O po­der de Bi­an­chi na FAF

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - POLICARPO DA RO­SA

“O que me pre­o­cu­pa, não é o gri­to dos cor­rup­tos, dos vi­o­len­tos, dos de­so­nes­tos, dos sem ca­râc­ter, dos sem éti­ca. O que me pre­o­cu­pa, é o si­lên­cio dos bons”. Mar­tin Luther King. Es­te in­trói­to tem a ver com a sus­pen­são por par­te da FAF, do cas­ti­go de 30 di­as im­pos­to pe­lo Con­se­lho de Dis­ci­pli­na do mes­mo or­ga­nis­mo, ao trei­na­dor do Pe­tro de Lu­an­da, Be­to Bi­an­chi.

O ges­to do his­pa­no -bra­si­lei­ro cons­ta do re­la­tó­rio do juiz An­tó­nio Ca­xa­la, que re­ve­lou ha­ver "um le­ve to­que do de­do em ris­te do trei­na­dor ao pri­mei­ro as­sis­ten­te, em si­nal de des­con­ten­ta­men­to" à or­dem de ex­pul­são que re­ce­beu aos 59 mi­nu­tos de jo­go, en­tre a equi­pa do ei­xo - viá­rio e o 1º de Agos­to.

Jor­ge Má­rio Fernandes, pre­si­den­te do Con­se­lho Cen­tral de Ar­bi­tra­gem da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, an­tes do cas­ti­go dis­se que tu­do ia de­pen­der do que for es­cri­to pe­lo ár­bi­tro no seu re­la­tó­rio so­bre o jo­go, pe­lo que "o trei­na­dor po­de be­ne­fi­ci­ar de uma ate­nu­an­te, ser pu­ni­do com al­guns jo­gos de cas­ti­go, ou pa­gar uma mul­ta".

O lí­der dos ár­bi­tros acres­cen­tou ain­da, que não exis­tia uma pu­ni­ção es­pe­cí­fi­ca, pois, tu­do es­ta­va de­pen­den­te das san­ções dos ca­sos e da gra­vi­da­de, já que no ca­so do téc­ni­co Be­to Bi­an­chi cons­ta­va que "te­ve al­gu­mas ati­tu­des mes­mo após ser ex­pul­so" do banco da equi­pa.

O trei­na­dor, an­tes de aban­do­nar o banco, es­te­ve a ges­ti­cu­lar com o as­sis­ten­te. Num des­tes ges­tos to­cou com o de­do in­di­ca­dor na tes­ta do au­xi­li­ar de An­tó­nio Ca­xa­la, ati­tu­de que na opi­ni­ao de Jor­ge Má­rio Fernandes de­via me­re­cer uma san­ção dis­ci­pli­nar.

Foi com ba­se nes­sa ati­tu­de do trei­na­dor, que o Con­se­lho de Dis­ci­pli­na da FAF o san­ci­o­nou com a pe­na de 30 di­as. Pe­na que o le­va a fa­lhar qua­tro dos cim­co jo­gos, que res­tam pa­ra o fi­nal do Gi­ra­bo­la. Con­tu­do, quan­do me­nos se es­pe­ra­va, o Con­se­lho Ju­ri­dis­ci­o­nal da FAF op­tou por anu­lar a san­ção, de­pois do Pe­tro de Lu­an­da in­terpôr re­cur­so. A per­gun­ta que co­lo­co é a se­guin­te: qual o po­der, de Be­to Bi­an­chi e do Pe­tro de Lu­an­da, na FAF?

Per­gun­to, por­que é in­con­ce­bí­vel a ati­tu­de to­ma­da pe­lo Con­se­lho Ju­ri­dis­ci­o­nal da FAF, por­que Be­to Bi­an­chi é usei­ro e ve­zei­ro nas su­as ac­ções de fal­tas de res­pei­to, pa­ra com os or­ga­nis­mo na­ci­o­nais. A sua ati­tu­de ne­ga­ti­va no jo­go com o 1º de Agos­to, não foi a pri­mei­ra, e es­tou con­vic­to que não vai ser a úl­ti­ma.

Ali­as, ele faz o que bem quer, por­que sa­be que não se­rá san­ci­o­na­do. Es­tá pro­te­gi­do, por­que “co­lo­cou” os Pa­lan­cas Ne­gras na al­ta ro­da das vi­tó­ri­as. Uma in­ver­da­de que só o ac­tu­al elen­co da FAF não sa­be. Aliás, Ar­tur de Al­mei­da es­tá mui­to sa­tis­fei­to por Be­to Bi­an­chi ter co­lo­ca­do Angola na fa­se fi­nal do CHAN. Co­mo se fos­se um ca­so iné­di­to.

