Bas­que­te­bol an­go­la­no es­tá em de­clí­nio?

Em ci­ma do lan­ce

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO -

A his­tó­ria se­cu­lar en­si­na, que as gran­des po­tên­ci­as mun­di­ais a ní­vel de na­ções, um dia aca­bam por cair. Dão lu­gar a ou­tras que sur­gem sem re­cu­pe­ra­ção pos­sí­vel. Foi as­sim, com na­ções co­mo o Egip­to, que foi a pri­mei­ra po­tên­cia mun­di­al, a ní­vel po­lí­ti­co e mi­li­tar, a Sí­ria, Ro­ma e ou­tras.

Des­por­ti­va­men­te , po­de­mos di­zer que às ve­zes o mes­mo acon­te­ce. Por exem­plo, o Ben­fi­ca de Lis­boa, com Eu­sé­bio, Si­mões, Hum­ber­to Fer­nan­des, bem con­du­zi­do por Be­la Gutt­mann, do­mi­nou o fu­te­bol eu­ro­peu nos anos 60, dis­pu­tou mais de me­ta­de das fi­nais da Li­ga dos Cam­peões, e des­tro­nou o Re­al Ma­drid.

En­tre­tan­to, ao pas­so que o Re­al Ma­drid re­cu­pe­rou a he­ge­mo­nia, o Ben­fi­ca de Lis­boa con­ti­nua pra­ti­ca­men­te de­sa­pa­re­ci­do das fi­nais da Li­ga dos Cam­peões Eu­ro­peus, eli­mi­na­do na mai­or par­te das ve­zes, na fa­se de gru­pos.

Es­ta si­tu­a­ção ser­ve pa­ra ilus­trar a ac­tu­al si­tu­a­ção da nos­sa se­lec­ção prin­ci­pal de bas­que­te­bol, que tem do­mi­na­do a mo­da­li­da­de em Áfri­ca, pra­ti­ca­men­te de for­ma inin­ter­rup­ta des­de 1989. Foi in­ter­rom­pi­da em três oca­siões, se a me­mó­ria não me atrai­çoa.

O de­sai­re de An­ta­na­na­ri­vo, em 2011, o da Tu­ní­sia em 2015, e o mau ar­ran­que no pre­sen­te cam­pe­o­na­to, com uma vitória su­a­da di­an­te do Ugan­da , der­ro­ta di­an­te de Mar­ro­cos, mes­mo ten­do ga­nho o jo­go con­tra a RCA de for­ma fol­ga­da, faz com que mui­tos aman­tes do nos­so bas­que­te­bol ques­ti­o­nem , se es­ta­mos di­an­te do fim da nos­sa he­ge­mo­nia a ní­vel de Áfri­ca.

Os fac­tos apre­sen­ta­dos aci­ma, co­mo mo­ti­vos de in­sa­tis­fa­ção e te­mor de al­guns aman­tes do nos­so bas­que­te­bol, até cer­to pon­to são acei­tá­veis, mas não são in­di­ca­ti­vos de que es­te­ja­mos di­an­te do iní­cio do fim, do do­mí­nio do bas­que­te­bol a ní­vel de Áfri­ca.

Po­de­mos ad­mi­tir que o nos­so bas­que­te­bol es­tá a atra­ves­sar um mau mo­men­to, por­que as an­ti­gas es­tre­las não es­tão a ser de­vi­da­men­te subs­ti­tuí­das, co­mo acon­te­cia no pas­sa­do, sem des­cu­rar o fac­to de que al­gu­mas na­ções es­tão a evo­luir, sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te.

Te­mos, co­mo exem­plo, a Ni­gé­ria que es­tá a apos­tar mui­to for­te no bas­que­te­bol, não só a ní­vel dos se­ni­o­res mas­cu­li­nos, co­mo em fe­mi­ni­no. O pró­prio Se­ne­gal que é o ad­ver­sá­rio de Angola, tam­bém es­tá a evo­luir, sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te.

