Fei­ra de vai­da­de e mar­ke­ting

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - MA­TI­AS ADRI­A­NO

Des­de a re­a­li­za­ção da sua pri­mei­ra edi­ção em 1979, que o Gi­ra­bo­la pas­sou a cons­ti­tuir, e de ou­tro mo­do não po­dia ser, o pon­to mais al­to de qual­quer ins­pi­ra­ção com­pe­ti­ti­va a ní­vel do nos­so fu­te­bol. Até mes­mo equi­pas con­ce­bi­das nu­ma ter­tú­lia de ami­gos, à vol­ta de uma me­sa pe­ja­da de man­ja­res, mais tem­po me­nos tem­po vol­tam as su­as am­bi­ções na pri­mei­ra di­vi­são.

Po­de até aqui não ha­ver qual­quer con­tes­ta­ção, sen­do um ac­to ves­ti­do de to­da le­gi­ti­mi­da­de o ho­mem as­pi­rar me­tas, tra­çar ob­jec­ti­vos e que­rer sem­pre mais. Pas­sa-se que com a in­ver­são do qua­dro eco­nó­mi­co do país, em que to­do e qual­quer exer­cí­cio pas­sou a ter cus­tos ele­va­dos, tal am­bi­ção lon­ge de ex­pres­sar um me­ro es­pí­ri­to com­pe­ti­ti­vo, às ve­zes, chei­ra a al­gu­ma ven­tu­ra.

No co­me­ço da His­tó­ria do Gi­ra­bo­la po­dia ser mais fá­cil que nos di­as pre­sen­tes, pois pa­ra lá da tal po­lí­ti­ca do "Es­ta­do Pro­vi­dên­cia", ha­via sec­to­res em­pre­sa­ri­ais que vi­am no desporto um cam­po aber­to pa­ra o seu mar­ke­ting, que spon­so­ri­za­vam des­te mo­do al­guns clu­bes, per­mi­tin­do que es­tes ti­ves­sem uma ac­ti­vi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va e com­pe­ti­ti­va sem mui­tos aper­tos de cin­to.

O que ve­mos ho­je é uma es­pé­cie de es­pí­ri­to aven­tu­ro­so, rei­te­ra-se. Pois, equi­pas exis­tem que che­gam ao Gi­ra­bo­la às ex­pen­sas de um em­pre­sá­rio, na mai­or dos ca­sos o do­no, que se jul­ga a al­tu­ra de su­por­tá-la em per­se­gui­ção de fins, que não sen­do lu­cra­ti­vos, só o pró­prio sus­ten­ta e do­mi­na. Uns con­se­guem aguen­tar-se, ou­tros nem por is­so.

Con­tra­ri­a­men­te às ou­tras edições, o pre­sen­te cam­pe­o­na­to, ape­sar dos ten­tá­cu­los da cri­se, te­ve pou­cos pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com ame­a­ças de de­sis­tên­ci­as. Pa­re­cia até aqui a cor­rer tu­do à pre­cei­to, quan­do afi­nal ha­via clu­be que já vi­nha a tra­var fer­ro com fer­ro pa­ra se man­ter em pro­va, ge­rin­do a cri­se den­tro de um si­lên­cio es­tra­té­gi­co até ao es­ta­lo do ver­niz.

Na ver­da­de, no co­me­ço de épo­ca hou­ve qu­em ques­ti­o­nou a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra que per­mi­tis­se o JGM, um clu­be ge­ri­do com ca­pi­tal pri­va­do, se te­ria ar­ca­boi­ço pa­ra fa­zer fa­ce às exi­gên­ci­as das com­pe­ti­ções in­ter­nas, do Gi­ra­bo­la par­ti­cu­lar­men­te. A sua di­rec­ção deu ga­ran­ti­as que es­ta­va pre­pa­ra­da pa­ra to­dos os de­sa­fi­os. Con­se­guiu por al­gu­ma boa par­te da épo­ca mos­trar que era ca­paz.

Em­bo­ra não se sai­ba se es­ta de­ci­são já foi no­ti­fi­ca­da à Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, se­ria bom que uma equi­pa que aguen­tou to­do um cam­pe­o­na­to, por en­tre to­das di­fi­cul­da­des, que só a sua di­rec­ção sa­be­rá ex­pli­car, se aguen­tas­se pe­lo me­nos até ao fim, já que res­tam ape­nas cin­co jor­na­das, nem que de­pois ti­ves­se que de­cla­rar a sua au­sên­cia na pró­xi­ma edi­ção.

Mas co­mo mes­mo em pro­vas de fun­do exis­tem atle­tas que se aguen­tam pa­ra fra­cas­sar a es­cas­sos me­tros da me­ta, tam­bém o JGM po­de fra­cas­sar qua­se já no cair do pa­no so­bre o cam­pe­o­na­to. Co­mo um mal não vem só, tam­bém do Ui­ge não che­gam bo­as no­tí­ci­as. O San­ta Ri­ta de Cás­sia, que por si­nal vai bem na Ta­ça de An­go­la, tam­bém se diz sem con­di­ções pa­ra che­gar à 30ª jor­na­da.

Che­ga­do aqui, es­pe­ro que, ape­sar do la­do ne­ga­ti­vo que es­ta pro­vá­vel de­sis­tên­cia po­de re­pre­sen­tar, sir­va de exem­plo a ou­tras equi­pas que sem­pre ti­ve­ram co­mo me­ta o Gi­ra­bo­la. Per­ce­bam que não se tra­ta de uma em­prei­ta­da fá­cil, mas sim de um com­pro­mis­so one­ro­so, qua­se in­ven­cí­vel sem apoi­os de ou­tras en­ti­da­des e ins­ti­tui­ções. De­sen­ga­na-se, pois, qu­em to­ma es­ta com­pe­ti­ção co­mo uma fei­ra de vai­da­de e de mar­ke­ting.

Che­ga­do aqui, es­pe­ro que, ape­sar do la­do ne­ga­ti­vo que es­ta pro­vá­vel de­sis­tên­cia po­de re­pre­sen­tar, sir­va de exem­plo a ou­tras equi­pas que sem­pre ti­ve­ram co­mo me­ta o Gi­ra­bo­la. Per­ce­bam que

não se tra­ta de uma em­prei­ta­da fá­cil, mas sim de um com­pro­mis­so one­ro­so, qua­se in­ven­cí­vel sem ins­ti­tui­ções.”apoi­os de ou­tras en­ti­da­des e

Na ver­da­de, no co­me­ço de épo­ca hou­ve qu­em ques­ti­o­nou a ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra que per­mi­tis­se o JGM, um clu­be que se­ria ge­ri­do com ca­pi­tal pri­va­do, se te­ria ar­ca­boi­ço pa­ra fa­zer fa­ce às exi­gên­ci­as das com­pe­ti­ções in­ter­nas, do Gi­ra­bo­la. A sua di­rec­ção deu ga­ran­ti­as que es­ta­va pre­pa­ra­da pa­ra to­dos os de­sa­fi­os com­pe­ti­ti­vos. Con­se­guiu por al­gu­ma boa par­te da épo­ca mos­trar que era ca­paz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.