Na­ção e o basquetebol

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AR­LIN­DO MA­CE­DO

O14 de Se­tem­bro, que apa­nha An­go­la a meio da Semana de Ne­to, é uma da­ta que vai fi­car es­cri­ta co­mo o Dia D nos nos­sos anais, e por quê?

A Semana de Ne­to, o fun­da­dor do sen­ti­men­to que ho­je to­dos de­ve­mos in­fun­dir, o de uma Na­ção, ser­ve aqui pa­ra se fa­zer luz ao que éra­mos, co­mo des­por­tis­tas pa­tri­o­tas, e no que de­pres­sa nos tor­ná­mos, uns me­ros vi­ven­tes à cus­ta do des­por­to.

Se­pa­ra-nos des­sa nos­tál­gi­ca épo­ca, a dis­tân­cia de uma me­mó­ria co­lec­ti­va pra­ti­ca­men­te ig­no­ra­da na ac­tu­a­li­da­de e que tra­duz um es­que­ci­men­to rá­pi­do de co­mo se fa­zer de paus, uma ca­ba­na. E sem es­sa pe­que­na re­cei­ta ca­sei­ra dos com­por­ta­men­tos, pen­sa­men­tos e ati­tu­des, te­mos ho­je aque­la ca­ba­na a des­mo­ro­nar-se, na mes­ma oca­sião em que ao basquetebol tem si­do pro­va­do que lhe es­tá a fal­tar no­va ca­ba­na, ou re­pa­rar ur­gen­te­men­te a que tem. A ver-se, de­pois que su­ce­deu Ba­ma­ko, o que nos há-de re­ser­var Da­kar...

Es­sas du­as pra­ças da Áfri­ca do Oes­te que tan­to nos ha­via cus­ta­do a con­quis­tar já co­me­ça­ram a ver a nos­sa su­pre­ma­cia a de­sa­bar na pri­mei­ra de­las, o Ma­li, don­de e após che­ga­dos ex-cam­peãs, vol­tá­mos em pri­mei­ro dos úl­ti­mos. A ver, a se­guir.

Na ba­se do nos­so de­sai­re só po­de­mos es­tar nós mes­mos. E não foi su­bi­ta­men­te, mas des­mon­ta­do a prazo. O que os jo­vens di­ri­gen­tes ha­vi­am en­con­tra­do e que ti­ve­ram di­fi­cul­da­de a de­ci­frar, já não es­tá só co­ça­do pe­lo tempo, mas des­gas­ta­do pe­lo tra­to. Se­não, ve­ja-se.

An­ti­ga­men­te os nos­sos sen­ti­men­tos e mo­ti­va­ções de lu­ta eram na gra­tui­ti­da­de e o es­ta­do em­pe­nha­va-se nos pro­jec­tos que aca­ba­vam sem­pre por tra­du­zir-se em ga­nhos de âni­mo e uma ci­da­da­nia na­ci­o­nal que nos ir­ma­na­va a pon­to tal, que ho­je se con­ta que até as ar­mas se ca­la­vam pa­ra es­cu­tar no rá­dio An­go­la a jo­gar. A se­lec­ção era en­tão um em­ble­ma do po­vo. E uma ar­ma do país.

