FAF aber­ta a es­cla­re­ci­men­tos

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO -

Nos úl­ti­mos tem­pos a Fe­de­ra­ção Angolana de Fu­te­bol (FAF) tem si­do al­vo de vá­ri­as crí­ti­cas em fun­ção de al­gu­mas po­si­ções por si to­ma­das a ní­vel do Conselho de Dis­ci­pli­na ou por, na opi­nião dos Me­dia, não ter agi­do no tem­po cer­to em re­la­ção a de­ter­mi­na­da agen­da.

Foi as­sim, no ca­so en­vol­ven­do Be­to Bi­an­chi, ex-trei­na­dor dos Pa­lan­cas Ne­gras e do Pe­tro de Lu­an­da, que no jo­go da se­gun­da vol­ta con­tra o 1º de Agos­to, fal­tou com o res­pei­to ao ár­bi­tro au­xi­li­ar e por is­so foi se­ve­ra­men­te san­ci­o­na­do.

Es­tá a ser as­sim no ca­so Ca­bi­bi, do Pro­gres­so da Lun­da Sul e da não con­tra­ta­ção até ho­je do subs­ti­tu­to de Be­to Bi­an­chi, aten­den­do ao fac­to de os Pa­lan­cas Ne­gras es­ta­rem a sen­si­vel­men­te trin­ta di­as da dis­pu­ta do CHAN que te­rá lu­gar no Rei­no do Mar­ro­cos em Ja­nei­ro de 2018. Es­tes e ou­tros ca­sos que en­vol­vem a se­ri­e­da­de da FAF têm si­do mo­ti­vo de vá­ri­as in­ter­pre­ta­ções por par­te da im­pren­sa des­por­ti­va.

Por exem­plo, no ca­so en­vol­ven­do Be­to Bi­an­chi, na al­tu­ra a acu­mu­lar o car­go de se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal e do Pe­tro de Lu­an­da, em de­ter­mi­na­da al­tu­ra de­pois do cas­ti­go im­pos­to pe­lo Conselho de Dis­ci­pli­na da FAF, o re­fe­ri­do trei­na­dor apa­re­ceu no ban­co da sua equi­pa mui­to an­tes do tér­mi­no da sen­ten­ça.

Pa­ra mui­tos de nós da im­pren­sa des­por­ti­va e não só, aque­la su­pos­ta “ab­sol­vi­ção” de Bi­an­chi foi ti­da co­mo sen­do fru­to de o mes­mo ser si­mul­ta­ne­a­men­te téc­ni­co dos Pa­lan­cas Ne­gras e que por is­so go­za­va de pri­vi­lé­gi­os es­pe­ci­ais. Sim , mui­tos fo­ram os ca­sos que mo­ti­va­ram a cri­ti­ca con­tra Ar­tur Al­mei­da e Sil­va e seus pa­res na con­du­ção dos des­ti­nos do nos­so fu­te­bol des­de que to­ma­ram pos­se em 17 de De­zem­bro de 2016.

Mas a gran­de ques­tão é: se­rá que os crí­ti­cos ti­ve­ram ra­zão de fa­zer tais crí­ti­cas? Aten­den­do ao fac­to de que um jor­na­lis­mo sé­rio de­ve obe­de­cer a re­gra de in­ves­ti­gar pri­mei­ro e com ve­ra­ci­da­de e de­pois for­mar uma opi­nião ou no­tí­cia po­de­mos di­zer que na mai­or par­te dos ca­sos as crí­ti­cas não fo­ram jus­tas.

Um dos exem­plos ci­ta­dos, no ca­so en­vol­ven­do Be­to Bi­an­chi, a mai­or par­te da im­pren­sa e não só, não sa­bia que a di­rec­ção do Pe­tro in­terpôs um re­cur­so da de­ci­são to­ma­da pe­lo Conselho de Dis­ci­pli­na da FAF com re­la­ção ao ac­to de in­dis­ci­pli­na do seu fun­ci­o­ná­rio.

Se­gun­do as re­gras, nes­tes ca­sos, en­quan­to du­rar a re­a­va­li­a­ção do ca­so, o “réu” po­de go­zar de um le­van­ta­men­to tem­po­rá­rio da pe­na a si apli­ca­da. Foi por is­so que o re­fe­ri­do téc­ni­co apa­re­ceu no ban­co dos tri­co­lo­res num dos jo­gos an­tes do ter­mo do cas­ti­go fe­de­ra­ti­vo.

Por não es­ta­rem in­for­ma­dos do que re­al­men­te se pas­sa­va na al­tu­ra, a FAF foi acu­sa­da de es­tar a “mi­mar” o trei­na­dor por ser na al­tu­ra trei­na­dor dos Pa­lan­cas Ne­gras e que por is­so a sua pe­na ha­via si­do sus­pen­sa.

En­tre­tan­to, pas­sa­dos al­guns di­as quan­do a ques­tão foi es­cla­re­ci­da pe­lo Conselho de Dis­ci­pli­na da FAF, Be­to Bi­an­chi, vol­tou pa­ra a con­di­ção an­te­ri­or. Es­ta si­tu­a­ção fez com que al­gu­mas pes­so­as acu­sas­sem a FAF de não sa­ber o que que­ria. Tu­do is­to por fal­ta de es­cla­re­ci­men­to.

