Pe­so dos es­tran­gei­ros du­ran­te o cam­pe­o­na­to

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - CAR­LOS CALONGO

Com a dis­pu­ta da fi­nal da Ta­ça de An­go­la ga­nha pe­lo Atlé­ti­co Pe­tró­le­os de Lu­an­da, es­tá en­cer­ra­da a épo­ca fu­te­bo­lís­ti­ca re­fe­ren­te ao ano ci­vil 2017, aguar­dan­do-se, ape­nas pe­la ho­mo­lo­ga­ção que, de nor­ma, de­ve ser fei­ta pe­lo ór­gão que re­ge a mo­da­li­da­de, no ca­so a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol.

Pen­so ter si­do a me­lhor for­ma de en­cer­rar a tem­po­ra­da fu­te­bo­lís­ti­ca, pois es­ti­ve­ram fren­te a fren­te os mai­o­res clu­bes an­go­la­nos, que jo­ga­ram tam­bém nu­ma es­pé­cie de ti­ra tei­mas, que veio a con­fir­mar o equi­lí­brio que ti­ve­ram nes­te ano, em que ca­da ven­ceu e per­deu um, e em­pa­ta­ram, igual­men­te, um jogo.

Sim­ples­men­te pe­lo equi­lí­brio dos re­sul­ta­dos nos jo­gos en­tre si, fi­ca di­fí­cil es­ta­be­le­cer su­pre­ma­cia de uma so­bre a ou­tra, até por que, no Gi­ra­bo­la ZAP, as equi­pas ocu­pa­ram a pri­mei­ra e se­gun­da po­si­ção; ou se­ja, 1º de Agos­to (cam­peão) e Pe­tro de Lu­an­da (vi­ce cam­peão).

Em jei­to de an­te­ci­pa­ção, apraz-me di­zer que, em fun­ção das con­quis­tas de ca­da uma de­las, a pró­xi­ma épo­ca des­por­ti­va se­rá aber­ta com o ali­ci­an­te Pe­tro ver­sus 1º de Agos­to, (não in­te­res­sa a or­dem), que vão dis­pu­tar a Su­per Ta­ça, a prin­cí­pio re­a­li­za­da a 4 de Fe­ve­rei­ro, dia do Iní­cio da Lu­ta Ar­ma­da de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal.

En­tão, que ve­nha mais um dér­bi pa­ra o gáu­dio dos afic­ci­o­na­dos do desporto rei, so­bre­tu­do os só­ci­os, adep­tos e sim­pa­ti­zan­tes das equi­pas em re­fe­rên­cia, que te­rão mais uma opor­tu­ni­da­de pa­ra mos­trar qu­em é me­lhor, dis­cus­são que es­tá lon­ge de ser chan­ce­la­da pe­lo con­sen­so, con­si­de­ran­do a for­ma intensa co­mo ca­da “cla­que” de­fen­de a qua­li­da­de da sua equi­pa.

m re­la­ção aos trei­na­do­res, não res­tam dú­vi­das que, Dra­gan Jo­vic, Be­to Bi­an­chi e Ekran As­ma, que clas­si­fi­ca­ram as res­pec­ti­vas equi­pas na mes­ma or­dem, me­re­cem a apre­ci­a­ção po­si­ti­va de te­rem si­do mais-va­lia pa­ra o que fo­ram os re­sul­ta­dos al­can­ça­dos, lon­ge, cla­ro, de qual­quer in­ten­ção de se atri­buir a eles, de for­ma iso­la­da, os lou­ros pe­los êxi­tos con­se­gui­dos.

Di­ga-se o se qui­ser, e fa­zen­do ana­lo­gia com a ló­gi­ca que du­ran­te al­gum tem­po per­du­rou na Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Bas­que­te­bol, qu­an­to à es­co­lha do Se­lec­ci­o­na­dor Na­ci­o­nal, não res­ta­ri­am dú­vi­das (ape­sar de se­rem nor­mais nas so­ci­e­da­des hu­ma­nas), que a in­di­ca­ção pa­ra téc­ni­co dos Pa­lan­cas Ne­gras, re­cai­ria a Dra­gan Jo­vic.

Mas, dei­xan­do es­tas con­tas pa­ra ou­tro ro­sa­do, e por­que no fu­te­bol qu­em dá mes­mo a mai­o­ria ale­gria são os jo­ga­do­res, es­tes tam­bém me­re­ce­rem a nos­sa apre­ci­a­ção, na mes­ma sen­da dos me­lho­res se­rem “es­tran­gei­ros”, sal­va­guar­dan­do a apre­ci­a­ção que ca­da um é li­vre de fa­zer.

Nes­te par­ti­cu­lar, Ti­a­go Azu­lão, co­bre-se de to­das as es­tre­las re­lu­zen­tes da ar­te de mar­car go­lo, o que faz de­le, igual­men­te, o me­lhor que vi­mos a jo­gar na­que­la po­si­ção cu­ja in­cum­bên­cia mai­or é fa­zer go­los, que co­mo diz o ou­tro, "são as vi­ta­mi­nas do jogo".

Não fos­se a che­ga­da al­go tar­dia ao nos­so cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal, adi­ci­o­na­do à on­da de le­sões que não o per­mi­ti­ram fa­zer mais, tal­vez não fi­ca­ria mal fa­zer igual re­fe­rên­cia ao avan­ça­do do 1º de Agos­to, Ram­bé.

E por que até diz-se que "os ata­ques ga­nham os jo­gos e as de­fe­sas, os cam­pe­o­na­tos", pen­so ser jus­ta a qu­a­li­fi­ca­ção de Bo­bó, defesa cen­tral do 1º de Agos­to, co­mo o jo­ga­dor do ano, o que ser­ve de co­ro­lá­rio da épo­ca ir­re­pre­en­sí­vel que re­a­li­zou em defesa da trin­chei­ra dos mi­li­ta­res do Rio Se­co.

Fi­nal­men­te, e com os de­vi­dos des­con­tos, uma re­fe­rên­cia à Ge­ral­do, que ape­sar de não ser es­tran­gei­ro, en­tra nes­te le­que pe­lo fac­to de gran­de par­te da sua car­rei­ra ter si­do con­so­li­da­da no Bra­sil, e veio dar um to­que de ale­gria à qua­li­da­de do fu­te­bol an­go­la­no, com o re­ga­lo na for­ma de abor­dar os lan­ces e a sua in­ti­mi­da­de com a bo­la.

Pos­to is­to, a con­clu­são, ain­da que não se­ja con­sen­su­al, é que os "es­tran­gei­ros" têm o seu pe­so no nos­so fu­te­bol.

Nes­te par­ti­cu­lar, Ti­a­go Azu­lão, co­bre-se de to­das as es­tre­las re­lu­zen­tes da ar­te de mar­car go­lo, o que­faz de­le, igual­men­te, o me­lhor que vi­mos a jo­gar na­que­la po­si­ção cu­ja in­cum­bên­cia mai­or é fa­zer go­los, que co­mo diz o ou­tro, "são as vi­ta­mi­nas do jogo".

Sim­ples­men­te pe­lo equi­lí­brio dos re­sul­ta­dos nos jo­gos en­tre si, fi­ca di­fí­cil es­ta­be­le­cer su­pre­ma­cia de uma so­bre a ou­tra, até por que, no Gi­ra­bo­la ZAP, as equi­pas ocu­pa­ram a pri­mei­ra e se­gun­da po­si­ção; ou se­ja, 1º de Agos­to (cam­peão) e Pe­tro de Lu­an­da (vi­ce cam­peão).”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.