Já fo­mos lon­ge de­mais nes­ta car­ro­ça

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ARLINDO MA­CE­DO

País cu­ja his­tó­ria não te­nha si­do es­cri­ta, es­cre­ver-se-á a cada es­tó­ria. E a no­va mi­nis­tra po­de es­cre­ver ri­cas pá­gi­nas se não cair ví­ti­ma do pe­so efei­to ou con­sequên­cia.

E com efei­to es­ta­mos já a des­con­tar os pri­mei­ros cem di­as de no­va go­ver­na­ção e a re­pa­rar nos es­bo­ços ver­ba­li­za­dos que se fi­ze­ram, quer du­ran­te os ju­ra­men­tos e dis­cur­sos, quer du­ran­te os pres­su­pos­tos das no­me­a­ções, que ape­sar da con­tro­vér­sia, que se­ja, po­dem re­al­men­te cri­ar uma boa go­ver­na­ção no sen­ti­do do sim­ples com­pro­mis­so de re­a­li­zar obra, de­sen­vol­ver o país e fa­zer his­tó­ria.

E a his­tó­ria tem si­do fei­ta mais de pro­e­zas, do que de fa­lhas, as quais nor­mal­men­te fi­cam apa­ga­das pelo tem­po quan­do a von­ta­de política se ma­te­ri­a­li­za nos pas­sos e ac­tos vi­sí­veis aos olhos de to­dos e que ex­pri­mem uma con­vic­ção na­qui­lo que se co­nhe­ce e que se faz com a cer­te­za de que vai re­sul­tar, tal co­mo aos ge­ne­rais era pe­di­do no au­ge da con­ten­da que tra­vá­mos, que rom­pes­sem ca­mi­nho.

É pre­ci­so rom­per ca­mi­nho. É pre­ci­so li­ber­tar­mo-nos das amar­ras do re­tro­ces­so porque o nos­so desporto está vi­si­vel­men­te a an­dar pa­ra trás e a re­pe­tir erros co­mo se en­tre os es­pec­ta­do­res não hou­ves­se a pos­si­bi­li­da­de de re­pli­car e cor­ri­gir o trei­na­dor, da­da a so­be­ra­nia des­te so­bre a equi­pa e no jo­go.

Quis dizer com aque­la ana­lo­gia que há uma di­men­são éti­ca ne­ces­sa­ri­a­men­te em tor­no do nos­so ci­lin­dro ima­gi­ná­rio tal co­mo se sen­tem os jo­ga­do­res de basquetebol no seu jo­go e onde não po­dem ser ofen­di­dos, to­ca­dos. E quan­tas ve­zes, ma­go­a­dos. En­tão es­sa éti­ca em um ci­lin­dro ima­gi­ná­rio é o que se­pa­ra cada um de nós, do ou­tro.

Mas é uma se­pa­ra­ção em for­ma de có­di­go. Co­mo no trá­fi­co. Co­mo a subir es­ca­das, porque o cor­ri­mão é sem­pre mais de quem so­be, do que de quem des­ce. E pe­las es­ca­das ten­de­mos a dar a pa­re­de a quem so­be por es­tar­mos ha­bi­tu­a­dos a con­du­zir o car­ro pe­la di­rei­ta. E a obs­truir­mos o cor­ri­mão de quem so­be.

As­sim sen­do, a di­men­são éti­ca que o desporto per­deu foi o pri­mei­ro for­te pres­su­pos­to de que o desporto de ren­di­men­to pre­ci­sa e que se cultiva atra­vés da aca­de­mia e dos pró­pri­os clu­bes, os quais são cul­tu­ral­men­te po­bres, ou não tão ri­cos quan­to de­vi­am ser, pois, a his­tó­ria tam­bém não se es­cre­veu ain­da na mai­o­ria dos em­ble­mas, que a cada ano per­dem sem­pre e fa­tal­men­te um histórico mais.

E as fotos e vídeos, até em te­le­mó­veis, fa­zem-se e apa­gam­se na mes­ma fa­ci­li­da­de em que se en­vi­am pa­ra o ou­tro a mostrar co­mo foi. E nem is­so os clu­bes aproveitam e re­co­lhem.

