O Pre­si­den­te João Lou­ren­ço e o des­por­to an­go­la­no

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FERNANDES

O des­por­to em Angola é, e vai con­ti­nu­ar a ser al­vo de de­ti­da aten­ção do Che­fe do Exe­cu­ti­vo, em qual­quer épo­ca en­quan­to es­te mun­do con­ti­nu­ar co­mo é, com mu­dan­ças pe­rió­di­cas de go­ver­nan­tes.

Foi as­sim, com An­tó­nio Agos­ti­nho Neto, co­mo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de 1975 a 1979, ten­do da­do os pri­mei­ros pas­sos pa­ra a mas­si­fi­ca­ção do des­por­to em Angola, com Jo­sé Edu­ar­do dos Santos que ge­riu a vi­da po­lí­ti­ca do país, du­ran­te os úl­ti­mos 38 anos.

No es­pa­ço de qua­tro anos, em que Agos­ti­nho Neto es­te­ve no co­man­do dos des­ti­nos do país, lan­çou as se­men­tes pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do des­por­to an­go­la­no ao in­cul­car na men­te do seu Exe­cu­ti­vo, a im­por­tân­cia do des­por­to na vi­da do ci­da­dão.

Foi as­sim, que mo­da­li­da­des co­mo o andebol, cu­ja Fe­de­ra­ção é a mais an­ti­ga do país com cer­ca de 42 anos de exis­tên­cia, a do basquetebol e do fu­te­bol fo­ram ime­di­a­ta­men­te re­lan­ça­das de­pois da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

Com Jo­sé Edu­ar­do dos Santos a con­du­zir os des­ti­nos do país, e o seu in­can­sá­vel em­pe­nho, o des­por­to an­go­la­no ga­nhou no­vo fô­le­go. As­sim, ao lon­go dos 38 anos de pre­si­dên­cia, o andebol foi a mo­da­li­da­de mais pres­ti­gi­a­da e ser­ve de gran­de car­tão de vi­si­tas do país, com cin­co par­ti­ci­pa­ções em Jo­gos Olím­pi­cos, te­ve co­mo me­lhor clas­si­fi­ca­ção a ní­vel de cam­pe­o­na­tos do mun­do, o sé­ti­mo lu­gar.

A ní­vel de mun­di­ais, o nos­so andebol fe­mi­ni­no tem 13 par­ti­ci­pa­ções, e te­ve co­mo me­lhor clas­si­fi­ca­ção, tam­bém o sé­ti­mo lu­gar. A ní­vel de Áfri­ca, as “nos­sas se­nho­ras” do­mi­nam cla­ra­men­te, quer a ní­vel de se­lec­ções, com 12 tí­tu­los con­ti­nen­tais, quer a ní­vel de clu­bes, com o Pe­tro de Lu­an­da a os­ten­tar mais de 40 tí­tu­los, no con­jun­to de ta­ças dos clu­bes cam­peões e a Ba­ba­car Falls.

Pa­ra es­ta gran­de­za do nos­so andebol, con­tri­buí­ram gran­de­men­te no­mes co­mo o de Fran­cis­co An­tó­nio de Al­mei­da, Be­to Fer­rei­ra, Pal­mi­ra Bar­bo­sa, Nair de Al­mei­da, Fi­lo­me­na Trin­da­de, Ilda Ben­gue, Be­le­zu­ra e ou­tras.

O basquetebol, sur­ge co­mo a se­gun­da mo­da­li­da­de, mais pres­ti­gi­a­da do país com 11 tí­tu­los con­ti­nen­tais e vá­ri­as par­ti­ci­pa­ções em Jo­gos Olím­pi­cos e Mun­di­ais, em­bo­ra, nos úl­ti­mos qua­tro anos es­te­ja a per­der ter­re­no pa­ra se­lec­ções co­mo a Ni­gé­ria, Se­ne­gal e Tu­ní­sia.Pa­ra es­te fei­to, con­tri­buí­ram vá­ri­os per­so­na­gens com des­ta­que pa­ra Vitorino Cu­nha, Má­rio Pal­ma, Wla­de­mi­ro Ro­me­ro, Má­rio Octávio, Jo­sé Assis, Jo­sé Carlos Guimarães, Je­an Jac­ques, Lu­ton­da, Nel­son Sar­di­nha, Ân­ge­lo Vic­to­ri­a­no e mui­tos ou­tros.

O fu­te­bol, que é a mo­da­li­da­de pre­di­lec­ta do ex-pre­si­den­te da Re­pu­bli­ca, e que tu­do fez pa­ra co­lo­car en­tre os me­lho­res de Áfri­ca, po­de con­si­de­rar-se co­mo a mo­da­li­da­de mais in­gra­ta, em fun­ção do em­pe­nho pes­so­al que dos Santos fez com re­la­ção a ela, que po­de ser con­si­de­ra­da a prin­ci­pal “re­li­gião” do país.

En­quan­to Pre­si­den­te da Re­pu­bli­ca, o amor de Dos Santos ao fu­te­bol foi tão gran­de que du­ran­te o seu man­da­to tu­do fez, pa­ra or­ga­ni­zar um dos me­lho­res se não o me­lhor Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções que o con­ti­nen­te afri­ca­no já viu, is­so, em 2010.

