Aos seus lu­ga­res!

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - CAR­LOS CALONGO

Ca­so hou­ves­se mai­or sen­ti­do de res­pei­to pe­lo ad­ver­sá­rio, ain­da que não fos­se o "eter­no ri­val", não te­ria por que fa­zer re­cor­dar as se­guin­tes pa­la­vras: "Acho que o 1º de Agos­to é sem­pre a equi­pa mais fá­cil de de­fron­tar. Se não es­ti­ver acom­pa­nha­do da ar­bi­tra­gem le­va ‘por­ra­da’ com Pe­tro à von­ta­de".

Aco­ber­to-me de ab­so­lu­to con­for­to pa­ra tra­zer à li­ça es­te as­sun­to, - e de­vo re­cor­dar que, na vés­pe­ra, ma­ni­fes­tei o meu de­sa­gra­do pe­la de­se­le­gân­cia do dis­cur­so -, pois con­si­de­ro-me in­te­gran­te do exér­ci­to que sa­be que, no fu­te­bol, mais do que as pa­la­vras im­por­tan­te é o que se de­fi­ne no mo­men­to ou pe­lo por­me­nor, e sen­do o res­to, ape­nas is­so mes­mo.

Des­te prin­cí­pio, a vi­tó­ria do 1º de Agos­to so­bre o Pe­tro de Lu­an­da, no jo­go de car­taz da jor­na­da do úl­ti­mo fi­nal de se­ma­na, pa­ra além de ser uma res­pos­ta ao aci­ma enun­ci­a­do, po­de ser en­ten­di­da co­mo a voz de man­do dos mi­li­ta­res, re­su­mi­da nas pa­la­vras que fa­zem o tí­tu­lo des­te ar­ti­go, mui­to co­nhe­ci­da nas hos­tes cas­tren­ses co­mo a voz de man­do, ou se­ja: Aos seus lu­ga­res!

E co­mo que em cum­pri­men­to obri­ga­tó­rio da pa­la­vra de or­dem, pas­se a hi­pér­bo­le, os pe­tro­lí­fe­ros de­vol­ve­ram o pri­mei­ro lu­gar que "guar­da­ram" por par­cos di­as, ao ri­val que, ver­da­de se­ja di­ta, tem fei­to o su­fi­ci­en­te pa­ra me­re­cer a pri­mei­ra po­si­ção da com­pe­ti­ção que é, sem mar­gem pa­ra dú­vi­da, a ale­gria, o mo­ti­vo de sa­tis­fa­ção e a di­ver­são aos fins­de-se­ma­na, e não só.

Sen­do pú­bli­ca a mi­nha pai­xão pe­lo clu­be do Rio Seco, e por que não qu­e­ro ser aco­pla­do ao gru­po dos que, co­mo tam­bém cer­to dia foi di­to, "jor­na­lis­tas que fa­bri­cam co­men­tá­ri­os des­car­tá­veis que na prá­ti­ca não exis­tem", mais não di­go em re­la­ção ao jo­go gran­de da 25ª jor­na­da.

Até por­que, pa­ra além do jo­go não de­fi­nir o tí­tu­lo, no fim-de-se­ma­na não vi­ve­mos ape­nas de fu­te­bol, por­quan­to a Se­lec­ção Na­ci­o­nal sé­ni­or mas­cu­li­na de bas­que­te­bol dis­pu­tou a pri­mei­ra fa­se da 29ª edi­ção do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções, vul­go Afro­bas­ket, que de­cor­re nu­ma co-or­ga­ni­za­ção da Tu­ní­sia e Se­ne­gal.

E pe­lo va­lor e pres­tí­gio que bas­que­te­bol, por ex­pres­são pró­pria, gran­je­ou no mo­sai­co des­por­ti­vo an­go­la­no e até mes­mo con­ti­nen­tal, não soa bem dei­xar­mos de dar uma pin­ce­la­da so­bre o as­sun­to, até por que tem ac­tu­a­li­da­de, pa­ra além de ser na­ci­o­nal e co­mo di­zia o ou­tro, "nós gos­ta­mos".