Se a di­men­são éti­ca ra­pi­da­men­te se al­te­ra o có­di­go de­on­to­ló­gi­co e ho­je é co­mum o pre­si­den­te ir com­prar o atle­ta ou es­co­lher o se­lec­ci­o­na­dor, pois, tal co­mo o pro­fes­sor pa­re­ce na es­co­la, tam­bém o di­rec­to téc­ni­co pas­sou a ser ig­no­ra­do pelo sis­te­ma e há uma épi­ca pre­ci­sa em que is­so su­ce­deu e que foi quan­do após o SEF, só pa­ra po­der­mos ter um mar­co re­fe­ren­ci­al, co­me­çou a re­no­va­ção no desporto im­pul­si­o­na­da pe­la an­ti­ga boa ju­ven­tu­de em pe­ri­go de so­bre­vi­vên­cia na car­rei­ra e a que­rer usar o seu pres­tí­gio pa­ra se guin­dar a no­vos he­roís­mos, tal co­mo o as­tro­nau­ta so­vié­ti­co Yu­ri Ga­ga­rin se ha­via tor­na­do he­rói na­ci­o­nal ao re­a­li­zar o pri­mei­ro voo hu­ma­no or­bi­tal.

A ju­ven­tu­de an­go­la­na atra­ves­sa ho­je es­se mes­mo mo­men­to do im­pul­so pa­ra o mais an­si­a­do de tu­do o que te­nha já que­ri­do na vida, que é es­ta­be­le­cer-se de­pres­sa e a cor­rer e a des­fru­tar da­qui­lo que o pai nem em me­ta­de do tem­po ha­via con­se­gui­do ame­a­lhar. E de­pois mais do que ape­nas ame­a­lhar. E tal co­mo se con­ta do ca­man­guis­ta que não va­lo­ri­za o dinheiro que lhe cor­re pe­las mãos, tam­bém o nos­so jovem so­nha em pros­se­guir e os exem­plos não nos fal­tam in­cluin­do ce­nas pú­bli­cas e im­pu­ni­da­de.

En­tão e nes­se afã, a for­ma co­mo as no­vas ge­ra­ções tre­pam é de­vas­ta­do­ra e não se pre­o­cu­pa com o te­ma am­bi­en­tal. Foi as­sim na ge­ra­ção e com o pi­o­nei­ris­mo do Gus­ta­vo, pros­se­guiu as­sim na do Go­di­nho, e con­ti­nua as­sim na do Ar­tur, pa­ra dar exem­plo de três modalidades de proa, nos­sas.

Os an­ti­gos são tra­ta­dos de ma­nei­ra pou­co éti­ca e in­de­li­ca­da. Ig­no­ra­dos e tec­ni­ca­men­te apa­ga­dos. Se­rá porque is­so fa­rá par­te da sua afir­ma­ção e so­be­ra­nia?

Fa­lei de ge­ra­ções re­fe­rin­do-me a no­mes e não pes­so­a­li­zan­do nem ge­ne­ra­li­zan­do, pois o com­por­ta­men­to ten­den­ci­al em cau­sa não é uma uni­da­de de mas­sa, ape­nas uma ten­dên­cia gru­pal e nem sem­pre fá­cil de de­ter­mi­nar na sua ex­ten­são e pro­fun­di­da­de, po­rém, vi­sí­vel no efei­to da al­te­ra­ção cli­má­ti­ca da mo­da­li­da­de.

E das modalidades. No fundo o desporto é um pro­ces­so mais ou fac­tor do meio so­ci­al, que aca­ba sem­pre re­gi­do pe­las re­la­ções en­tre os ho­mens e es­tas nem sem­pre foram de mui­ta éti­ca e cor­te­sia.

A ex­pres­são da mi­nha in­dig­na­ção está no fac­to de a fal­ta de éti­ca ter si­do com­pro­va­da pelo er­ro cul­tu­ral histórico, em que nu­ma sociedade os mais ve­lhos pas­sa­ram a ser ig­no­ra­dos, o que é ob­vi­a­men­te um con­tras­te com a nos­sa tra­di­ção e cultura, o que por sua vez vem pro­var a de­sa­cul­tu­ra­ção da no­va ju­ven­tu­de an­go­la­na. Ela não res­pei­ta mais os an­ciãos, mas pro­cla­ma-se au­tên­ti­ca e ge­nuí­na em seu no­vos tra­ços com­por­ta­men­tais. Aos olhos dos seus avós mu­dos e seu pais sem­pre mui­to ocu­pa­dos.