Nos bas­ti­do­res des­sa for­ça cres­cen­te, que o des­por­to era, a pon­to de ser­vir pa­ra An­go­la es­gri­mir ao mun­do a sua exis­tên­cia re­al, ali nos gran­de areó­pa­gos des­por­ti­vos e com a nos­sa con­tro­ver­sa ban­dei­ra na­ci­o­nal has­te­a­da, foi on­de nos ser­viu tam­bém pa­ra mos­trar ao mun­do o que­rer e ca­pa­ci­da­de da nos­sa ju­ven­tu­de, gui­a­da por uma ge­ra­ção de con­fir­ma­dos des­por­tis­tas na­ci­o­nais de uma igua­lha di­fí­cil, de res­to com­pro­va­da pe­la so­li­dez e pro­du­ti­vi­da­de das ba­ses des­por­ti­vas na­ci­o­nais, don­de An­go­la ra­pi­da­men­te emer­giu co­mo o país em guer­ra que pa­ra­do­xal­men­te se apre­sen­ta­va pa­ra ga­nhar cam­pe­o­na­tos.E re­al­men­te foi o bas­que­te aque­le jogo que mais ra­pi­da­men­te flo­res­ceu en­tre nós e que pi­o­nei­ra­men­te nos le­vou à gló­ria des­por­ti­va, em 1980 e lo­go às pri­mei­ras. Em An­go­la, de­pois Mo­çam­bi­que. Éra­mos os bi­cam­peões ju­ni­o­res de Áfri­ca, ra­zão pe­la qual a par­tir de 9 anos de­pois fi­cá­mos os eter­nos cam­peões. Ve­jam o tempo que is­so cus­tou e on­de e co­mo tu­do co­me­çou. E fo­ram tí­tu­los afri­ca­nos e olim­pía­das ga­nhos à pa­za­da, ser­vin­do in­clu­si­ve pa­ra es­tí­mu­lo ao es­for­ço de de­sen­vol­vi­men­to de ou­tras mo­da­li­da­des, com re­al­ce pa­ra o andebol, fu­te­bol, vo­lei­bol, ou mais in­di­vi­du­al­men­te o atletismo, bo­xe e ve­la, que eram os des­por­tos en­tão mais subs­tan­ci­al­men­te pra­ti­ca­dos e que ti­nha mui­to a ver com a clas­se di­ri­gen­te dos clu­bes na épo­ca.

Des­sa lá, Anos 80, pa­ra a ac­tu­a­li­da­de, tal é o que me in­vo­ca a Semana de Ne­to, to­dos os anos en­tre 10 e 17 de Se­tem­bro, pa­ra aque­les que re­al­men­te sai­bam dar va­lor e uti­li­da­de à his­tó­ria, mes­mo se ela se re­faz to­dos os di­as, pois a per­das dos ne­xos, his­tó­ri­cos nes­te ca­so, é o que nos de­sa­gre­ga se per­de­mos o fio que nos é co­mum­men­te con­du­tor. E se­rá que os en­si­na­men­tos des­por­ti­vos for­ja­dos pi­o­nei­ra­men­te na épo­ca de Ne­to fi­ca­ram tam­bém en­ter­ra­dos?

Ho­je en­con­tra-se es­cas­sa si­mi­li­tu­de nas pes­so­as e nos mé­to­dos, quan­do en­tra­mos pe­lo des­por­to aden­tro. E de pou­co nos têm ser­vi­do os co­nhe­ci­men­tos dos dou­to­res for­ma­dos na ma­té­ria e cu­jos apre­sen­ta­ções vêm pre­ce­di­das in­va­ri­a­vel­men­te do tí­tu­lo aca­dé­mi­co, mas sem obra. Nem vis­lum­bre de­la. E é ho­ra dos sá­bi­os apa­re­ce­rem. Por mi­nha ar­te, en­quan­to ob­ser­va­dor fa­lan­te, es­tou ape­nas a des­ta­par um las­tro de his­tó­ria pa­ra con­tras­tar com as es­tó­ri­as que se an­dam a con­tar.

Por as­sim di­zer, o des­por­to Angolano fi­cou sem di­rec­ção téc­ni­ca! Os téc­ni­cos de cá­te­dra fo­ram sen­do pos­tos na pra­te­lei­ra e gra­du­al­men­te subs­ti­tuí­dos por in­di­ví­du­os com ou­ras as­pi­ra­ções no des­por­to, qui­çá mais po­lí­ti­cas, do que des­por­ti­vas, e que se têm pau­ta­do no dia-a-dia por des­cui­dos múl­ti­plos no seu in­fan­tá­rio e que go­za de um cons­tran­ge­dor si­lên­cio com que to­dos vêem ven­do aque­la nos­sa pri­mei­ra ca­ba­na de­sa­bar. Por­que já nem um va­lor sim­bó­li­co e his­tó­ri­co tem; ve­ja-se por exem­plo, co­mo o Bra­sil cho­ra quan­do per­de o fu­te­bol, mas is­so nem se­quer nas novelas apren­de­mos?

