Li­mar as ares­tas

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

ASe­lec­ção Na­ci­o­nal de fu­te­bol con­ti­nua a tra­ba­lhar em Mar­ra­ke­xe, em bus­ca de ní­vel ide­al pa­ra o com­pro­mis­so que tem em vis­ta. Ou se­ja, a par­ti­ci­pa­ção na V edi­ção do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções CHAN'2018, com iní­cio no sá­ba­do em Mar­ro­cos.

Na ter­ça-fei­ra, a se­lec­ção ven­ceu por 1-0 a con­gé­ne­re da Gui­né Co­na­cry, com Job a vi­sar a ba­li­za ad­ver­sá­ria. O téc­ni­co Srd­jan Va­sel­je­vic apro­vei­tou a ses­são re­a­li­za­da na tar­de de on­tem, pa­ra a re­cu­pe­ra­ção fí­si­ca do gru­po. De res­to, o gru­po es­tá a apro­vei­tar o pou­co tem­po que res­ta pa­ra a en­tra­da em ac­ção e as­sim, fa­zer os úl­ti­mos acer­tos.

Ape­sar do tem­po con­si­de­ra­do re­la­ti­va­men­te cur­to, que li­ga o téc­ni­co à equi­pa, An­go­la não es­tá proi­bi­da de so­nhar. De res­to, o ob­jec­ti­vo com­pe­ti­ti­vo é ob­ter uma clas­si­fi­ca­ção que su­pe­re a ob­ti­da na úl­ti­ma edi­ção, uma vez que o se­gun­do lu­gar de 2011 no Su­dão fi­car mais di­fí­cil, ape­sar de não ser im­pos­sí­vel.

Afi­nal, não obs­tan­te os tra­ba­lhos te­rem co­me­ça­do tar­de, Va­sel­je­vic com­ple­tou 30 dias nas fun­ções na pas­sa­da ter­ça-fei­ra, es­tá a tra­ba­lhar pa­ra a for­ma­ção de um gru­po co­e­so e ca­paz de ab­sor­ver ao má­xi­mo as es­tra­té­gi­as de jo­go que são en­sai­a­das. Nas ses­sões de trei­no, sal­ta à vis­ta a en­tre­ga de corpo e al­ma ao tra­ba­lho, por par­te dos atle­tas.

A pou­cos dias da es­treia, espera-se que a equi­pa acer­te nos de­ta­lhes, so­bre­tu­do, por­que os ad­ver­sá­ri­os es­tão a fa­zer in­ten­so tra­ba­lho de pre­pa­ra­ção que se con­si­de­ra com­pa­tí­vel com as me­tas es­ta­be­le­ci­das, pre­vê-se que não con­ce­dam fa­ci­li­da­des em cam­po. Há que es­tar pre­pa­ra­do pa­ra tu­do. An­go­la pre­ci­sa de se pre­o­cu­par com ela mes­ma, com o que de­ve ti­pi­fi­car a sua es­tra­té­gia.

Re­su­min­do, a se­lec­ção pre­ci­sa de mos­trar aos ad­ver­sá­ri­os com qu­em se vai de­fron­tar, a ca­pa­ci­da­de de lu­ta, a qua­li­da­de de jo­go. Afi­nal, no país e a ní­vel de clu­bes, tam­bém se tem de­sen­vol­vi­do um tra­ba­lho sé­rio e atu­ra­do em tor­no de pro­ces­sos de for­ma­ção, que vi­sem tra­zer à ri­bal­ta no­vos va­lo­res.

Uma se­lec­ção que já dis­pu­tou uma fi­nal do cam­pe­o­na­to, es­tá no di­rei­to se não na obri­ga­ção de mos­trar com­ba­ti­vi­da­de e ma­tu­ri­da­de. Os re­sul­ta­dos even­tu­al­men­te ruins do pas­sa­do, não po­dem nem de­vem con­tar. O mo­men­to, é de ou­tro de­sa­fio, que exi­ge o es­for­ço e a en­tre­ga de to­dos.

So­bre os ad­ver­sá­ri­os que a equi­pa na­ci­o­nal vai ter pe­la fren­te, na pri­mei­ra fa­se da pro­va, já se dis­se em oca­siões an­te­ri­o­res, que o sor­teio não foi sim­pá­ti­co pa­ra o com­bi­na­do na­ci­o­nal. Na ter­ça-fei­ra, as for­ças vão ser jo­ga­das com o Bur­ki­na Fa­so. A se­guir vêm os Ca­ma­rões no dia 19, e no dia 24 o Con­go. E, de­pois dis­so, é uma in­cóg­ni­ta. Tan­to po­de ser o re­gres­so a ca­sa, ou a dis­pu­ta dos quar­tos do fi­nal. Fi­xe­mo-nos nes­ta úl­ti­ma pos­si­bi­li­da­de...

So­bre os ad­ver­sá­ri­os que a equi­pa na­ci­o­nal vai ter pe­la fren­te, na pri­mei­ra fa­se da pro­va, já se dis­se em oca­siões an­te­ri­o­res, que o sor­teio não foi sim­pá­ti­co pa­ra o com­bi­na­do na­ci­o­nal. Na ter­ça-fei­ra, as for­ças vão ser jo­ga­das com o Bur­ki­na Fa­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.