BIANCHI PROMETE NOVA POSTURA

Be­to Bianchi con­fes­sou on­tem es­tar can­sa­do com as ex­pul­sões

Jornal dos Desportos - - PORTADA - PAULO CACULO

Otéc­ni­co do Petro de Luanda, Be­to Bianchi, pro­me­teu on­tem, em de­cla­ra­ções pro­fe­ri­das na con­fe­rên­cia de im­pren­sa de an­te­vi­são ao jo­go de sá­ba­do, di­an­te da Aca­dé­mi­ca do Lobito, mu­dar a sua for­ma de vi­ver o fu­te­bol em Angola.

Ape­sar de ad­mi­tir ser uma mis­são di­fí­cil de cum­prir, por­que gos­ta "des­fru­tar in­ten­sa­men­te do fu­te­bol", o treinador dis­se es­tar can­sa­do das cons­tan­tes ex­pul­sões. Por is­so, as­se­gu­rou que vai pre­fe­rir man­ter­se ca­la­do.

"A par­tir de ho­je 'bo­ca fe­cha­da não en­tra mos­qui­to', vou ter ou­tro ti­po de con­du­ta e re­ac­ção. Mas vou di­zer a ver­da­de, as­sim não des­fru­to do fu­te­bol", con­fes­sou, aos jor­na­lis­tas, o his­pa­no-bra­si­lei­ro, an­tes de es­cla­re­cer as cir­cuns­tân­ci­as que re­sul­ta­ram na de­ci­são do ár­bi­tro An­tó­nio Ca­xa­la, no de­sa­fio di­an­te do 1º de Agos­to.

“Qu­em jo­ga são os jo­ga­do­res, e a au­sên­cia do treinador é me­nos pre­o­cu­pan­te. Eu não de­fen­do, não ata­co e nem mar­co go­los. Tra­ba­lho du­ran­te a se­ma­na e qu­em jo­ga são os jo­ga­do­res”

"Por mais que eu fa­le, não vai ser­vir para na­da. Mas o que eu dis­se ao au­xi­li­ar foi trans­mi­ti­do ao ár­bi­tro que es­ta­va no cen­tro do cam­po. Não vou dis­cu­tir por­que es­tou can­sa­do des­ta his­tó­ria. As ex­pul­sões são nor­mais no fu­te­bol, mas se que­rem dra­ma­ti­zar para apro­vei­ta­rem me­ter mais le­nha na fo­guei­ra, já es­tou acos­tu­ma­do. Não gos­to des­tas coi­sas, mas já es­tou acos­tu­ma­do", pre­ci­sou.

O treinador con­si­de­ra não ter ha­vi­do ra­zões para tan­to ala­ri­do e mui­to me­nos para ter si­do ex­pul­so. Re­fe­riu es­tar ha­bi­tu­a­do os jo­gos com in­ten­si­da­de, man­ten­do-se sem­pre de pé, ao con­trá­rio de ou­tros téc­ni­cos que pre­fe­rem man­te­rem-se sen­ta­dos no ban­co a as­sis­tir as in­ci­dên­ci­as do jo­go.

"No fu­te­bol exis­tem si­tu­a­ções que fa­zem par­te do es­pec­tá­cu­lo, e ca­da um tem uma ma­nei­ra di­fe­ren­te de es­tar no fu­te­bol. Uns pre­fe­rem fi­car sen­ta­do no ban­co du­ran­te to­do o jo­go, mas ou­tros não", ob­ser­vou com um sen­ti­men­to de má­goa pe­la ex­pul­são.

"O ár­bi­tro de­ci­diu ex­pul­sar­me e não sou nin­guém para jul­gar. A pa­la­vra do treinador não ser­ve para na­da. É a pa­la­vra do au­xi­li­ar que vai ter mais for­ça, por­que qu­em es­cre­veu no pa­pel foi ele", acres­cen­tou o téc­ni­co do Petro de Luanda.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre a sua pro­vá­vel au­sên­cia no ban­co de su­plen­tes da equi­pa, fa­ce a ex­pul­são, o treinador mi­ni­mi­zou, res­pon­den­do de for­ma pe­remp­tó­ria que os atletas é que jo­gam, por is­so, acre­di­ta que eles vão man­ter a mes­ma ati­tu­de e res­pon­sa­bi­li­da­de.

"Qu­em jo­ga são os jo­ga­do­res, e a au­sên­cia do treinador é me­nos pre­o­cu­pan­te. Eu não de­fen­do, não ata­co e nem mar­co go­los. Tra­ba­lho du­ran­te a se­ma­na e qu­em jo­ga são os jo­ga­do­res", ati­rou, sem eva­si­vas.

Em re­la­ção ao jo­go di­an­te da Aca­dé­mi­ca, Be­to Bianchi ga­ran­tiu que o Petro não vai mu­dar ab­so­lu­ta­men­te na­da. Mui­to pe­lo con­trá­rio. Afir­mou que "o gru­po es­tá a tra­ba­lhar bem" e lem­brou que ain­da na­da es­tá de­fi­ni­do, por­que exis­tem mui­tos jo­gos e pon­tos por dis­cu­tir.

"Es­ta­mos tran­qui­los, ape­sar de tris­tes pe­la der­ro­ta. Mas a der­ro­ta com o 1º de Agos­to não tem di­fe­ren­ça ne­nhu­ma das ou­tras, o cam­pe­o­na­to es­tá em aber­to e sa­be­mos dis­so. Va­mos fa­zer o nos­so tra­ba­lho e o im­por­tan­te é cum­prir com o nos­so de­ver, ga­nhar os seis jo­gos que fal­tam".

His­pa­no-bra­si­lei­ro do Petro

promete adop­tar uma nova postura nos pró­xi­mos

jo­gos do cam­pe­o­na­to

M. MACHANGONGO | EDIÇÕES NOVEMBRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.