O País pe­de con­tas

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AN­TÓ­NIO FÉ­LIX

Se a "Na­ção agos­ti­na" pe­de con­tas à sua equi­pa, no­me­a­da­men­te a con­quis­ta do Gi­ra­bo­la ZAP, en­tão a res­pos­ta es­tá aí, de jo­go a jo­go, a con­so­li­dar em cam­po es­ta so­be­ra­na von­ta­de.

Só acho que ho­je, terça-feira, não in­te­res­sa mais fa­lar exaus­ti­va­men­te des­sa ma­gra (1-0) vi­tó­ria so­bre o Pe­tro de Lu­an­da. Bas­ta de fac­to que ela acon­te­ceu e que to­dos os agos­ti­nos es­te­jam a fes­te­jar, ru­mo à re­no­va­ção do tí­tu­lo, obra que não se­rá fá­cil.

Aliás, o trei­na­dor ad­jun­to do 1º de Agos­to, Ivo Traça, re­co­nhe­ceu que a vi­tó­ria te­ve um sabor es­pe­ci­al, por ter de­vol­vi­do a li­de­ran­ça do Gi­ra­bo­la2017 à sua equi­pa, mas ele tam­bém não men­tiu ao su­bli­nhar que foi di­fí­cil ga­nhar aque­le jo­go lin­do, mui­to elec­tri­zan­te co­mo nun­ca mais se viu.

Eu es­ta­rei tam­bém aqui pa­ra con­ti­nu­ar a ver se é o 1º de Agos­to ou o Pe­tro que man­te­rão a sen­da de vi­tó­ri­as. Es­tá in­te­res­san­te a cor­ri­da o tí­tu­lo com es­te "ora li­de­ro eu, ora li­de­ras tu" e no fi­nal tu­do se ve­rá.

Por fa­lar dis­so es­tou aqui a es­pe­rar o que vi­rá da nos­sa se­lec­ção de bas­que­te­bol que ain­da não acer­tou. Acho até que o País in­tei­ro - e mes­mo a Áfri­ca e o "Mun­do" que ad­mi­ram a An­go­la já as­sis­ti­ram a três so­frí­veis jo­gos da nos­sa se­lec­ção no Se­ne­gal e po­dem di­zer que vi­ve­ram dra­mas que já não se vis­lum­bra­vam há mais de du­as dé­ca­das em que tu­do “só da­va” An­go­la e mais An­go­la!

Es­se dra­ma tem a ver com aque­la vi­tó­ria (94-89) ar­ran­ca­da a fer­ro e fo­go di­an­te do "ou­sa­do" Ugan­da; a ver­go­nho­sa der­ro­ta (53-60) com o Mar­ro­cos e o ou­tro triunfo (66-44), tam­bém lo­gra­do a su­ar, fren­te á se­lec­ção da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na.

Ago­ra a per­gun­ta é: es­sa se­lec­ção sé­ni­or no pró­xi­mo jo­go a do­er com o Se­ne­gal vai ser ver­ga­da ou te­rá já a for­ma e a pres­ta­ção que lhe ga­ran­ta uma vi­tó­ria es­tron­do­sa na ca­mi­nha­da pa­ra o tí­tu­lo de cam­peão afri­ca­no, des­tro­nan­do a Ni­gé­ria?.

Não sou es­pe­ci­a­lis­ta na bo­la ao ces­to, mas, des­de 2011, ano em que per­de­mos o tí­tu­lo pa­ra a Tu­ní­sia e, anos de­pois, pa­ra a Ni­gé­ria, ve­nho di­zen­do que An­go­la não po­dia con­ti­nu­ar a acre­di­tar num do­mí­nio eter­no. Os po­de­ro­sos im­pé­ri­os ru­em e por cau­sa des­ta ver­da­de, An­go­la cer­ta­men­te um dia cai­ria an­te a su­pe­ri­o­ri­da­de de uma ou­tra equi­pa emer­gen­te no bas­que­te­bol afri­ca­no. Es­ta­rá já a acon­te­cer?

Eu acho que o de­cli­neo por en­quan­to se de­ve à ne­gli­gên­cia dos nos­sos líderes di­ri­gen­tes, trei­na­do­res e al­guns atle­tas. Quem fa­lhou pa­ra que a nos­sa se­lec­ção em Da­kar jo­gas­se co­mo ver­go­nho­sa­men­te jo­gou nos três jo­gos?

O cam­pe­o­na­to ain­da não ter­mi­nou, mas é meu de­se­jo que An­go­la su­ba ao pó­dio, mas, pa­ra o fu­tu­ro, não va­le a pena es­con­der­mos ou es­ca­mo­te­ar as nos­sas de­bi­li­da­des, por nos­sa cul­pa na fal­ta de in­ve­ti­men­to.

