Co­mo pa­rar o sur­to?

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - TEIXEIRA CÂN­DI­DO

De­sis­tên­cia do Gi­ra­bo­la? É al­gu­ma no­vi­da­de? Se­gu­ra­men­te que não. É a mú­si­ca das úl­ti­mas edições da pro­va mai­or do fu­te­bol na­ci­o­nal. Se­ria se es­ti­vés­se­mos já a re­flec­tir em tor­no da so­lu­ção en­con­tra­da. Pois o cal­vá­rio de equi­pas que se apre­sen­tam na pro­va, e me­ses de­pois põem-se a cho­rar aos qua­tros ven­tos é de lon­ga da­ta. Do to­po a ba­se, se con­si­de­rar­mos o ASA uma equi­pa do to­po, ain­da que cir­cuns­tan­ci­al­men­te, se­ja ho­je uma equi­pa hí­bri­da.

É ain­da de me­mó­ria fres­ca a fal­ta de com­pa­rên­cia da Aca­dé­mi­ca do Soyo, em ca­sa, nu­ma al­tu­ra em que o seu ad­ver­sá­rio (In­ter­clu­be) dis­pu­ta­va com o 1º de Agos­to o tí­tu­lo do Gi­ra­bo­la. Por­tan­to, es­sas có­li­cas cí­cli­cas pre­ju­di­cam não ape­nas a ima­gem da com­pe­ti­ção, co­mo a sua ver­da­de des­por­ti­va. O exem­plo da Aca­dé­mi­ca fa­la por si.

O 1º de Agos­to sen­tiu-se gra­ve­men­te pre­ju­di­ca­do, as­sim co­mo os adep­tos de­frau­da­dos com a ati­tu­de dos es­tu­dan­tes.

JGM anun­ci­ou es­tar in­ca­paz de ter­mi­nar a pro­va por in­ca­pa­ci­da­de, uma si­tu­a­ção que po­de­rá ter ou­tras con­sequên­ci­as na classificação das equi­pas. Uma pro­va que se pre­ze não po­de dar uma ima­gem de fal­ta de se­ri­e­da­de, ama­do­ra e to­das ou­tras co­no­ta­ções ne­ga­ti­vas.

A Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, ór­gão que tu­te­la a pro­va, ti­nha obri­ga­ção de en­con­trar uma res­pos­ta pa­ra pôr ter­mo a es­sa si­tu­a­ção. Pri­mei­ro, con­si­de­ro ser ne­ces­sá­rio al­te­rar o re­gu­la­men­to da pro­va, im­pon­do con­di­ções pré­vi­as pa­ra se par­ti­ci­par no Gi­ra­bo­la. É ne­ces­sá­rio exi­gir-se ga­ran­ti­as, que podem ser pes­so­ais ou não. Mas te­rá de ha­ver ga­ran­ti­as, co­mo con­di­ção pré­via.

Ou en­tão a FAF de­ve en­tre­gar a pro­va à Li­ga de Clu­bes, que te­rá de en­con­trar so­lu­ção má­gi­ca pa­ra se co­ser. É ne­ces­sá­rio e ur­gen­te que se fa­ça es­sa re­fle­xão, de ou­tro mo­do, os po­ten­ci­ais pa­tro­ci­na­do­res ar­ris­cam-se a de­sis­tir de as­so­ci­ar a sua ima­gem, e mais im­por­tan­te do que is­so a co­lo­car o seu di­nhei­ro. A ou­tra pers­pec­ti­va é da in­tei­ra res­pon­sa­bi­li­da­de dos clu­bes. Co­e­rên­cia e sen­sa­tez é o que se exi­ge dos di­ri­gen­tes as­pi­ran­tes ao Gi­ra­bo­la.

O Ben­fi­ca de Lu­an­da deu um exem­plo dis­so mes­mo. Quan­do se sen­tiu in­ca­paz pa­ra con­ti­nu­ar na com­pe­ti­ção, ati­rou a to­a­lha ao ta­pe­te, pro­te­gen­do a com­pe­ti­ção co­mo a sua dig­ni­da­de. É des­ses exem­plos que os adep­tos pre­ci­sam.

Não se po­de en­cher o ba­lão ape­nas por­que se quer ir ao Gi­ra­bo­la, quan­do não se tem na con­ta nem em la­do al­gu­mas ga­ran­ti­as de exis­tir or­ça­men­to pa­ra ses­sen­ta por cen­to das des­pe­sas de que o clu­be pre­ci­sa.

É bonito es­tar no Gi­ra­bo­la, mais é-o ain­da quan­do se ter­mi­na com dig­ni­da­de, quan­do se com­pe­te efec­ti­va­men­te. É um tra­ba­lho pré­vio, que se faz an­tes de co­lo­car as car­ro­ças na es­tra­da, e não co­mo se faz por cá, pri­mei­ro ten­ta­se e de­pois é que se fa­zem as con­tas. Há, nes­ta al­tu­ra, al­gu­ma eu­fo­ria de clu­bes da se­gun­da di­vi­são que que­rem a to­do cus­to dis­pu­tar o Gi­ra­bo­la. Com que ga­ran­ti­as? Que con­di­ções têm os tais clu­bes pa­ra fa­zer fa­ce às des­pe­sas.

Qu­em vai ao mar, avia-se em ter­ra, diz o ve­lho adá­gio. É uma li­ção se­cu­lar, que os di­ri­gen­tes do Gi­ra­bo­la tan­to ig­no­ra­ram, o que se tra­duz de­pois nes­ses es­tra­gos que vi­mos as­sis­tin­do.

É bonito es­tar no Gi­ra­bo­la, mais é-o ain­da quan­do se ter­mi­na com dig­ni­da­de, quan­do se com­pe­te efec­ti­va­men­te. É um tra­ba­lho pré­vio, que se faz an­tes de co­lo­car as car­ro­ças na es­tra­da, e não co­mo se faz por cá, pri­mei­ro ten­ta-se e de­pois é que se fa­zem as con­tas. Há, nes­ta al­tu­ra, al­gu­ma eu­fo­ria de clu­bes da se­gun­da di­vi­são que que­rem a to­do cus­to dis­pu­tar o Gi­ra­bo­la. Com que ga­ran­ti­as? Que con­di­ções têm os tais clu­bes pa­ra fa­zer fa­ce às des­pe­sas.

A Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, ór­gão que tu­te­la a pro­va, ti­nha obri­ga­ção de en­con­trar uma res­pos­ta pa­ra pôr ter­mo a es­sa si­tu­a­ção. Pri­mei­ro, con­si­de­ro ser ne­ces­sá­rio al­te­rar o re­gu­la­men­to da pro­va, im­pon­do con­di­ções pré­vi­as pa­ra se par­ti­ci­par no Gi­ra­bo­la. É ne­ces­sá­rio exi­gir-se ga­ran­ti­as, que podem ser pes­so­ais ou não. Mas te­rá de ha­ver ga­ran­ti­as, co­mo con­di­ção pré­via.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.