Bus­can­do for­ças no além, ape­sar de não es­tar a jo­gar ao seu me­lhor ní­vel, An­go­la deu ar da sua gra­ça e ven­ceu a RCA por 66-44, por si­nal nú­me­ros ca­pi­cua, e al­can­çou o pri­mei­ro dos ob­jec­ti­vos na com­pe­ti­ção, que se pren­de com a pas­sa­gem pa­ra os quar­tos de fi­nal, pois sem jo­gar es­ta fa­se não se che­ga a tão al­me­ja­da fi­nal e con­quis­ta do tí­tu­lo, que é (?) o de­se­jo co­lec­ti­vo.Ape­sar de cons­ci­en­tes quan­to ao iní­cio tos­co da Se­lec­ção Na­ci­o­nal, não po­de­mos acei­tar a for­ma co­mo de­ter­mi­na­dos agen­tes des­por­ti­vos ma­ni­fes­ta­ram o seu des­con­ten­ta­men­to com o trei­na­dor da se­lec­ção an­go­la­na e al­guns res­pon­sá­veis do ór­gão reitor da bo­la ao ces­to.

Nem que fos­se con­ver­sa de bar ou sa­lão de be­le­za, sal­va­guar­dan­do a mo­lés­tia mo­ral aos fre­quen­ta­do­res dos re­fe­ri­dos es­pa­ços pú­bli­cos, a for­ma de ma­ni­fes­ta­ção dos nos­sos de­se­jos em re­la­ção ao que de­ve ser a pres­ta­ção de An­go­la na re­fe­ri­da com­pe­ti­ção, de­ve es­tar im­buí­da de al­gu­ma ur­ba­ni­da­de e to­do o cor­te­jo de res­pei­to pe­la pes­soa de ou­trem.

Ade­mais, e por­que mui­tos dos co­men­tá­ri­os são "obras-pri­mas" de pes­so­as com al­gu­ma vi­si­bi­li­da­de e es­ta­tu­to so­ci­al que, por is­so, se obri­gam a al­gu­ma con­ten­ção ver­bal, so­bre­tu­do nos seus pro­nun­ci­a­men­tos pú­bli­cos, que quan­do ex­pres­sos so­bre uma car­ga emo­ci­o­nal mui­to for­te po­dem pro­vo­car efei­tos per­ver­sos.

É im­por­tan­te lem­brar que o fac­to de ser An­go­la de­ten­to­ra da he­ge­mo­nia do bas­que­te­bol con­ti­nen­tal,tor­na um al­vo a aba­ter, pa­ra além de ter­mos de acei­tar que os ou­tros, as­sim co­mo nós, tam­bém tra­ba­lham vi­san­do a con­quis­ta do tí­tu­lo.

É im­por­tan­te lem­brar que, o fac­to de ser, An­go­la, de­ten­to­ra da he­ge­mo­nia do bas­que­te­bol con­ti­nen­tal, tor­na-se um al­vo a aba­ter, pa­ra além de ter­mos de acei­tar que os ou­tros, as­sim co­mo nós, tam­bém tra­ba­lham vi­san­do a con­quis­ta do tí­tu­lo.

Sig­ni­fi­ca is­so que, ain­da que An­go­la não (re) con­quis­te o tro­féu em pos­se da Ni­gé­ria, não de­ve­mos per­der as es­tri­bei­ras na for­ma de abor­da­gem do fe­nó­me­no des­por­ti­vo, com­pran­do des­ne­ces­sá­ri­as que­zi­las pes­so­ais que em na­da ser­vem os in­te­res­ses co­lec­ti­vos da pá­tria, até por que, o cin­co na­ci­o­nal tem com­pe­tên­cia pa­ra man­dar qual­quer se­lec­ção afri­ca­na, aos seus lu­ga­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.