KILAMBA ADVOGA APOS­TA NA FOR­MA­ÇÃO

An­ti­go se­lec­ci­o­na­dor as­se­gu­ra que a for­ma­ção é a saí­da pa­ra che­gar à ex­ce­lên­cia

Jornal dos Desportos - - PORTADA - GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LUBANGO

Ose­cre­tá­rio-ge­ral da As­so­ci­a­ção de Trei­na­do­res de Fu­te­bol de Angola, Jo­sé Kilamba, re­co­nhe­ceu on­tem no Lubango, à mar­gem do cur­so de ní­vel I que de­cor­re nes­ta ci­da­de, que o des­por­to­rei no país “não es­tá mui­to bem”, pre­ci­sa de pes­so­as com sa­pi­ên­cia ne­ces­sá­ria pa­ra con­du­zi­rem a mo­da­li­da­de à ex­ce­lên­cia pre­ten­di­da.

Jo­sé Kilamba ar­gu­men­tou que a re­a­li­za­ção de ac­ções for­ma­ti­vas é um dos pas­sos en­con­tra­dos pe­la As­so­ci­a­ção, pa­ra aju­dar a me­lho­rar o fu­te­bol na­ci­o­nal. No en­ten­der do an­ti­go se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal de Sub-20 e de hon­ras, es­sas ini­ci­a­ti­vas vão ser mo­ni­to­ra­das sem­pre pe­la As­so­ci­a­ção de Trei­na­do­res, e adi­an­tou que no país é da­da pou­ca aten­ção ao fu­te­bol de for­ma­ção.

Re­ve­lou que mai­or par­te dos for­man­dos, es­tão mais li­ga­dos ao fu­te­bol de for­ma­ção. Por is­so, de­fen­deu que quem tra­ba­lha com cri­an­ças e de­tec­ta ta­len­tos, de­ve ser uma pes­soa com sa­pi­ên­cia, visão, ex­pe­ri­ên­cia pal­pá­vel e ex­pe­ri­ên­ci­as da­das.

Jo­sé Kilamba des­ta­cou que o des­por­to é pa­ra pes­so­as que sa­bem di­ri­gir, con­du­zir, for­mar, sa­bem com­pre­en­der de que o ho­mem é um ani­mal ra­ci­o­nal, cu­ja con­du­ta pre­ci­sa ser mol­da­da.

In­for­mou, que es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as são as que tam­bém a As­so­ci­a­ção pro­cu­ra trans­mi­tir aos for­man­dos e trei­na­do­res, pa­ra que ama­nhã se sin­tam jo­vens ca­pa­zes de con­du­zir qual­quer pro­ces­so de trei­no a ní­vel do país.

Kilamba acre­di­ta, que quan­do o cur­so ter­mi­nar, os for­man­dos pas­sam a ter ca­pa­ci­da­de pa­ra exer­cer as fun­ções de trei­na­do­res.“Se a me­mó­ria não me atrai­çoa, de­ve­mos ter nes­te cur­so cer­ca de 30 por cen­to de trei­na­do­res. Mas são trei­na­do­res que não têm as de­vi­das qua­li­fi­ca­ções. En­tão, eles pa­ra se­rem trei­na­do­res co­mo tal, têm de ter es­sas qua­li­fi­ca­ções. Se es­ses 30 por cen­to que aí es­tão já são trei­na­do­res, o que es­pe­ra­mos é aju­da­los a te­rem es­tas qua­li­fi­ca­ções pa­ra que se sin­tam mais se­gu­ros na ac­ti­vi­da­de em que eles es­tão en­vol­vi­dos, que por ca­ro­li­ce en­tra­ram pa­ra o des­por­to”, dis­se.

Re­fe­riu que nos di­as de ho­je, o des­por­to não é pa­ra ca­ro­las. Jo­sé Kilamba des­ta­cou que o des­por­to é pa­ra pes­so­as que sa­bem di­ri­gir, con­du­zir, for­mar, sa­bem com­pre­en­der de que o ho­mem é uma ani­mal ra­ci­o­nal, cu­ja con­du­ta pre­ci­sa de ser mol­da­da.

“É is­to, que nós te­mos e es­ta­mos a fa­zer, pa­ra que te­nha­mos bons re­sul­ta­dos no fu­tu­ro no fu­te­bol na­ci­o­nal”, de­fen­deu.

ELO­GIO

Kilamba des­ta­cou o fac­to dos can­di­da­tos es­ta­rem ávi­dos de se­rem con­si­de­ra­dos trei­na­do­res. Anun­ci­ou, que o cur­so é pre­sen­ci­al, e os for­man­dos têm de cum­prir com to­das as nor­mas aca­dé­mi­cas e cur­ri­cu­la­res. Acres­cen­tou que to­do o ele­men­to que es­ti­ver nes­ta con­di­ção, tem em prin­cí­pio, di­rei­to a um cer­ti­fi­ca­do de par­ti­ci­pa­ção. Mas pa­ra o di­plo­ma, anun­ci­ou Jo­sé Kilamba, vão ob­ter so­men­te aque­les que apro­va­rem ou ti­ver bom apro­vei­ta­men­to no fim do cur­so.

“Es­ta é a ati­tu­de e res­pon­sa­bi­li­da­de da As­so­ci­a­ção de Trei­na­do­res de Fu­te­bol de Angola. Te­mos a mis­são de pas­sar aos for­man­dos es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de. Se agir­mos de ma­nei­ra sé­ria, tam­bém va­mos ter um des­por­to sé­rio. Se agir­mos com as fa­ci­li­da­des que an­dam por aí, nos sec­to­res da nos­sa vi­da, en­tão, nós não es­ta­mos a fa­zer na­da”, apon­tou.

Jo­sé Kilamba de­fen­de trei­na­do­res qua­li­fi­ca­dos pa­ra aju­da­rem na me­lho­ria do des­por­to -rei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.