Com re­la­ção a não con­tra­ta­ção até ho­je do no­vo trei­na­dor dos Pa­lan­cas Ne­gras, se­gun­do o pre­si­den­te da FAF nu­ma en­tre­vis­ta re­lâm­pa­go a mim gen­til­men­te con­ce­di­da via te­le­mó­vel, na ter­ça-fei­ra, a FAF tem a si­tu­a­ção sob con­tro­le e se tu­do cor­rer bem ama­nhã (sex­ta-fei­ra) de­ve ser apre­sen­ta­do o no­vo téc­ni­co na­ci­o­nal.

Re­la­ci­o­na­do ao ca­so Ca­bi­bi, pe­la mes­ma via, Ar­tur Al­mei­da e Sil­va dis­se que a “im­pren­sa po­de re­cor­rer li­vre­men­te ao Conselho de Dis­ci­pli­na da FAF pa­ra ob­ter da­dos so­bre o ca­so e ti­rar as su­as ila­ções”, is­to por­que até ago­ra o Pro­gres­so da Lun­da Sul con­ti­nua a mos­trar-se in­con­for­ma­do com a de­ci­são da FAF. O pre­si­den­te da FAF fez mais ao di­zer: sin­tam-se à von­ta­de em con­tac­tar-nos pa­ra qual­quer es­cla­re­ci­men­to que quei­ram so­bre a vi­da do nos­so fu­te­bol. Es­ta­mos aber­tos pa­ra qual­quer es­cla­re­ci­men­to que quei­ram pa­ra ajudar-vos a fa­ze­rem um jor­na­lis­mo isen­to de er­ros.”

Quan­do um di­ri­gen­te se pre­dis­põe a es­cla­re­cer um as­sun­to nas cir­cuns­tan­ci­as em que Ar­tur Al­mei­da o fez , não po­de pas­sar des­per­ce­bi­do. Em si­tu­a­ções nor­mais es­ta ati­tu­de só acon­te­ce com re­la­ção a pes­so­as de sua con­fi­an­ça.

Sim, a ati­tu­de do pre­si­den­te da FAF, ao aten­der um te­le­fo­ne­ma de um jornalista, que mal co­nhe­ce, e em ple­na con­du­ção de sua vi­a­tu­ra, a tra­tar de sua vi­da par­ti­cu­lar, pa­ra es­cla­re­cer al­gu­mas ques­tões que lhe fo­ram co­lo­ca­das em “ci­ma do jo­e­lho”, co­mo so­e­se di­zer, é uma cla­ra de­mons­tra­ção de que o ho­mem for­te do fu­te­bol an­go­la­no es­tá mes­mo dis­pos­to a es­cla­re­cer as coi­sas.

Por is­so va­mos aguar­dar cal­ma­men­te pe­la in­di­ca­ção do pró­xi­mo trei­na­dor dos Pa­lan­cas Ne­gras, por­que ape­sar de fal­tar pou­co tem­po pa­ra o ini­cio do CHAN, on­de o nos­so ob­jec­ti­vo é par­ti­ci­par pa­ra pri­mei­ro mon­tar um gru­po co­e­so e se­gun­do fa­zer boa fi­gu­ra no cer­ta­me, in­de­pen­den­te­men­te de os ou­tros ad­ver­sá­ri­os do gru­po es­ta­rem já em fa­se adi­an­ta­da de pre­pa­ra­ção.

Com re­la­ção ao ca­so Ca­bi­bi, em fun­ção do que foi di­to pe­lo nú­me­ro um da FAF, a Lun­da Sul, vai ter mes­mo que se con­for­mar com a des­ci­da de di­vi­são da sua equi­pa, o que re­al­men­te é tris­te, mas con­tra factos não exis­tem ar­gu­men­tos. O ca­so Ca­bi­bi é um ca­so en­cer­ra­do na FAF.

Mais uma vez apro­vei­to a oca­sião pa­ra agra­de­cer e fe­li­ci­tar o pre­si­den­te da FAF pe­la ati­tu­de que te­ve ao fa­ci­li­tar-me na re­co­lha de da­dos e es­pe­ro que os de­mais di­ri­gen­tes do nos­so des­por­to si­gam o seu exem­plo.

Por uma ques­tão de éti­ca, não vou aqui di­vul­gar o conc­ta­to te­le­fó­ni­co do pre­si­den­te da FAF, mas pos­so ga­ran­tir que quem qui­ser es­tar bem in­for­ma­do so­bre qual­quer as­sun­to que gra­vi­te em tor­no do nos­so fu­te­bol sin­ta-se à von­ta­de em con­tac­tar a di­rec­ção FAF.

Va­mos aguar­dar cal­ma­men­te pe­la in­di­ca­ção do pró­xi­mo trei­na­dor dos Pa­lan­cas Ne­gras, por­que ape­sar de fal­tar pou­co tem­po pa­ra o iní­cio do CHAN, on­de o nos­so ob­jec­ti­vo é par­ti­ci­par pa­ra pri­mei­ro mon­tar um gru­po co­e­so e se­gun­do fa­zer boa fi­gu­ra no cer­ta­me

AU­GUS­TO FER­NAN­DES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.