Des­fe­cho anun­ci­a­do

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

O país in­tei­ro e ou­tros adep­tos da mo­da­li­da­de, es­pe­ra­vam mais, da nos­sa se­lec­ção; es­pe­ra­vam por mais e me­lhor basquetebol, de uma se­lec­ção que de­tém na­da mais, na­da me­nos, que 11 tí­tu­los con­ti­nen­tais

Em­bo­ra não fos­se uma cer­te­za, era qua­se pre­vi­sí­vel que a Se­lec­ção Na­ci­o­nal de basquetebol sé­ni­or mas­cu­li­na, di­fi­cil­men­te che­gas­se à fi­nal e ven­ces­se o Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no da mo­da­li­da­de, vul­go Afro­bas­ket, que on­tem ter­mi­nou com a con­sa­gra­ção daTu­ní­sia. O seu de­sem­pe­nho, na pri­mei­ra fa­se da com­pe­ti­ção, era sin­to­má­ti­co de des­cren­ça no "cin­co" na­ci­o­nal, ape­sar de que a es­pe­ran­ça é sem­pre a úl­ti­ma a mor­rer.

Tal­vez, não se es­pe­ras­se que An­go­la fos­se afas­ta­da da for­ma co­mo foi, ou se­ja, lo­go nos quar­tos -de -fi­nal, não obs­tan­te di­an­te de um ad­ver­sá­rio da es­ta­le­ca do Se­ne­gal. Per­der pa­ra o Se­ne­gal não era coi­sa de ou­tro mun­do, até por­que era uma das equi­pas que es­ta­vam na lu­ta pe­lo tí­tu­lo do afri­ca­no. O problema foi per­der, sem es­for­ço, sem de­di­ca­ção, e sem pai­xão pe­lo jo­go, nu­ma mo­da­li­da­de que bem co­nhe­ce­mos e sem­pre do­mi­na­mos.

O país in­tei­ro e ou­tros adep­tos da mo­da­li­da­de, es­pe­ra­vam mais, da nos­sa se­lec­ção; es­pe­ra­vam por mais e me­lhor basquetebol, de uma se­lec­ção que de­tém na­da mais, na­da me­nos, que 11 tí­tu­los con­ti­nen­tais. Não foi, o que o nos­so país mos­trou des­de o iní­cio do cam­pe­o­na­to, até ao afas­ta­men­to pre­co­ce.

Quan­do se es­tre­ou di­an­te do Ugan­da, ape­sar da vi­tó­ria, al­gu­ma coi­sa di­zia que di­fi­cil­men­te An­go­la che­ga­ria lá. A im­pren­sa lo­cal e in­ter­na­ci­o­nal, os "opi­ni­on ma­kers" e o pú­bli­co fi­ze­ram co­men­tá­ri­os des­fa­vo­rá­veis à ac­tu­a­ção dos an­go­la­nos, que na­que­le jo­go até me­re­ci­am per­der, por tu­do o que não fi­ze­ram e por aqui­lo que os ugan­de­ses de­mons­tra­ram.

Nos jo­gos se­guin­tes, as exi­bi­ções nun­ca fo­ram con­vin­cen­tes (di­an­te de Mar­ro­cos e RCA) e a qua­li­fi­ca­ção à fa­se se­guin­te, quar­tos -de -fi­nal, de­via ser­vir de ele­men­to mo­ti­va­dor pa­ra uma cam­pa­nha mais con­se­quen­te. Ao in­vés dis­so, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal não me­lho­rou a pos­tu­ra e pa­gou uma fac­tu­ra al­ta.

A der­ro­ta di­an­te do Se­ne­gal e o con­se­quen­te afas­ta­men­to, foi co­mo que a cró­ni­ca de uma "mor­te anun­ci­a­da". Tal­vez, o que a mai­o­ria das pes­so­as não es­pe­ra­va, era ver a se­lec­ção mais ti­tu­la­da fi­car pe­lo ca­mi­nho de mo­do pre­ma­tu­ro, e mos­trar-se im­po­ten­te a de­fen­der o pres­tí­gio cons­truí­do ao lon­go de anos de tra­ba­lho in­ten­so.

Des­ta for­ma, An­go­la só po­de quei­xar-se de si, so­bre­tu­do, pe­lo ama­do­ris­mo de­mons­tra­do pe­la di­rec­ção da Fe­de­ra­ção, que por tei­mo­sia e ca­pri­cho dos seus di­ri­gen­tes, só te­ve ou­vi­dos pa­ra si mes­ma, ig­no­rou con­se­lhos que po­di­am li­vrar a se­lec­ção da pres­ta­ção in­fe­liz.

Co­mo con­so­lo, res­ta à Se­lec­ção Na­ci­o­nal tra­ba­lhar e de for­ma di­fe­ren­te, es­pe­rar que a di­rec­ção da Fe­de­ra­ção fa­ça a aná­li­se de tu­do quan­to in­flu­en­ci­ou pa­ra o des­fe­cho, que dei­xou uma vez mais An­go­la fo­ra da dis­pu­ta do tí­tu­lo, a exem­plo de 2011 e 2015.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.