Fer­ra­ri con­tra­ta es­pe­ci­a­lis­ta

Jornal dos Desportos - - MODALIDADES -

AFer­ra­ri não vai dei­xar ba­ra­to que o cam­pe­o­na­to te­nha si­do jo­ga­do fo­ra de vez por uma pe­ça ba­ra­ta. De­pois do aban­do­no de Se­bas­ti­an Vettel por con­ta de fa­lha na ve­la do mo­tor no GP do Ja­pão, a equi­pa ita­li­a­na con­tra­tou Ma­ría Men­do­za, que se­rá uma das res­pon­sá­veis pelo de­par­ta­men­to de con­tro­lo de qualidade em Ma­ra­nel­lo.

Após um trio de cor­ri­das asiá­ti­cas que pra­ti­ca­men­te ani­qui­lou as chan­ces de Se­bas­ti­an Vettel con­quis­tar o pen­ta­cam­pe­o­na­to mun­di­al da F1 em 2017, a Fer­ra­ri pre­ci­sou agir pa­ra evi­tar que novos pro­ble­mas de con­fi­a­bi­li­da­de apa­re­çam nas eta­pas fi­nais do cam­pe­o­na­to.

E a pri­mei­ra ac­ção foi apon­tar al­guém es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra to­mar con­ta dos com­po­nen­tes ad­qui­ri­dos pe­la equi­pa. A es­co­lhi­da foi Ma­ria Men­do­za, que ago­ra fi­ca res­pon­sá­vel pe­la con­tro­lo de qualidade da Fer­ra­ri.

De­pois da ba­ti­da em Sin­ga­pu­ra e um GP da Ma­lá­sia on­de tan­to Vettel qu­an­to Ki­mi Räikkö­nen ti­ve­ram pro­ble­mas no mo­tor, foi uma ques­tão na ve­la que for­çou o ale­mão a aban­do­nar ain­da nas pri­mei­ras vol­tas no Ja­pão. As ve­las de mo­tor são com­po­nen­tes ter­cei­ri­za­dos e que cus­tam ape­nas al­gu­mas de­ze­nas de euros.

'Foi uma bo­ba­gem téc­ni­ca que te­ve um im­pac­to em um car­ro que cus­tou mi­lhões de euros. É um pro­ble­ma que nós ig­no­ra­mos du­ran­te al­gum tem­po por­que

Apa­ren­te­men­te, quan­do es­tá afim de ser cam­peão Lewis Ha­mil­ton dei­xa pa­ra o fi­nal. As­sim co­mo em 2014 e 2015, o bri­tâ­ni­co es­pe­rou as eta­pas de­ci­si­vas da tem­po­ra­da pa­ra en­cai­xar sequên­cia de vi­tó­ri­as e abrir dis­tân­cia ru­mo ao tí­tu­lo.

"Li­qui­da" é uma pa­la­vra for­te. Fal­tam qua­tro cor­ri­das pa­ra o fi­nal da tem­po­ra­da e é possível que Se­bas­ti­an Vettel vi­re o jo­go. Mas Lewis Ha­mil­ton também é for­te o su­fi­ci­en­te pa­ra que se pos­sa ar­ris­car usar tal pa­la­vra, tal ver­bo, pa­ra ana­li­sar su­as pos­si­bi­li­da­des de tí­tu­lo. De te­tra­cam­pe­o­na­to mun­di­al da F1. Ha­mil­ton ven­ceu qua­tro das úl­ti­mas cin­co cor­ri­das. Cin­co das úl­ti­mas se­te. Tem mais vi­tó­ri­as nes­ta parte da tem­po­ra­da do que nas no­ve cor­ri­das ini­ci­ais. É do­mi­nan­te e ain­da con­ta com a sor­te, co­mo no aban­do­no tri­plo de Vettel, Max Vers­tap­pen e Ki­mi Räikkö­nen em Sin­ga­pu­ra, ou com o pro­ble­ma de ve­la na Fer­ra­ri de Vettel no Ja­pão. Apa­ren­te­men­te, Ha­mil­ton gos­ta de ga­nhar a F1 de uma ma­nei­ra es­pe­cí­fi­ca: nun­ca te­ve mui­ta im­por­tân­cia", re­cla­mou ain­da no fim de Su­zu­ka o pre­si­den­te Ser­gio Mar­chi­on­ne. "To­do mun­do viu o que acon­te­ceu. Vo­cê vê al­gum er­ro da equi­pa? O car­ro é bom, se não fos­se pe­los com­po­nen­tes que nos cus­ta­ram", com­ple­tou o che­fe Mau­ri­zio Ar­ri­va­be­ne.

