Va­lo­ri­zar a ga­la em de­tri­men­to dos Pa­lan­cas

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO -

Es­ta é a pu­ra re­a­li­da­de. Qu­er quei­ram qu­er não. Que os res­pon­sá­veis da FAF re­co­nhe­çam is­so. Mas di­fi­cil­men­te o fa­rão, por­que sen­tem-se do­nos da ra­zão. Ho­je é dia 7 de De­zem­bro, res­tam, por­tan­to, 37 di­as pa­ra o pontapé de saí­da do CHAN/2018, a dis­pu­tar-se no Rei­no do Mar­ro­cos, de 13 de Ja­nei­ro a 4 de Fe­ve­rei­ro.

Das 16 se­lec­ções que es­ta­rão pre­sen­tes na gre­lha de par­ti­da, ape­nas An­go­la não tem ain­da trei­na­dor. Per­gun­to: is­to é ad­mis­sí­vel? Pa­ra mim e pa­ra to­dos os an­go­la­nos não é. Tal­vez se­ja ape­nas pa­ra os res­pon­sá­veis da FAF. Em en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao JA e pu­bli- ca­da no pas­sa­do dia 3 do cor­ren­te, o seu pre­si­den­te, Ar­tur de Al­mei­da, re­co­nhe­ceu que o tem­po era pou­co, fa­ce ao apro­xi­mar da com­pe­ti­ção.

“O tem­po ur­ge, mas que­re­mos fa­zer as coi­sas com cal­ma, pa­ra não nos pre­ci­pi­tar­mos. Es­ta­mos a cri­ar as con­di­ções, pa­ra que den­tro de três di­as apre­sen­te­mos o se­lec­ci­o­na­dor”. A ver­da­de é que os três di­as já se pas­sa­ram e na­da de trei­na­dor. As con­sequên­ci­as se­rão do­lo­ro­sas pa­ra os Pa­lan­cas Ne­gras, ca­so Ar­tur de Al­mei­da, no dia de apre­sen­ta­ção do no­vo Pas­tor, con­fir­me que se­ja um es­tran­gei­ro, co­mo dis­se ao JA.

Não es­tou con­tra a con­tra­ta­ção de um téc­ni­co es­tran­gei­ro, des­de que te­nha um cur­rí­cu­lo superior aos da ca­sa e que ve­nha fa­zer a di­fe­ren­ça. Con­tu­do, fa­ce aos pou­cos di­as que res­tam do ini­cio do CHAN, a mi­nha op­ção se­ria que o Pas­tor fos­se um an­go­la­no. Por ou­tro la­do é voz cor­ren­te di­zer-se que a FAF tem os co­fres va­zi­os. Que os seus tra­ba­lha­do­res têm pro­ble­mas de sa­lá­ri­os atra­sa­dos. Sen­do as­sim, per­gun­to: ha­ve­rá di­nhei­ro pa­ra su­por­tar os gas­tos de um téc­ni­co es­tran­gei­ro?

É bom lem­brar que os gas­tos com um téc­ni­co es­tran­gei­ro não se re­su­mem ape­nas ao seu sa­lá­rio men­sal. Há ou­tros gas­tos, co­mo alu­guer de re­si­dên­cia; su­por­te pa­ra ali­men­ta­ção; vi­a­tu­ra pró­pria, com­bus­tí­vel, em­pre­ga­da de lim­pe­za, en­fim, uma sé­rie de gas­tos que, nes­ta épo­ca de cri­se, é pre­ci­so acau­te­lar.

Fa­ce a to­da es­ta pro­ble­má­ti­ca que en­vol­ve a não in­di­ca­ção do no­me do no­vo Pas­tor dos Pa­lan­cas Ne­gras, a FAF es­me­ra-se na re­a­li­za­ção da Ga­la, pre­vis­ta pa­ra es­te mês de De­zem­bro e on­de se diz es­ta­rão pre­sen­tes fu­te­bo­lis­tas de re­no­me mun­di­al, pa­ra além dos pre­si­den­tes da CAF e da FI­FA.

