Re­gres­so e eu­fo­ria

Ain­da que em ter­mos de ca­len­dá­rio se pos­sa ar­gu­men­tar que os mi­li­ta­res es­tão com­pa­ra­ti­va­men­te pi­or que o Pe­tro de Lu­an­da é pon­to as­sen­te que a mo­ti­va­ção que os ani­ma é um da­do im­por­tan­te a ter em con­ta

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

OGi­ra­bo­la re­gres­sa, cum­pri­da que foi mais uma eli­mi­na­tó­ria da Taça de An­go­la, e es­se re­tor­no aca­ba por ser com uma gran­de do­se de ex­pec­ta­ti­va a pai­rar so­bre o ac­tu­al mo­men­to do fu­te­bol na­ci­o­nal, quan­do a de­fi­ni­ção do cam­peão na­ci­o­nal con­ti­nua a ar­ras­tar-se.

A con­quis­ta da Taça de An­go­la po­de ser um bom le­ni­ti­vo, prin­ci­pal­men­te às que se as­su­mi­am co­mo can­di­da­tas no co­me­ço da tem­po­ra­da, mas que por for­ça do seu de­sem­pe­nho me­nos con­se­gui­do ou em fun­ção da su­pe­ri­o­ri­da­de com­pe­ti­ti­va das du­as equi­pas que por esta al­tu­ra es­tão em con­di­ções de che­gar ao fim da cor­ri­da na pri­mei­ra, posição, 1º de Agos­to e Pe­tro de Lu­an­da, ar­ris­cam-se esta tem­po­ra­da a ficar sem nada.

A Taça de An­go­la po­de ser um con­so­lo, da­do que o seu ven­ce­dor se­rá um dos re­pre­sen­tan­tes do país nas Afro­ta­ças do pró­xi­mo ano, e equi­pas co­mo o Ka­bus­corp do Pa­lan­ca e In­ter­clu­be, po­dem ter um in­te­res­se re­do­bra­do na sua con­quis­ta, além dos mi­li­ta­res e pe­tro­lí­fe­ros.

Es­tes dois úl­ti­mos são os con­jun­tos que es­tão em con­di­ções de fa­zer a “do­bra­di­nha” com vi­tó­ria no Girabola e na Taça, al­go que não acon­te­ce com mui­ta frequên­ci­as nas nos­sas pa­ra­gens.

Nos úl­ti­mos tem­pos, mes­mo ten­do ha­vi­do um do­mí­nio do Li­bo­lo com a con­quis­ta do prin­ci­pal cam­pe­o­na­to do país por qua­tro ve­zes, não se po­de di­zer que te­nha si­do um do­mí­nio ab­so­lu­to da for­ma­ção de Ca­lu­lo, uma vez que es­sas con­quis­tas não se es­ten­de­ram à Taça de An­go­la.

O re­gres­so, ho­je, do Girabola, acon­te­ce nu­ma al­tu­ra em que os dois gran­des “pa­pões” do país en­ce­tam uma lu­ta acen­tu­a­da pa­ra a con­quis­ta da pro­va, com o 1ºde Agos­to, ac­tu­al cam­peão em tí­tu­lo, a de­pen­der ape­nas de si pa­ra a de­se­ja­da re­va­li­da­ção.

Os dois pon­tos de van­ta­gem que le­va so­bre o ri­val, além de be­ne­fi­ci­ar do fac­to de nos jo­gos en­tre si es­tar em van­ta­gem, per­mi­te ao cam­peão vis­lum­brar um ho­ri­zon­te mais cla­ro de­pois de um ce­ná­rio que não lhe era fa­vo­rá­vel.

Ain­da que em ter­mos de ca­len­dá­rio se pos­sa ar­gu­men­tar que os mi­li­ta­res es­tão com­pa­ra­ti­va­men­te pi­or que o Pe­tro de Lu­an­da, é pon­to as­sen­te que a mo­ti­va­ção que os ani­ma é um da­do im­por­tan­te a ter em con­ta.

Nin­guém gos­ta de mor­rer na praia, pas­se a com­pa­ra­ção. E ten­do todos os ce­ná­ri­os a seu fa­vor é pou­co crí­vel que nes­ta al­tu­ra do cam­pe­o­na­to pos­sa ha­ver mu­dan­ças pro­fun­das no to­po.

Acir­ra­da es­tá também a lu­ta no fim da ta­be­la de clas­si­fi­ca­ção, em que nin­guém quer as­su­mir de pei­to aber­to a re­al des­pro­mo­ção, até por­que da 12ª posição pa­ra bai­xo, to­das as equi­pas ain­da “tre­mem” e so­nham com a per­ma­nên­cia, mes­mo até o his­tó­ri­co ASA, que todos os anos vi­ve o es­pec­tro da des­pro­mo­ção.

O cam­pe­o­na­to re­gres­sa e o Girabola con­ti­nua. Ain­da sem um cam­peão de­fi­ni­do mas com uma jor­na­da que po­de acla­rar mui­ta coi­sa, tan­to no to­po co­mo na “cau­da”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.