Por­tan­to, o fac­to das an­ti­gas es­tre­las , que per­dem o bri­lho em fun­ção da ida­de, não es­ta­rem a ser subs­ti­tuí­das em ter­mos de qua­li­da­de téc­ni­ca, na mai­or par­te dos ca­sos, ali­a­do ao fac­to de al­gu­mas equi­pas prin­ci­pais do nos­so cam­pe­o­na­to re­cor­re­rem ao es­tran­gei­ro, pa­ra re­for­ça­re os seus plan­téis, con­tri­bu­em gran­de­men­te pa­ra o mau mo­men­to do nos­so bas­que­te­bol.

Mes­mo as­sim, até 2015, o cin­co na­ci­o­nal foi fi­na­lis­ta ven­ci­do. Nun­ca se deu o ca­so de ser eli­mi­na­da na pri­mei­ra fa­se. Is­to, por si só, in­di­ca cla­ra­men­te que ape­sar de al­gu­mas si­tu­a­ções me­nos bo­as que con­tri­bu­em pa­ra o mau mo­men­to do nos­so bas­que­te­bol. Ain­da as­sim, não há mo­ti­vos pa­ra fa­zer so­ar o alar­me.

Um gran­de exem­plo, de que as gran­des po­tên­ci­as no Mun­do do des­por­to po­dem re­cu­pe­rar-se dos maus mo­men­tos, é o que acon­te­ce com a se­lec­ção de fu­te­bol do Bra­sil, cin­co ve­zes cam­peões do Mun­do. No Mun­di­al de 2014, por si­nal re­a­li­za­do nas ter­ras do Sam­ba, o Bra­sil per­deu o cam­pe­o­na­to de­pois de ser co­pi­o­sa­men­te der­ro­ta­do pe­la Ale­ma­nha, por 7-1, em ple­no Es­tá­dio do Ma­ra­ca­nã.

An­tes dis­so, o es­cre­te ca­na­ri­nho, foi vá­ri­as ve­zes vul­ga­ri­za­do por se­lec­ções te­o­ri­ca­men­te mais fra­cas, e que pa­ra mui­tos pa­re­cia ser o fim do do­mí­nio bra­si­lei­ro. Ago­ra, es­ta­mos a ob­ser­var que o gran­de Bra­sil es­tá de vol­ta aos ve­lhos tem­pos, na cor­ri­da ao Mun­di­al da Rús­sia, pa­ra o qual já es­tá pra­ti­ca­men­te apu­ra­do.

Tu­do is­to, é pos­sí­vel gra­ças ao sur­gi­men­to de no­vas es­tre­las, co­mo Ney­mar e ou­tros. Não nos po­de­mos es­que­cer que o fac­to da mai­or par­te das se­lec­ções do Mun­do do fu­te­bol evo­lui­rem bas­tan­te nos úl­ti­mos anos, tam­bém in­flu­en­ci­a­ram mui­to na for­ma de es­tar da se­lec­ção Bra­si­lei­ra, no mo­sai­co fu­te­bo­lís­ti­co Mun­di­al.

Por is­so, não há ne­ces­si­da­de de pen­sar que o nos­so bas­que­te­bol es­te­ja em fa­se de de­clí­nio, mes­mo que a nos­sa se­lec­ção per­ca o jo­go de lo­go mais, com o Se­ne­gal, não há mo­ti­vo de mui­ta pre­o­cu­pa­ção. Pa­ra ou­tro la­do, os re­sul­ta­dos que o cin­co na­ci­o­nal ob­ti­ver nes­te Afro­bas­ket, de­ve ser­vir de mo­ti­vo de mui­ta re­fle­xão pa­ra os di­ri­gen­tes da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Bas­que­te­bol, pa­ra cor­ri­gir o que es­tá mal e me­lho­rar o que es­tá bem, co­mo soe di­zer se.

KINDALA MA­NU­EL| EDIÇÕES NO­VEM­BRO

AUGUSTO FER­NAN­DES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.