te­bol afri­ca­no. com ou­tra pos­tu­ra, com ou­tra de­ter­mi­na­ção. Afi­nal aqui co­me­ça o cru­za­men­to de equi­pas mais for­tes e to­das elas can­di­da­tas as­su­mi­das ao tí­tu­lo.

O que nos foi da­do ver, na fa­se de gru­pos, li­mi­ta um pou­co às nos­sas ex­pec­ta­ti­vas, pois, é opinião con­sen­su­al de que a se­lec­ção nun­ca en­trou pa­ra um cam­pe­o­na­to afri­ca­no, de for­ma tão de­sas­tra­da co­mo o fez, na pre­sen­te edi­ção. Além do mais, o seu jo­go não tem um fio pa­dro­ni­za­do, pe­ca em mui­tos as­pec­tos, tan­to no ata­que co­mo na de­fe­sa.

A con­ti­nu­ar co­mo es­te­ve em Da­kar, po­dem es­tar cri­a­das as con­di­ções pa­ra o fra­cas­so, que a acon­te­cer mais não se­rá, que a con­fir­ma­ção de um no­vo ci­clo do nos­so bas­que­te­bol, de­pois de um lon­go rei­na­do em que le­vou o con­ti­nen­te ren­di­do aos seus pés. Por­que, des­de 1989, al­tu­ra em que An­go­la con­quis­tou o pri­mei­ro tí­tu­lo afri­ca­no, que não falha em du­as edi­ções con­se­cu­ti­vas. Ca­so acon­te­ça, se­rá re­al­men­te ca­so pa­ra acre­di­tar, na mu­dan­ça dos tem­pos.

Con­tu­do, era bom, que a Tu­ní­sia que viu An­go­la per­der o tí­tu­lo a fa­vor da Ni­gé­ria, pu­des­se tam­bém as­sis­tir ao res­ga­te do mes­mo. Não é al­go que es­te­ja fo­ra de hi­pó­te­ses, a jo­gar co­mo jo­ga­mos, sur­gem mo­ti­vos pa­ra co­lo­car re­ti­cên­ci­as. Em to­do o ca­so, va­mos acre­di­tar no pro­ces­so de cres­ci­men­to de jo­go pa­ra jo­go. Po­de ser que a gen­te che­gue lá. lá...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.