Um ca­so pa­re­ci­do acon­te­ceu em Es­pa­nha. Cris­ti­a­no Ro­nal­do foi sus­pen­so por cin­co jo­gos, na sequên­cia das ocor­rên­ci­as vi­vi­das du­ran­te um jo­go com o Bar­ce­lo­na, a con­tar pa­ra a 1ª mão da Supertaça. O jo­ga­dor foi ex­pul­so, de­pois de uma que­da na área ad­ver­sá­ria. Na sequên­cia da de­ci­são da ex­pul­são, Cris­ti­a­no Ro­nal­do deu um em­pur­rão ao ár­bi­tro. O ár­bi­tro do jo­go, Ri­car­do de Bur­gos es­cre­veu no seu re­la­tó­rio que o jo­ga­dor por­tu­guês o “em­pur­rou li­gei­ra­men­te, em si­nal de des­con­ten­ta­en­to”. O Re­al Ma­drid re­cor­reu e ti­nha es­pe­ran­ças que a san­ção fos­se le­van­ta­da. Con­tu­do, o Co­mi­té de Ape­lo man­te­ve o cas­ti­go ini­ci­al.

In­fe­liz­men­te, no ca­so de Be­to Bi­an­chi a pos­tu­ra da FAF foi di­fe­ren­te. Ce­deu ao re­cur­so in­ter­pos­to pe­lo seu clu­be, o Pe­tro de Lu­an­da, tal­vez por “em­pres­tar” o téc­ni­co. Uma ati­tu­de le­vi­a­na, por­que a um ou­tro téc­ni­co, o do Re­cre­at­vo do Li­bo­lo, a san­ção foi bem mais pe­sa­da. Uns são fi­lhos e ou­tros en­te­a­dos.

De­ve-se exi­gir mais res­pei­to e pon­de­ra­ção aos res­pon­sá­veis dos clu­bes e aos trei­na­do­res, na abor­da­gem do tra­ba­lho dos ár­bi­tros. Não se de­ve ofen­der, mo­ral­men­te, as pes­so­as quan­do es­tão er­ra­das. Exis­tem mei­os pró­pri­os pa­ra a re­so­lu­ção de ca­sos, quan­do os trei­na­do­res e di­ri­gen­tes se sin­tam pre­ju­di­ca­dos.

O com­por­ta­men­to de­cep­ci­o­nan­te, co­mo o pro­ta­go­ni­za­do por Be­to Bi­an­chi e que a FAF pre­ten­de es­con­der, tem de ser al­te­ra­do pa­ra o bem do fu­te­bol na­ci­o­nal. Não é acei­tá­vel, que se con­ti­nu­em a jus­ti­fi­car fa­lhas de ob­jec­ti­vos des­por­ti­vos com as de­ci­sões dos ár­bi­tros, co­mo acon­te­ceu com Be­to Bi­an­chi.

A ati­tu­de do Con­se­lho Ju­ri­dis­ci­o­nal, de anu­lar o cas­ti­go de Be­to Bi­an­chi, abriu um pre­ce­den­te que po­de tra­zer con­sequên­ci­as no fu­tu­ro. Em mi­nha opi­nião, mui­to pes­so­al, pen­so que os tri­bu­nais des­por­ti­vos de­vem adop­tar me­di­das duras, po­rém, pro­por­ci­o­nais e co­e­ren­tes pa­ra que ou­tros trei­na­do­res pen­sem du­as ve­zes, an­tes de to­ma­rem cer­tas ati­tu­des.

Pe­ran­te a ati­tu­de do Con­se­lho Ju­ri­dis­ci­o­nal da FAF, o que pai­ra ago­ra na men­te dos ár­bi­tros? Não foi uma fal­ta de res­pei­to ao seu tra­ba­lho? Eles não são fa­lí­veis, é ver­da­de. E, to­dos sa­bem dis­so.O fu­te­bol na­ci­o­nal já não es­tá no pon­to de acei­tar as des­cul­pas an­ti­gas e tão gas­tas, co­mo “a cul­pa foi do ár­bi­tro”.

Quem pre­va­ri­cou de­ve ser cas­ti­ga­do. E, to­dos os an­go­la­nos vi­ram, que Be­to Bi­an­chi pre­va­ri­cou. Lo­go ,de­ve ser san­ci­o­na­do. Che­ga de com­pa­dri­os. Não che­ga os 1.500 mil (Um Mi­lhão e Qui­nhen­tos mil kz) Kwan­zas que re­ce­be pa­ra trei­nar os Pa­lan­cas Ne­gras?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.