Jo­go de­ci­si­vo

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

ASe­lec­ção Na­ci­o­nal de bas­que­te­bol sé­ni­or mas­cu­li­na, de­ci­de es­ta noi­te em Tu­nis, a con­ti­nui­da­de no Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções "Afro­bas­ket2017", quan­do de­fron­tar o Se­ne­gal pa­ra os quar­tos de -fi­nal. Com um iní­cio de pro­va me­nos bom, em Da­kar, on­de ob­te­ve o se­gun­do lu­gar do gru­po B, com du­as vi­tó­ri­as e uma der­ro­ta, os co­man­da­dos de Ma­nu­el Sil­va “Gi” es­tão proi­bi­dos de per­der, por­que têm co­mo ob­jec­ti­vo o res­ga­te do título con­ti­nen­tal, per­di­do em 2015 pa­ra a Ni­gé­ria.

Dis­to, sa­be a equi­pa téc­ni­ca, e sa­bem os atle­tas. Aliás, na ter­ça-fei­ra aquan­do do lan­ça­men­to do jo­go, Ma­nu­el Sil­va "Gi" dis­se pos­suir da­dos pa­ra con­tra­por o ad­ver­sá­rio, e afir­mou na oca­sião que a equi­pa an­go­la­na es­tá em me­lho­res con­di­ções de en­fren­tar a fa­se de eli­mi­na­tó­ria, que vai de­cor­rer na ca­pi­tal tu­ni­si­na.

Na ver­da­de, à des­pei­to do que nos de­ram a ver na fa­se de gru­pos, as du­as se­lec­ções po­de­mos afir­mar sem qual­quer dú­vi­da, que o jo­go vai ser re­al­men­te de ro­er as unhas. A equi­pa vai ter de apli­car-se a fun­do, pa­ra lo­grar um re­sul­ta­do que per­mi­ta aca­len­tar a es­pe­ran­ça de che­gar à fi­nal, e aí ten­tar o que não foi ca­paz na edi­ção an­te­ri­or.

Pa­ra­do­xal­men­te, en­quan­to que Angola an­dou meio à de­ri­va na fa­se pre­li­mi­nar, com uma per­cen­ta­gem de con­ver­são bai­xa, co­mo bem re­flec­tem os re­sul­ta­dos pro­du­zi­dos, o Se­ne­gal es­te­ve em gran­de ní­vel, não é ne­nhu­ma im­pru­dên­cia afir­mar-se que em ter­mos qua­li­da­de de jo­go, si­tua-se um pou­co aci­ma do com­bi­na­do an­go­la­no.

É cla­ro, que aqui so­mos le­va­dos a fa­zer um pe­que­no des­con­to, ao fac­to de es­ta­rem a jo­gar no seu am­bi­en­te, bem apoi­a­dos pe­lo seu pú­bli­co. No jo­go de lo­go mais, as equi­pas de­fron­tam-se em igual­da­de de cir­cuns­tân­ci­as. Ne­nhu­ma vai apre­sen­tar-se no seu re­du­to, es­ta par­ti­cu­la­ri­da­de po­de even­tu­al­men­te jo­gar a fa­vor de al­gum equi­lí­brio na qua­dra.

O que de­ve ser re­al­ça­do aqui, a se­lec­ção não de­ve jo­gar da mes­ma for­ma que o fez na fa­se an­te­ri­or, na eta­pa que ho­je tem iní­cio, não há se­gun­da opor­tu­ni­da­de. Ou se­ja, uma der­ro­ta tra­duz a des­qua­li­fi­ca­ção ir­re­me­diá­vel da pro­va. É por aí, que o so­nho do res­ga­te do título, se­rá pre­ci­so não fa­ci­li­tar e tam­pou­co clau­di­car.

Fal­tam três jo­gos pa­ra se che­gar ao ob­jec­ti­vo. A vitória no jo­go de lo­go, con­duz pa­ra as mei­as-fi­nais, e daí pa­ra a fi­nal. Oxa­lá, os três di­as de pau­sa se­jam su­fi­ci­en­te­men­te apro­vei­ta­dos ,pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de uma tra­ba­lho sé­rio e atu­ra­do, que per­mi­ta à equi­pa téc­ni­ca li­mar as ares­tas, pa­ra que pos­sa apre­sen­tar-se me­lhor nes­ta fa­se de­ci­si­va.

O que de­ve ser re­al­ça­do é que a se­lec­ção não de­ve jo­gar da mes­ma for­ma que o fez na fa­se an­te­ri­or, por­que na eta­pa que ho­je tem iní­cio não se­gun­da opor­tu­ni­da­des. Ou se­ja, uma der­ro­ta tra­duz a des­qua­li­fi­ca­ção ir­re­me­diá­vel da pro­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.