Não sou con­tra a re­a­li­za­ção da Ga­la. Con­tu­do, acho que de­ve­ría­mos, pri­mei­ro, fa­zer os nos­sos de­ve­res de ca­sa. Is­to é, ter­mos an­te­ci­pa­da­men­te um trei­na­dor e de­pois en­ga­jar-mo-nos pa­ra que a Ga­la se re­a­li­ze com o des­ta­que me­re­ci­do, de for­ma a ele­var ain­da mais o nos­so fu­te­bol além fron­tei­ras.

E is­so, in­fe­liz­men­te, não es­tá acon­te­cer. Pri­o­ri­zou-se a re­a­li­za­ção da Ga­la em de­tri­men­to da va­lo­ri­za­ção dos Pa­lan­cas Ne­gras. Porquê? Por­que os se­nho­res da FAF que­rem apa­re­cer! Men­ti­ra? È a mi­nha opi­nião. E de mui­tos an­go­la­nos.

En­quan­to a FAF mi­ni­mi­za a in­di­ca­ção do no­vo trei­na­dor da Se­lec­ção Na­ci­o­nal, os nos­sos ad­ver­sá­ri­os já es­tão a tra­ba­lhar. E na má­xi­ma for­ça. Se­gun­do pes­qui­sa fei­ta pe­lo co­le­ga e ami­go An­tó­nio Fé­lix, os Ca­ma­rões, sob ba­tu­ta do an­ti­go in­ter­na­ci­o­nal Ri­go­bert Song, já es­bo­çou o seu pro­gra­ma de tra­ba­lho, que com­por­ta du­as fa­ses.

A pri­mei­ra de­cor­re em Ya­oun­dé e a se­gun­da em Ra­bat, ca­pi­tal do Mar­ro­cos, de 2 a 11 de Ja­nei­ro, on­de pen­sa efec­tu­ar um ami­gá­vel com uma das se­lec­ções pre­sen­tes na com­pe­ti­ção. “O ti­tu­lo é a me­ta que nos le­va­rá a abor­dar to­dos os jo­gos co­mo au­tên­ti­cas fi­nais, pa­ra tra­zer­mos o ou­ro pa­ra o país”, dis­se o téc­ni­co ca­ma­ro­nês.

No mes­mo di­a­pa­são es­tá o Bur­ki­na Fa­so, ori­en­ta­do igual­men­te por um téc­ni­co da ca­sa, Dris­sa Ma­lo Tra­o­ré, que já dis­se os seus pro­pó­si­tos. “Va­mos ao CHAN jo­gar fu­te­bol de for­ma pro­fun­da. Que­re­mos ser uma equi­pa só­li­da, ca­paz de su­pe­rar to­das as ad­ver­si­da­des no pla­no téc­ni­co e tác­ti­co e, pa­ra is­so, re­quer-se uma boa pre­pa­ra­ção”.

In­fe­liz­men­te, a re­a­li­da­de é di­fe­ren­te pa­ra os Pa­lan­cas Ne­gras, que não sa­bem ain­da on­de vão pas­tar e com quem no seu co­man­do. Pe­ran­te es­te atra­so, ur­ge per­gun­tar a Ar­tur de Al­mei­da e aos seus pa­res: que ob­jec­ti­vos es­tão de­li­ne­a­dos pa­ra o CHAN/2018? Va­mos pa­ra com­pe­tir ou pa­ra um me­ro pas­seio tu­rís­ti­co? A res­pos­ta a quem de di­rei­to.

Os gas­tos com um téc­ni­co es­tran­gei­ro não se re­su­mem ape­nas ao seu sa­lá­rio men­sal. Há ou­tros gas­tos, co­mo alu­guer de re­si­dên­cia; su­por­te pa­ra ali­men­ta­ção; vi­a­tu­ra pró­pria e com­bus­tí­vel

POLICARPO DA RO­SA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.