Só um pai ocu­pa­do não se dá con­ta de que o fi­lho não está a exer­ci­tar-se, aliás, nem a sua pró­pria mu­lher. E os nos­sos pais per­de­ram es­se cui­da­do, daí não es­tra­nhar não ha­ver es­co­lar, nem se­quer já, de bair­ro; na mai­o­ria dos bair­ros. E as­sim anes­te­si­a­dos e cada vez menos pró­xi­mos da re­a­li­da­de e da sua pró­pria no­ção de ci­da­dão, por is­so in­cons­ci­en­te e já nem se­quer re­sig­na­do com a mu­dan­ça e em­po­bre­ci­men­to do nos­so desporto em ge­ral – quem se re­cor­da dos jo­gos cor­po­ra­ti­vos? – lá vi­e­mos si­len­ci­o­sa­men­te des­pen­can­do em va­lo­res e cos­tu­mes e prá­ti­cas e re­sul­ta­dos, cla­ro está.

E o nos­so re­sul­ta­do é es­te: os país não usam do seu pa­pel edu­ca­ti­vo, a es­co­la ar­gu­men­ta que lhe fal­ta cé­re­bro pa­ra trar dis­so, a fá­bri­ca de pro­fes­so­res dei­xou de fun­ci­o­nar a gás e não há le­nha, en­tão os fi­lhos de­pen­dem dos ami­gos que ti­ve­rem, ou dos fil­mes que vi­rem. Mas é pre­ci­so sa­ber­mos ul­tra­pas­sar o im­pas­se. E sair de­le.

Por is­so ha­via pegado na éti­ca, por ser o va­lor dos nos­sos ac­tos. E o nos­so com­pro­mis­so em agir cor­rec­ta­men­te. Con­tri­buir pa­ra a for­ma­ção cor­rec­ta da ju­ven­tu­de e ali­ar-se a forças ju­ve­nis con­sa­gra­das pelo tem­po e a prá­ti­ca, co­mo as or­ga­ni­za­ções ju­ve­nis re­li­gi­o­sas, mais ac­ti­vas e efec­ti­vas que as de­mais or­ga­ni­za­ções ju­ve­nis.

Os vec­to­res de for­ça de­vem ser es­cru­pu­lo­sos ali­a­dos da éti­ca pa­ra ei­var a ju­ven­tu­de de uma se­ri­e­da­de ne­ces­sá­ria, sem ilu­sões de ‘Hollywo­od’ nem so­nhos vir­tu­al­men­te re­ais tais co­mo ter uma be­la vida sem pre­ci­sar de tra­ba­lhar. Is­to vai le­var tem­po, só pre­ci­sa de ser co­me­ça­do.

O ras­tro des­ta no­va era de men­ta­li­da­de, que sub­sis­te na me­di­da em que se to­le­rar a mes­ma, deu ca­bo do nos­so te­ci­do so­ci­al – co­mo se vê na in­di­fe­ren­ça da for­ça mo­triz jovem em re­la­ção ao sa­ber ci­en­tí­fi­co e a sa­pi­ên­cia sem­pre mai­or da so­ma do an­ti­ga­men­te que os mais ve­lhos re­pre­sen­tam – e só quan­do to­dos os pais e fa­mí­li­as agi­rem em con­jun­to se vão mu­dar as coi­sas. Porque a ac­ção so­ci­al é um fac­to e não de­via ser pre­ci­so che­gar ao cú­mu­lo de me­dir a pul­sa­ção pe­las re­des so­ci­ais, mas pe­los factos re­ais. O nos­so desporto tem estado a mu­dar pa­ra pi­or. E a nos­sa ju­ven­tu­de não está presente. Qual­quer jovem na ac­tu­a­li­da­de pre­ten­de uma re­a­li­da­de in­tan­gí­vel e a ver­da­de é a trans­for­ma­ção ten­den­ci­al da nos­sa ideia de pi­râ­mi­de no­va­men­te er­ró­nea, se con­ti­nu­ar­mos a dei­xar que em bre­ve ha­ja mais li­cen­ci­a­dos do que que ope­rá­ri­os qua­li­fi­ca­dos e a qua­li­fi­ca­ção téc­ni­ca é tu­do quan­to um jovem não po­de dis­pen­sar no mun­do con­tem­po­râ­neo e a fi­car cada vez mais de­pen­den­te de tec­no­lo­gi­as que ain­da não são um hábito nas nos­sas es­co­las. En­tão é um ca­so mui­to sé­rio tam­bém, a des­ta pi­râ­mi­de.

Já no desporto co­me­te­mos o lo­gro de en­ve­re­dar por es­se ca­mi­nho tra­gi­ca­men­te ino­va­dor, sem­pre que se in­sis­te em par­tir­mos do desporto sé­ni­or co­mo mai­or ob­jec­ti­vo e pri­o­ri­da­de, sem pri­mei­ro as­sen­tar­mos o edi­fí­cio num vi­vei­ro cons­tan­te.

