Te­mos fu­tu­ro

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

AO do­mí­nio de Angola no an­de­bol fe­mi­ni­no ao lon­go do tem­po te­ve co­mo ba­se uma po­lí­ti­ca acer­ta­da dos ór­gãos que re­gem o des­por­to na­ci­o­nal, além do in­ves­ti­men­to que os clu­bes fa­zem em prol do de­sen­vol­vi­men­to.

ngo­la vol­tou a dar car­tas ao ní­vel do an­de­bol jú­ni­or fe­mi­ni­no em Áfri­ca ao su­bir ao lu­gar mais al­to do pó­dio no cam­pe­o­na­to afri­ca­no, nu­ma com­pe­ti­ções em ter­mi­nou a pro­va sem so­frer qual­quer der­ro­ta nos se­te jo­gos que dis­pu­tou, o que, des­de já, afas­ta qual­quer dú­vi­da que in­sis­ta, tei­mo­sa­men­te, em per­ma­ne­cer, quan­to ao seu po­de­rio e a sua he­ge­mo­nia na com­pe­ti­ção que te­ve co­mo pal­co a ci­da­de de Abid­jan.

De fac­to, e quan­do cá por ca­sa as aten­ções se cen­tra­vam na in­cer­te­za que en­vol­via uma ou­tra selecção, a sé­ni­or mas­cu­li­na de bas­que­te­bol que no Se­ne­gal, uma das se­des do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no, en­sai­a­va es­tra­té­gi­as para evi­tar o afas­ta­men­to pre­co­ce da pro­va, as me­ni­nas do an­de­bol con­quis­ta­vam o título com um triun­fo con­vin­cen­te so­bre o Egip­to, ao mes­mo tem­po que ga­ran­ti­am a pre­sen­ça no pró­xi­mo Cam­pe­o­na­to do Mun­do.

Na­da que para as an­go­la­nas se­ja es­tra­nho. A igual do "se­te" na­ci­o­nal sé­ni­or, as me­ni­nas de ju­ni­o­res têm uma pe­da­la­da ga­nha­do­ra, e is­so tem per­mi­ti­do marcar pre­sen­ça nos gran­des pal­cos mun­di­ais co­mo dig­nas re­pre­sen­tan­tes do con­ti­nen­te.

Des­sa for­ma, as jo­ga­do­ras ga­nham a ma­tu­ri­da­de com­pe­ti­ti­va para que quan­do che­ga­rem ao es­ca­lão mais al­to en­ca­ra­rem as com­pe­ti­ções com a mai­or na­tu­ra­li­da­de.

O do­mí­nio de Angola no an­de­bol fe­mi­ni­no ao lon­go do tem­po te­ve co­mo ba­se uma po­lí­ti­ca acer­ta­da dos ór­gãos que re­gem o des­por­to na­ci­o­nal, além do in­ves­ti­men­to que os clu­bes fa­zem em prol do de­sen­vol­vi­men­to.

Petro de Luanda, co­mo equi­pa mais ga­nha­do­ra em Áfri­ca, e 1º de Agos­to, ape­nas para ci­tar es­tes, são dois bons exem­plos da for­ma co­mo o an­de­bol de­ve ser tra­ta­do, tan­to na ver­ten­te com­pe­ti­ti­va co­mo no que diz res­pei­to à or­ga­ni­za­ção.

Abid­jan pa­re­ce ser um ta­lis­mã para o an­de­bol an­go­la­no. Nes­ta al­tu­ra, a selecção na­ci­o­nal de ca­de­tes lá par­ti­ci­pa, tam­bém, no cam­pe­o­na­to afri­ca­no, nu­ma pro­va em que dei­xou bons in­di­ca­ti­vos nos dois pri­mei­ros jo­gos.

As me­ni­nas mais no­vos cer­ta­men­te que pre­ten­dem se­guir as peu­ga­das das ir­mãs mais ve­lhas, se­ni­o­res e ju­ni­o­res, e mos­trar que o do­mí­nio de Angola em Áfri­ca é em to­dos os es­ca­lões.

De­pois da sua vi­tó­ria na pri­mei­ra jor­na­da do cam­pe­o­na­to de Áfri­ca das Na­ções de Ca­de­tes so­bre RDC, se­gui­da da fol­ga, ter­ça-fei­ra, Angola ven­ceu ho­je (quar­ta-fei­ra) a Ar­gé­lia, por 36-18 na ter­cei­ra jor­na­da da pro­va que de­cor­re em Abid­jan.

As an­go­la­nas re­va­li­da­ram o título con­ti­nen­tal ao ven­ce­rem na úl­ti­ma jor­na­da o Egip­to, por 29-19.

Es­ta clas­si­fi­ca­ção ga­ran­tiu pre­sen­ça no pró­xi­mo cam­pe­o­na­to do mun­do da ca­te­go­ria, a par da se­gun­da e ter­cei­ra clas­si­fi­ca­das da com­pe­ti­ção.

As an­go­la­nas con­ser­va­ram o tro­féu sem aver­bar qual­quer der­ro­ta nos se­te jo­gos dis­pu­ta­dos.As an­go­la­nas con­ser­va­ram o tro­féu sem aver­bar qual­quer der­ro­ta nos se­te jo­gos dis­pu­ta­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.