Por en­tre as alei­vo­si­as da nos­sa cha­ma­da so­ci­e­da­de de eco­no­mia de Mer­ca­do, o des­por­to tor­nou-se na par­ce­la mais ape­te­cí­vel pe­los ga­nhos fá­ceis e par­ti­cu­la­res dos ges­to­res des­por­ti­vos, do que pro­pri­a­men­te pe­lo ga­nho co­lec­ti­vo de re­sul­ta­dos, e es­tes só acon­te­cem se pri­mei­ro fo­rem tra­ba­lha­dos e to­dos po­de­rem ver que es­ta­mos sem­pre a su­bir, mes­mo. Ago­ra, não sei se por efei­to da­que­la mes­ma guer­ra que já nos ha­via tor­na­do pró­di­gos, te­rão aca­ba­do em­bru­te­ci­dos os fi­lhos que fo­mos ten­do, mar­ca­dos por uma avi­dez tal de ga­nhos pes­so­ais, que vi­e­ram tam­bém acam­par no des­por­to. Por­que é is­so o que os com­por­ta­men­tos nas ins­ti­tui­ções des­por­ti­vas têm es­ta­do a re­ve­lar ao ci­da­dão.

As­sim de­sar­ti­cu­la­dos com o tempo e sem uma re­ac­ção vi­sí­vel em prol da sal­va­guar­da dos ga­nhos da re­cons­tru­ção na­ci­o­nal no sec­tor do des­por­to, men­su­rá­vel pe­los pres­su­pos­tos per­di­dos, en­tre os quais avul­ta­ria ter-se o mes­mo em­pe­nho com que aque­les pri­mei­ros ju­ni­o­res ha­vi­am co­me­ça­do ain­da em ju­ve­nis, a sa­ga do bas­que­te pri­mei­ra­men­te mas­cu­li­no, de An­go­la, e mais re­cen­te­men­te com im­pul­sos sen­ti­dos no fe­mi­ni­no, eis-nos num tempo do qual nin­guém acei­ta ser o pai. E é tris­te, pois is­so nos co­lo­ca nu­ma si­tu­a­ção de ri­dí­cu­lo e só qu­em tem pou­ca edu­ca­ção, não sen­te ver­go­nha.

Quan­do lo­go toda uma na­ção es­ti­ver com os co­ra­ções me Da­kar, va­mos so­frer por um er­ro de pou­cos, que to­dos dei­xam alas­trar. E é dis­to que im­por­ta fa­lar e pen­sar e re­sol­ver quan­do, das du­as, uma, ou o país se qui­ser so­li­da­ri­zar com a cau­sa do bas­que­te, que é a do des­por­to em ge­ral, e da edu­ca­ção, ou en­tão, is­so for na­da pa­ra as mai­o­res pre­o­cu­pa­ções pes­so­ais que in­fe­liz­men­te tem qu­em dei­xa as coi­sas che­gar e an­dar in­de­fi­ni­da­men­te nes­te pon­to. Lo­go se ve­rá no pró­xi­mo con­su­la­do da tu­te­la dos des­por­tos, sua pos­tu­ra, con­du­ção e an­da­men­to.

Mas, ain­da as­sim, is­so não sos­se­ga quan­to a mais lo­go, em Da­kar. A Áfri­ca do Oes­te tem si­do pró­di­ga a mos­trar-nos co­mo fa­zer dos paus, ca­ba­nas. Já nos ha­vi­am mos­tra­do is­so há pou­cas se­ma­nas, no Ma­li, quan­do as nos­sas ex-cam­peãs afri­ca­nas re­gres­sa­ram em pri­mei­ro dos úl­ti­mos clas­si­fi­ca­dos. E po­dem es­tar pres­tes a re­pe­ti-lo, ou não, em­bo­ra os si­nais, não dos te­mos, mas das es­ta­tís­ti­cas, vol­tem a es­tar a nos­so des­fa­vor.

