Casa Mi­li­tar apru­ma es­tra­té­gi­as

For­ma­ção do Cu­an­do Cu­ban­go de­fron­ta esta ma­nhã o Pro­gres­so B

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - AU­GUS­TO PANZO

Ae­qui­pa do Gru­po Des­por­ti­vo da Casa Mi­li­tar do Cu­an­do Cu­ban­go, que se sa­grou ven­ce­do­ra da sé­rie B do Zo­nal de Apu­ra­men­to ao Girabola Zap de 2018, de­fron­ta a partir das 9H00 de ho­je, no rel­va­do sin­té­ti­co do Com­ple­xo Des­por­ti­vo do Pro­gres­so, o con­jun­to do Pro­gres­so B, em par­ti­da de ca­rác­ter amis­to­so.

A in­for­ma­ção foi avan­ça­da on­tem ao Jornal dos Des­por­tos pelo trei­na­dor da for­ma­ção das ter­ras do Rei Mu­e­ne Vu­non­gue, Abel Ga­bri­el da Con­cei­ção.

Se­gun­do aque­le téc­ni­co, o de­sa­fio de ho­je vi­sa apru­mar es­tra­té­gi­as pa­ra a con­ten­da de domingo, di­an­te do Do­mant FC do Bu­la Atum­ba, re­fe­ren­te ao apu­ra­men­to do cam­peão da Se­gun­do­na da pre­sen­te épo­ca.

"Pre­ci­sa­mos de ro­dar a equi­pa pa­ra o jo­go des­te domingo, di­an­te do Do­mant FC. Sa­be que aqui em Me­non­gue te­mos mui­ta di­fi­cul­da­de de en­con­trar ad­ver­sá­ri­os pa­ra a re­a­li­za­ção de jo­gos de con­tro­lo, ra­zão pe­la qual qu­e­re­mos apro­vei­tar a nos­sa pre­sen­ça em Lu­an­da, efec­tu­an­do es­te de­sa­fio de con­tro­lo dos ní­veis com­pe­ti­ti­vos", dis­se o trei­na­dor.

Abel da Con­cei­ção apon­tou a hi­pó­te­se da sua equi­pa en­fren­tar al­gu­ma di­fi­cul­da­de du­ran­te o jo­go, pelo fac­to de vir jo­gar na rel­va na­tu­ral, pois, em Me­non­gue, o con­jun­to da Casa Mi­li­tar tem efec­tu­a­do os seus jo­gos na rel­va sin­té­ti­ca.

"É pre­ci­so sa­li­en­tar que nós va­mos en­fren­tar um ad­ver­sá­rio que tem al­gu­ma van­ta­gem so­bre nós, por­que es­tá ha­bi­tu­a­do a jo­gar na rel­va na­tu­ral, ao con­trá­rio de nós, que fa­ze­mos todos os jo­gos ca­sei­ros na rel­va sin­té­ti­ca. Isso po­de ser ra­zão pa­ra en­fren­tar al­gu­mas di­fi­cul­da­des du­ran­te o de­sa­fio", jus­ti­fi­cou Abel da Con­cei­ção.

Qu­an­to ao pre­su­mí­vel des­fe­cho do du­e­lo, Abel da Con­cei­ção avan­çou que, nes­te ti­po de jo­gos, as pos­si­bi­li­da­des são re­par­ti­das em cin­quen­ta por cen­to pa­ra as equi­pas en­vol­vi­das.

"Quan­do se tra­ta de um jo­go des­te gé­ne­ro, as pos­si­bi­li­da­des de ven­cer são re­par­ti­das em cin­quen­ta por­cen­to pa­ra ca­da la­do. O Do­mant FC tem um cer­to ní­vel com­pe­ti­ti­vo con­si­de­rá­vel aci­ma do nos­so, ape­sar de ter­mos realizado um cam­pe­o­na­to mais lon­go que eles. Re­pa­re que o Do­mant FC re­a­li­zou dois gran­des jo­gos re­cen­te­men­te, di­an­te do Ka­bus­corp do Pa­lan­ca, pa­ra os oi­ta­vos de fi­nal da Taça de An­go­la, nu­ma al­tu­ra em que nós já não tí­nha­mos com­pe­ti­ção", acla­rou o trei­na­dor.

NI­CO­LAU VASCO

Trei­na­dor Abel da Con­cei­ção quer le­var a taça pa­ra as ter­ras do pro­gres­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.