Pa­ra mim a ver­da­de é es­ta: o im­pé­rio do bas­que­te­bol an­go­la­no só es­tá a ser pos­to em cau­sa por­que há na fe­de­ra­ção uma cas­ta de di­ri­gen­tes que deu pri­ma­zia a ca­pri­chos in­di­vi­du­ais em opo­si­ção ao re­le­van­tís­si­mo in­te­res­se pú­bli­co – aqui en­fa­ti­zo eu – que sem­pre e sem­pre gra­vi­tou em tor­no da se­lec­ção, quer em épo­ca de qual­quer pre­pa­ra­ção quer já em com­pe­ti­ção. Por is­so, sem ro­dei­os, nem me­do de er­rar, pos­so cha­mar aqui à co­la­ção o prin­ci­pio se­gun­do o qual há di­rec­ção co­lec­ti­va, mas res­pon­sa­bi­li­za­ção in­di­vi­du­al: o de­do in­di­ca­dor vai pa­ra o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Bas­que­te­bol, Hél­der Cruz "Man-Ne­da".

Por­que mes­mo sa­ben­do dos as­pec­tos sin­gu­la­res de trei­nos, ca­rac­te­rís­ti­cas fí­si­cas e mor­fo­ló­gi­cas do an­go­la­no jo­gar ao bas­que­te­bol, pre­fe­riu con­tra­tar ( se hou­ve co­mis­são é o que não sei) um trei­na­dor que ten­do em­bo­ra cer­to "Know How", ain­da es­tá sem um ca­be­dal de ex­pe­ri­ên­cia que o ha­bi­li­ta a con­du­zir fa­cil­men­te o nos­so cin­co pa­ra o tí­tu­lo.

Di­ga­mos que Man-Ne­da ar­ris­cou con­tra tu­do e to­dos. Na con­tra­ta­ção ou no­me­a­ção de Ma­nu­el Sil­va "Gi" qua­se ati­rou pa­ra a sar­je­ta, pas­se a ex­pres­são, jo­ga­do­res de al­ta va­lia.

Man-Ne­da e Ma­nu­el Sil­va " Gi " es­tão pen­sar que são os "ar­qui­tec­tos" de tu­do pa­ra ga­nhar e que o res­to ape­nas "fo­tó­gra­fos". Le­do en­ga­no.

Por­que o País co­nhe­ce os ra­pa­zes que anos a fio de­ram o li­tro em vá­ri­as frentes in­ter­na­ci­o­nais pa­ra fa­zer An­go­la sor­rir a jo­ga­rem ao es­ti­lo an­go­la­no.

Há jo­ga­do­res que fo­ram dis­pen­sa­dos, mas ain­da em al­tu­ra de po­ten­ci­ar e con­cre­ti­zar a nos­sa au­to-es­ti­ma. O pre­si­den­te da fe­de­ra­ção sa­bia de tu­do is­so, mas, em oca­siões vá­ri­as, fez crer que a ra­zão es­ta­va do la­do do trei­na­dor; cau­ci­o­nou prá­ti­cas in­con­ci­liá­veis com o que es­ta­va ali­cer­ça­do pa­ra de no­vo ven­cer­mos o Afro­bas­ket.

O ime­di­a­tis­mo com que quer ga­nhar a pro­va po­de ter um pre­ço ines­pe­ra­do e se hou­ver dra­ma que ve­nha a fa­zer o País cho­rar pe­la der­ro­ta, Man- Ne­da e seus pa­res po­de­rão dar um sal­to pa­ra o des­co­nhe­ci­do. Qual?

A res­pos­ta é es­ta: se An­go­la fra­cas­sar de­ve­rão "pa­gar" pe­la de­son­ra ao País, o ca­mi­nho ime­di­a­to, pe­la fren­te, de­ve­rá ser a co­ra­gem de pe­di­rem a de­mis­são­do os er­ros que a fe­de­ra­ção co­me­te com o rol de de­sor­ga­ni­za­ção que ro­la nas su­as qua­tro pa­re­des.

Pa­ra o nos­so bas­que­te­bol quem fa­lhou pa­ra que a nos­sa se­lec­ção em Da­kar jo­gas­se co­mo ver­go­nho­sa­men­te jo­gou nos três jo­gos? O cam­pe­o­na­to ain­da não ter­mi­nou, mas é meu de­se­jo que An­go­la su­ba ao pó­dio e se fa­lhar não va­le a pena es­con­der­mos ou es­ca­mo­te­ar as nos­sas de­bi­li­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.