Ora, porque há-de ha­ver ape­nas uma aca­de­mia de fu­te­bol na nos­sa ca­pi­tal, se em Abid­jan fun­ci­o­nam pre­sen­te­men­te mais de 80, ou em Kinsha­sa nem a guer­ra ini­be a aca­de­mia Uja­na de cres­cer. Tra­ta-se de um ca­so de estudo, mas não sei o que se­rá mai­or ca­so de estudo ain­da, se a aca­de­mia Uja­na de Kinsha­sa, se o tom­bo e o desporto an­go­la­no na ac­tu­a­li­da­de.

Se a es­co­lha for o ca­so de estudo da Uja­na, saiba que ela tem qua­tro cam­pos rel­va­dos, mãos chei­as de pro­fes­so­res e mo­ni­to­res, cus­tan­do aos pais 40 dó­la­res por mês. Ac­tu­al­men­te com mais 4,200 ma­tri­cu­la­dos – não sei quan­tas ve­zes mais, o nú­me­ro de to­dos os jo­vens an­go­la­nos fe­de­ra­dos e por­tan­to nos clu­bes - a aca­de­mia tam­bém faz uma ac­ção so­ci­al.

A pou­cos qui­ló­me­tros da­li, ofe­re­cem a 400 jo­vens des­fa­vo­re­ci­dos um aces­so gra­tui­to ao trei­no da aca­de­mia, mas, o ob­jec­ti­vo não é man­dá-los amanhã pa­ra o In­ter de Mi­lão, é in­cul­car-lhes quais­quer va­lo­res que pos­sam ser in­cul­ca­dos atra­vés do desporto, e ain­da ou­tras coi­sas, co­mo a edu­ca­ção, pa­ra que amanhã pos­sam ser ci­da­dãos vá­li­dos ao país. É ur­gen­te as­sen­tar­mos os pés com­ple­ta­men­te no chão e de pre­fe­rên­cia na terra. Des­cal­ços.

É ine­vi­tá­vel ser pre­ci­so cor­ri­gir­mos. Ina­diá­vel, até. É mais do que tu­do pre­ci­so ra­ci­o­na­li­zar­mos e em­pre­en­der uma prá­ti­ca quo­ti­di­a­na da­qui­lo que cla­ra­men­te en­ten­de­mos co­mo sen­do po­si­ti­vo e efec­ti­vo. E ver-se as coi­sas a re­sul­tar. E , senão, emen­dar.

Aliás, o no­vo Chefe da Na­ção foi cla­ro ao ex­pri­mir co­mo sen­do um com­pro­mis­so do seu Exe­cu­ti­vo‘cor­ri­gir-se o que está mal e me­lho­rar o que es­ti­ver bem’. E as­sim a Mi­nis­tra nem vai pre­ci­sar de ter o ónus pa­ra co­me­çar a agir e a mo­ra­li­zar o desporto, em pri­mei­ro lu­gar. E a de­sa­gra­var os seus cus­tos. E a fa­zer le­var os pais a olhar pe­la edu­ca­ção fí­si­ca dos fi­lhos.

E tra­tar de ver porque os alu­nos do an­ti­ga­men­te no seu ins­ti­tu­to de for­ma­ção de re­fe­rên­cia, ho­je não pas­sa de uma nos­tál­gi­ca lem­bran­ça com sau­da­de do pas­sa­do. Que só não sa­be quem não vi­veu. E não po­de com­pa­rar. Mas po­de per­gun­tar aos seus pais, aos mais ve­lhos es­que­ci­dos e que dei­xa­ram por más mãos alhei­as, o desporto an­go­la­no.

E é pre­ci­so pôr mão nis­so, se­nho­ra Mi­nis­tra! Por mais que lhe cus­te afron­tar o‘es­ta­blish­ment’ do desporto na ac­tu­a­li­da­de, co­me­ce a agir com ener­gia e voz de (co)man­do.

To­dos ou­vi­mos até à exaus­tão que por trás do ho­mem tem de es­tar sem­pre uma gran­de mu­lher, pois, é che­ga­da a al­tu­ra da Mu­lher se pôr à fren­te de­le!

Já fo­mos lon­ge de­mais nes­ta car­ro­ça.

M.MACHAGONGO | EDI­ÇÕES NOVEMBRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.