Räikkö­nen ne­ga afas­ta­men­to

Pi­lo­to acre­di­ta na re­cu­pe­ra­ção da sua for­ma­ção nes­ta pon­ta fi­nal

Jornal dos Desportos - - MODALIDADES -

Ki­mi Räikkö­nen ne­gou que a Fer­ra­ri te­nha per­di­do ter­re­no pa­ra a Mer­ce­des na tem­po­ra­da 2017. Após o du­plo aban­do­no de Sin­ga­pu­ra, a equi­pa ita­li­a­na ago­ra tem 102 pon­tos de atraso pa­ra a ri­val de Brac­kley no Mun­di­al de Cons­tru­to­res.

Com ape­nas mais seis cor­ri­das no ca­len­dá­rio do Mun­di­al, a equi­pa de Brac­kley li­de­ra o Mun­di­al de Cons­tru­to­res com 102 pon­tos de van­ta­gem pa­ra a ri­val de Ma­ra­nel­lo.

Na eta­pa pas­sa­da, em Sin­ga­pu­ra, a du­pla da Fer­ra­ri viu a cor­ri­da ter­mi­nar an­tes mes­mo da pri­mei­ra cur­va e, gra­ças à vi­tó­ria em Ma­ri­na Bay, Lewis Ha­mil­ton abriu 28 pon­tos de van­ta­gem pa­ra Se­bas­ti­an Vet­tel no Mun­di­al de Pi­lo­tos.

On­tem, Räikkö­nen foi ques­ti­o­na­do em Se­pang se a Mer­ce­des ga­nhou van­ta­gem em re­la­ção a Fer­ra­ri após a pau­sa de ve­rão, mas cre­di­tou à per­for­man­ce as di­fe­ren­tes pis­tas.

“Em Sin­ga­pu­ra, Se­bas­ti­an foi pri­mei­ro e eu fui quar­to na classificação, en­tão se vo­cê comprar com a Mer­ce­des, nós fo­mos me­lho­res”, dis­se Räikkö­nen. “Aí nós ba­si­ca­men­te não cor­re­mos”, se­guiu.

“Não sei por que vo­cê olha pa­ra es­sas coi­sas de uma ma­nei­ra tão ne­ga­ti­va. Tem al­tos e bai­xos, al­guns cir­cui­tos são me­lho­res pa­ra vo­cê, ou­tros pa­ra os ou­tros ca­ras, mas é uma his­tó­ria nor­mal e têm mui­tas ra­zões pa­ra is­so”, pon­de­rou. “A tem­po­ra­da to­da é uma tem­po­ra­da e vo­cê con­ta os pon­tos no fi­nal. Não tem sen­ti­do olhar uma cor­ri­da aqui e ou­tra ali. É no fim do ano to­do que con­ta”, fri­sou. Na vi­são do fin­lan­dês, es­ta ten­dên­cia vai se­guir até o fi­nal do ano, co­me­çan­do pe­lo GP da Ma­lá­sia des­te fim de se­ma­na.

“Nós es­pe­ra­mos o me­lhor. Ama­nhã te­re­mos al­gu­ma ideia, mas, pa­ra ser ho­nes­to, em al­guns fins de se­ma­na, as coi­sas co­me­çam de uma ma­nei­ra um pou­co me­lhor e di­rec­ta e tu­do fi­ca mais fá­cil e em ou­tros vo­cê tem de sofrer um pou­co pa­ra en­con­trar o me­lhor ca­mi­nho”, ex­pli­cou. “Mas aí quan­do che­ga sá­ba­do ou do­min­go, nor­mal­men­te está tu­do bem”, se­guiu.

“É im­pos­sí­vel re­al­men­te res­pon­der. Sin­to que de­ve­mos es­tar ok aqui, mas pos­so es­tar cer­to ou er­ra­do”, con­cluiu

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.