"Pre­ci­sa­mos ago­ra re­no­var nos­so com­pro­mis­so com a qualidade dos com­po­nen­tes que usa­mos na F1. Em pelo me­nos três oca­siões te­ve um im­pac­to de­vas­ta­dor na per­for­man­ce na equi­pa. Va­mos con­ser­tar", pro­me­teu Mar­chi­on­ne.

Dias após a pro­mes­sa, Mar­chi­on­ne re­sol­veu re­ma­ne­jar Men­do­za, que é es­pe­ci­a­lis­ta em me­tais e com­po­nen­tes quí­mi­cos. Ma­ría Men­do­za já tra­ba­lha­va no Gru­po Fi­atChrys­ler - do­no da Fer­ra­ri - há cin­co anos, on­de co­man­dou uma equi­pe da con­tro­lo de qualidade com­pos­ta por 25 pes­so­as res­pon­sá­vel pe­la aná­li­se das pe­ças vin­das da Ásia pa­ra a Fi­at. Ago­ra, tor­na-se parte da F1.

Ape­sar dos es­for­ços, o cam­pe­o­na­to es­tá qua­se per­di­do pa­ra Vettel, que tem uma des­van­ta­gem de 59 pon­tos pa­ra Lewis Ha­mil­ton num uni­ver­so em que 100 ten­tos ain­da es­tão em dis­pu­ta. Ha­mil­ton não pre­ci­sa se­quer vol­tar ao pó­dio na tem­po­ra­da pa­ra con­fir­mar o tí­tu­lo. dan­do es­pe­ran­ça pa­ra os ri­vais até que, na parte fi­nal do cam­pe­o­na­to, domina, não dei­xa chan­ces pa­ra nin­guém. E não é no­vi­da­de. Foi as­sim em 2014 e em 2015, seus dois tí­tu­los pe­la mes­ma Mer­ce­des que ho­je con­duz a uma no­va gló­ria. Na ho­ra em que ou ga­nha­va, ou da­ria chan­ce a quem qui­ses­se che­gar, Ha­mil­ton op­tou por ga­nhar tu­do. Em 2014, a lu­ta foi com Ni­co Hos­berg, com uma Mer­ce­des que não dei­xa­va nin­guém se­quer sonhar em dis­pu­tar o tí­tu­lo com seus pilotos. Das úl­ti­mas se­te cor­ri­das, Ha­mil­ton ga­nhou seis e, em uma, foi se­gun­do. Em 2015, das úl­ti­mas no­ve cor­ri­das, ga­nhou cin­co e foi se­gun­do em três - as três úl­ti­mas, quan­do já era cam­peão mun­di­al. O tí­tu­lo de 2008 po­de ser ex­cep­ção, mas é possível até mes­mo brin­car: ele dei­xou pa­ra de­ci­dir no fi­nal. Qua­se na úl­ti­ma cur­va de In­ter­la­gos. Não foi do­mi­nan­te, mas foi na 'ho­ra h' que fez o que pre­ci­sa­va pa­ra acar com a 'gra­ça' de quem ou­sou ti­rar seu tí­tu­lo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.