E a ra­zão não é ou­tra, se­não a fal­ta de fres­cu­ra. O nos­so des­por­to dei­xou de ema­nar fres­cu­ra, trans­for­mou-se num qua­se ca­pim a cres­cer pa­ra ma­to e com ca­da vez me­nos flor por fal­ta de plan­tio de mais ar­bus­tos.

Se em Ba­ma­ko nos fal­tou mais fres­cu­ra, fal­tou ju­ven­tu­de, ou se nos fal­tou mais fres­cu­ra, en­tão fal­tou ju­ven­tu­de. Im­pos­sí­vel sair des­se cír­cu­lo, mas pre­ci­so sair des­se cer­co. A nos­sa ge­lei­ra es­tá ca­da vez mais cheia de co­mi­da pa­ra re­quen­tar e va­zia de fres­cos. e is­so su­ce­de ape­nas por­que o nos­so des­por­to se con­for­tou em an­dar a re­quen­tar ali­men­tos. E di­ri­gen­tes.

Os nú­me­ros de pra­ti­can­tes e de téc­ni­cos têm es­ta­do a de­cair qua­se ver­ti­gi­no­sa­men­te por­que se há po­lí­ti­cas des­por­ti­vas pa­ra is­so, fa­lha­ram re­don­da­men­te. E se há mo­ti­vos pa­ra is­so, er­ra­ram re­don­da­men­te. Não me can­so do exem­plo de Cu­ba, que aqui uti­li­za­mos con­so­an­te a con­ve­ni­ên­cia e por co­e­rên­cia de­via ser um exem­plo úni­co e pa­ra to­dos de saú­de, edu­ca­ção e des­por­to. Pe­lo me­nos não faz mal so­nhar, o pi­or é só ter e vi­ver de pe­sa­de­los.

De­cer­to já ou­viu ou leu so­bre a pa­rá­bo­la de um por­co que aca­bou sa­cri­fi­ca­do no dia em que ou­tro ani­mal da quin­ta, mas de trac­ção e por­tan­to mais ren­tá­vel, o ca­va­lo, ado­e­ceu. O do­no já o da­va por per­di­do quan­do fi­nal­men­te o bi­cho se re­er­gueu, e de ale­gria man­dou o do­no que se ma­tas­se o por­co. Es­te en­trou em pâ­ni­co por­que iam ti­rar-lhe a vi­da pa­ra co­me­mo­rar a vi­da de ou­tro. En­tão, o bas­que­te não po­de ser o por­co, nem os seus di­ri­gen­tes, o ca­va­lo. O pro­ble­ma da quin­ta é ge­ral.

Re­al­men­te, pa­ra um pi­o­nei­ro do su­ces­so do des­por­to angolano, es­tar ho­je a ver es­te tris­te es­pec­tá­cu­lo em uma de­fun­ta pai­sa­gem à es­pe­ra de um so­pro pa­ra tro­car de ve­ge­ta­ção e de ár­vo­res, pois, ali o am­bi­en­te es­tá por mal e nun­ca ro­çou tão bai­xo. Da mu­lem­ba ao eu­ca­lip­to. Se es­tes fo­ram ar­ran­ca­dos da ci­da­de­la sem sa­be­rem que afi­nal es­ta­vam ali pa­ra en­xu­gar as águas e po­der-se jo­gar fu­te­bol sem rel­va­do inun­da­do, po­nha-se ago­ra a ima­gi­nar o tempo que a mu­lem­ba le­va a plan­tar e di­ga qu­an­tas es­tá a ver o nos­so des­por­to plan­tar. Eis por­que a nos­sa pai­sa­gem des­por­ti­va é ca­da vez mais de se­ca, de­ser­ti­fi­ca­ção, do que ver­de.