Pa­ra a re­a­li­za­ção do re­fe­ri­do cam­pe­o­na­to das na­ções, o país cons­truiu qua­tro no­vos Es­tá­di­os de raiz, com des­ta­que pa­ra o Es­tá­dio 11 de No­vem­bro em Lu­an­da, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 50 mil al­mas sen­ta­das, além de ou­tras obras gi­gan­tes­cas, pa­ra a re­a­li­za­ção do re­fe­ri­do even­to.

Não te­mos dú­vi­das, de que pe­lo fac­to de ser a mo­da­li­da­de pre­di­lec­ta da mai­or par­te dos an­go­la­nos, o fu­te­bol foi a mo­da­li­da­de que mais di­nhei­ro gas­tou dos co­fres do Es­ta­do, e pra­ti­ca­men­te não com­pen­sou a na­ção, na de­vi­da pro­por­ção, em­bo­ra, ti­ves­se ido a um Mun­di­al em 2006, na Ale­ma­nha, e con­quis­tas­se qua­tro ta­ças da Co­sa­fa, com­pe­ti­ção em que não des­fi­lam equi­pas co­mo os Ca­ma­rões, Gha­na, Ni­gé­ria, Cos­ta do Mar­fim e ou­tras se­lec­ções co­ta­das do con­ti­nen­te afri­ca­no.

Ape­sar dos in­su­ces­sos do nos­so fu­te­bol, dos Santos pa­ci­en­te­men­te sem­pre acom­pa­nhou de per­to o fu­te­bol an­go­la­no, quer a ní­vel da Se­lec­ção Na­ci­o­nal, quer do Gi­ra­bo­la, foi ele quem fez a en­tre­ga da ta­ça de pri­mei­ro cam­peão na­ci­o­nal de fu­te­bol de Angola, de­pois da In­de­pen­dên­cia, a Lou­ren­ço, an­ti­go ca­pi­tão do 1º de Agos­to, em 1979.

A ní­vel da Se­lec­ção Na­ci­o­nal, o nos­so fu­te­bol não vin­gou em ter­mos de Gi­ra­bo­la, o nos­so cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal, in­ter­ca­lou bons com maus mo­men­tos. O pri­mei­ro bom mo­men­to foi de 1979 a 1990, com do­mí­nio ini­ci­al do 1º de Agos­to, com três tí­tu­los se­gui­dos, dois tí­tu­los pa­ra o 1º de Maio, e sete pa­ra o Pe­tro de Lu­an­da.

Na­que­le pe­río­do, se­gun­do a opi­nião da mai­or par­te dos aman­tes do nos­so fu­te­bol, des­pon­ta­ram as me­lho­res es­tre­las do nos­so fu­te­bol, co­mo são os ca­sos de Ân­ge­lo, Na­po­leão, To Zé, Car­na­val, Gar­cia, San­to An­tó­nio, Ndun­gui­di, Al­ves, Edu­ar­do Ma­cha­do, Ge­o­ve­te, Quim, Chiby, Je­sus, Ma­vó, Praia, San­ti­nho, Sar­men­to, Chi­co Afon­so e mui­tos ou­tros.

Com a cri­se eco­nó­mi­ca que o Mun­do es­ta a vi­ver des­de 2015, o fu­tu­ro do fu­te­bol an­go­la­no es­tá ame­a­ça­do, pois, a ní­vel do cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal boa par­te das equi­pas não tem ac­ti­vos, pa­ra con­ti­nu­ar a dis­pu­tá-lo. Ac­tu­al­men­te, a fal­ta­rem cin­co jor­na­das pa­ra o fim, uma equi­pa já de­sis­tiu do Gi­ra­bo­la, e qua­tro es­tão à bei­ra de se­guir o mes­mo ca­mi­nho. O que se­rá da Se­lec­ção Na­ci­o­nal por es­te an­dar da car­ru­a­gem?

Ou­tras mo­da­li­da­des, co­mo o hó­quei em pa­tins, atle­tis­mo pa­ra­lím­pi­co, com Jo­sé Sayo­vo em des­ta­que, bo­xe, xa­drez e o ciclismo têm da­do um ar da sua gra­ça, com mai­or re­al­ce pa­ra o hó­quei em pa­tins que ocu­pou a 5ª po­si­ção no úl­ti­mo Mun­di­al da mo­da­li­da­de.

Em sín­te­se, es­te é o le­ga­do de Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, des­por­ti­va­men­te fa­lan­do. Por­tan­to, em fun­ção dos da­dos, a ques­tão é: O que se po­de es­pe­rar do no­vo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, em ter­mos de apoio ao des­por­to An­go­la­no?

A ter em con­ta, o fac­to de ele mes­mo ser um des­por­tis­ta li­ga­do às ar­tes mar­ci­ais (os ka­ra­te­cas po­dem ga­bar-se de te­rem co­mo com­pa­nhei­ro tão ilus­tre fi­gu­ra), e ter ain­da em aten­ção a im­por­tân­cia do des­por­to na vi­da das po­pu­la­ções, e a for­ça que o des­por­to exer­ce na união da na­ção, po­de­mos acre­di­tar que o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço vai se­guir o exem­plo do an­te­ces­sor, apoi­ar ac­ti­va­men­te o des­por­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.