AS­MA DES­MEN­TE CON­TAC­TOS COM OS MI­LI­TA­RES

O ter­cei­ro lu­gar al­can­ça­do pe­la equi­pa do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça no Gi­ra­bo­la Zap 2017, que consagrou o 1º de Agos­to co­mo bi­cam­peão na­ci­o­nal, é mo­ti­vo de sa­tis­fa­ção pa­ra o trei­na­dor Ekrem As­ma, que em um ano de tra­ba­lho, de­vol­veu à equi­pa o to­po do cam­pe­o­na­to,

Jornal dos Desportos - - PORTADA - AR­MAN­DO SA­PA­LO - DUN­DO

Q ue ava­li­a­ção faz da par­ti­ci­pa­ção do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça no Gi­ra­bo­la Zap 2017 e do seu pri­mei­ro ano de tra­ba­lho co­mo trei­na­dor prin­ci­pal da equi­pa?

Os de­sa­fi­os de um trei­na­dor de fu­te­bol, nun­ca se es­go­tam nu­ma só tem­po­ra­da, uma vez que a con­ti­nui­da­de de­pen­de mui­to do que vai pro­du­zir na épo­ca se­guin­te, por­que é lá on­de es­tão as prin­ci­pais exi­gên­ci­as, tan­to da di­rec­ção do clu­be, co­mo dos adep­tos. Ain­da as­sim, pa­ra res­pon­der à per­gun­ta, é cla­ro que o ba­lan­ço que fa­ze­mos é bas­tan­te po­si­ti­vo.

Foi es­sa po­si­ção, que a di­rec­ção do clu­be pe­diu ao téc­ni­co, quan­do as­su­miu o co­man­do da equi­pa?

Não. As­su­mi a equi­pa téc­ni­ca do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, en­tre os fi­nais do mês de De­zem­bro de 2016 e prin­cí­pi­os do mês de Janeiro de 2017. A di­rec­ção pe­diu-me pa­ra cons­truir um plan­tel, que per­mi­tis­se al­can­çar o quin­to lu­gar na ta­be­la de clas­si­fi­ca­ção. Com o apoio in­ques­ti­o­ná­vel da di­rec­ção, dos meus co­la­bo­ra­do­res e to­da nos­sa es­tru­tu­ra, su­pe­ra­mos a me­ta, e por is­so, es­ta­mos to­dos mui­to fe­li­zes.

Con­se­guiu su­pe­rar a me­ta pro­ta­go­ni­za­da pe­la di­rec­ção, e mais do que is­so, al­can­çou um fei­to que não acon­te­cia há 12 anos, ou se­ja, su­bir ao pó­dio de­pois do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça con­quis­tar o tí­tu­lo do Gi­ra­bo­la em 2005. Com es­sa per­for­man­ce, os lun­das po­dem pen­sar nu­ma equi­pa mais for­te e ca­paz de con­quis­tar o tí­tu­lo em 2018?

Quan­do che­guei ao Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, aliás, dis­se is­so, nu­ma das en­tre­vis­tas que con­ce­di a es­te jor­nal, que é uma gran­de equi­pa, com ca­pa­ci­da­de pa­ra tudo no fu­te­bol an­go­la­no. Pa­ra mim, a con­quis­ta do ter­cei­ro lu­gar não é mo­ti­vo de sur­pre­sa, por­que des­de o prin­cí­pio, acre­di­tei na gran­de­za do clu­be, na mi­nha ca­pa­ci­da­de, na boa co­la­bo­ra­ção dos meus co­le­gas e da pró­pria di­rec­ção que sem­pre soube fa­zer fun­ci­o­nar tudo, deu-nos as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as. Pa­ra mui­tos an­go­la­nos, po­de ser sur­pre­sa o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça con­se­guir o ter­cei­ro lu­gar de­pois de mui­tos anos, mas não pa­ra mim. Ago­ra, qu­an­to à lu­ta pe­lo tí­tu­lo, no pró­xi­mo ano, es­sa é a mi­nha pa­la­vra e am­bi­ção.

Há ra­zões pa­ra tanta con­fi­an­ça?

Há. Uma equi­pa que con­se­gue o ter­cei­ro lu­gar, quan­do mui­tos es­pe­ra­vam uma clas­si­fi­ca­ção di­fe­ren­te, acre­di­ta que po­de fa­zer mais do que o ter­cei­ro lu­gar. Uma equi­pa com a gran­de­za do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, não po­de ape­nas par­ti­ci­par no cam­pe­o­na­to. O Sa­gra­da Es­pe­ran­ça tem uma es­tru­tu­ra que ul­tra­pas­sa a Lun­da-Nor­te. É um clu­be de tí­tu­los, que não só de­ve lu­tar pa­ra "ma­tar mos­cas", mas tam­bém ele­fan­tes. Por is­so, den­tro de uma ou du­as tem­po­ra­das, o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça po­de vol­tar a ser cam­peão, a co­me­çar no ano 2018, que po­de ser um ano de gló­ria, em que o tí­tu­lo de­ve ser a me­ta. Não é bom pa­ra uma equi­pa co­mo o Sa­gra­da Es­pe­ran­ça não lu­tar por tí­tu­los. Es­te, de­ve ser o foco, e sem re­cei­os de olhar pa­ra trás.

DOMINGOS CA­DÊN­CIA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Ekrem As­ma reforça am­bi­ção pa­ra a pró­xi­ma tem­po­ra­da fu­te­bo­lís­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.