Por­tan­to, al­gu­ma ten­dên­cia hu­ma­na nos­sa pa­re­ce ine­xo­ra­vel­men­te pre­da­do­ra e de uma pre­dis­po­si­ção pa­ra fa­zer mal, es­tra­gar, tro­car o bom pe­lo mau. O pro­ble­ma es­tá, no en­tan­to, em se abu­sar dis­so. O fa­zer mal, fa­zer er­ra­do, omi­tir, es­con­der a in­ca­pa­ci­da­de e não ar­re­dar da ma­ma é uma ten­dên­cia com­por­ta­men­tal que tam­bém im­por­ta er­ra­di­car, pois ne­nhu­ma eco­no­mia se ergue com chu­los.

O pro­ble­ma do bas­que­te que es­ta­mos a vi­ver é pre­ci­sa­men­te o de toda a pai­sa­gem que es­ta­mos a vi­ver no des­por­to. É de su­bli­nhar que de­pois da épo­ca dos des­por­tis­tas pa­tri­o­tas, mui­tos de­les ain­da en­tre nós e ou­tros lá den­tro com os no­vos di­ri­gen­tes, po­rém in­su­fi­ci­en­tes pa­ra des­ma­tar, a úni­ca sa­tis­fa­ção cor­ren­te vem do andebol fe­mi­ni­no, pois, quer em fu­te­bol, na copa do mun­do FI­FA de 2006, quer ago­ra no mun­di­al de hó­quei em um ex­ce­len­te quin­to lu­gar aca­ba­do de con­quis­tar e com o artilheiro da pro­va, An­go­la pre­ci­sou sem­pre da sua ali­an­ça ao pas­sa­do. E is­so não cus­ta a des­co­di­fi­car.

Tu­do na vi­da tem cau­sas his­tó­ri­cas, mes­mo se elas fo­ram trá­gi­cas. O es­ta­do do nos­so des­por­to tem uma ori­gem, e das du­as, uma: ou te­mos ago­ra pi­o­res alu­nos, ou pi­o­res pro­fes­so­res. Por­que um po­vo não mu­da de uma épo­ca pa­ra ou­tra sem uma cau­sa his­tó­ri­ca. Vol­to à Áfri­ca do Oes­te. Não bas­tas­se os po­vos da­li se­rem mais atlé­ti­cos, te­rem pe­lo me­nos uma di­e­ta ali­men­tar que nos de­mons­tra há ge­ra­ções te­rem me­nor gor­du­ra, ain­da por ci­ma trei­nam mais, mes­mo se co­mem me­nos. Is­so por si só não che­ga­ria pa­ra os tor­nar su­pe­ri­o­res, se não fos­se eles te­rem um sis­te­ma edu­ca­ti­vo que con­tras­ta vi­va­men­te com o nos­so quan­do eles têm mais atle­tas a es­tu­dar que nós, pois têm des­por­to es­co­lar, mas nós ar­ran­ca­mos is­so, e mais, até, co­mo aos eu­ca­lip­tos da Ci­da­de­la. Eles pro­du­zem por dia e ano ex­po­nen­ci­al­men­te mais atle­tas do que nós.

En­tão eles têm cen­te­nas de mi­lhar de pra­ti­can­tes con­tra ape­nas cen­te­nas nos­sas; ou vão di­zer que tam­bém te­mos mi­lha­res? E es­tão on­de, qu­em os vê se­ma­nal­men­te a jo­gar se­não em umas ilho­tas cha­ma­das por fim de cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal? Ain­da do­min­go vi­ra, que de­pois do Man­ches­ter City x Li­ver­po­ol no sá­ba­do, pa­ra a 'Pre­mi­er Le­a­gue', jo­ga­ram de­pois os Sub-23 dos dois em­ble­mas. E aqui, quan­to ve­mos jo­gar os jo­vens dos nos­sos em­ble­mas?

KINDALA MA­NU­EL| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.