Mar­ro­cos no cen­tro das aten­ções

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - POLICARPO DA RO­SA

O CHAN apro­xi­ma-se. A par­tir do pró­xi­mo sá­ba­do, as aten­ções de to­dos os aman­tes do fu­te­bol e não só es­ta­rão vi­ra­das pa­ra o Rei­no do Mar­ro­cos, pa­ra vi­brar ao rit­mo da pro­va con­ti­nen­tal de­di­ca­da aos fu­te­bo­lis­tas que ac­tu­am nos cam­pe­o­na­tos in­ter­nos.

Quan­do res­tam pou­co mais de 48 ho­ras pa­ra o pon­ta­pé de saí­da da pro­va, a per­gun­ta que to­dos co­lo­cam é a se­guin­te: qu­em vai con­se­guir che­gar a fa­se de gru­pos? Qu­em te­rá pei­to pa­ra che­gar aos “quar­tos”, as “mei­as” e a fi­nal?

Enfm, uma sé­rie de ques­tões, cu­jas res­pos­tas só as te­re­mos com o an­dar da com­pe­ti­ção, daí o in­te­res­se ma­ni­fes­ta­do por to­dos os adep­tos da mo­da­li­da­de. Prin­ci­pal­men­te dos paí­ses pre­sen­tes no Mar­ro­cos.

Nu­ma aná­li­se mui­to re­a­lis­ta e sem me­do de er­rar, pos­so di­zer que se os ni­ge­ri­a­nos, os ivoi­ri­en­ses, os ca­ma­ro­ne­ses e os mar­ro­qui­nos fa­zem par­te dos prin­ci­pais fa­vo­ri­tos des­ta quin­ta edi­ção do CHAN. Con­tu­do, não de­ve­mos su­bes­ti­mar paí­ses co­mo a Zâm­bia, Su­dão, Gui­né Co­na­kry e mes­mo An­go­la (não es­tou ser mui­to op­ti­mis­ta?), que te­rão cer­ta­men­te uma pa­la­vra a di­zer.

En­tre o lo­te de paí­ses que par­ti­ci­pam pe­la pri­mei­ra vez na fa­se fi­nal da com­pe­ti­ção e aque­las mais ex­pe­ri­en­tes, pos­so di­zer que te­re­mos uma pro­va bas­tan­te com­pe­ti­ti­va e mes­mo in­te­res­san­te, por­que qu­em che­ga aqui tu­do vai fa­zer pa­ra hon­rar as co­res do País que es­tá a re­pre­sen­tar.

Na pri­mei­ra fa­se o ob­jec­ti­vo prin­ci­pal é fi­car en­tre os dois pri­mei­ros, de mo­dos a ca­rim­ba­rem o pas­se pa­ra os oi­ta­vos de fi­nal. Che­ga­dos aqui o so­nho atin­ge pro­por­ções mai­o­res. Aliás, to­dos os “pe­sos pe­sa­dos” de­ve­rão atin­gir, no mí­ni­mo, os oi­ta­vos de fi­nal.

An­tes de ir pa­ra a fa­se eli­mi­na­tó­ria, a cha­ma­da fa­se do tu­do ou na­da, po­de­mos di­zer que te­re­mos agra­dá­veis opo­si­ções du­ran­te a fa­se de gru­pos. Na pri­mei­ra jor­na­da, por exem­plo, a dis­pu­tar­se no pró­xi­mo sá­ba­do, te­re­mos ape­nas um jo­go, o não me­nos ali­ci­an­te Mar­ro­cos-Mau­ri­tá­nia.

No dia se­guin­te, te­re­mos três jo­gos. Gui­né-Su­dão; Cos­ta do Mar­fim-Na­mí­bia e o Zâm­bi­aU­gan­da. Ain­da no pros­se­gui­men­to da ron­da inau­gu­ral te­re­mos no dia 15 os en­con­tros Li­bia-Gui­né Equa­to­ri­al e o Ni­gé­ria-Ugan­da. A pri­mei­ra jor­na­da en­cer­ra no dia 16, quan­do me­di­rem for­ças An­go­la-Bur­ki­na Fa­so e Ca­ma­rões Con­go Braz­za­vil­le, jo­gos es­tes pon­tuá­veis pa­ra o Gru­po D.

Nes­te ti­po de com­pe­ti­ção, o pri­mei­ro jo­go tem gran­de im­por­tân­cia, em fun­ção dos ob­jec­ti­vos tra­ça­dos por ca­da uma das se­lec­ções. Uma vi­tó­ria é si­nó­ni­mo de es­pe­ran­ça e a der­ro­ta po­de tor­nar-se num au­tên­ti­co pe­sa­de­lo, em fun­ção da car­ga emo­ci­o­nal que ela acar­re­ta no jo­go se­guin­te.

Um in­di­ca­dor de pe­so é o po­der ofen­si­vo de ca­da se­lec­ção. In­di­ca­dor es­te ba­se­a­do na ca­pa­ci­da­de de ca­da ata­can­te, atra­vés do seu co­e­fi­ci­en­te de go­los nas sua equi­pas, que po­de in­flu­en­ci­ar ou não no con­tri­bu­to da se­lec­ção que re­pre­sen­ta. Não po­de­mos es­que­cer a com­po­nen­te de­fen­si­va, tam­bém ela im­por­tan­te pa­ra os de­síg­ni­os de ca­da uma das se­lec­ções pre­sen­tes.

O SO­NHO DOS PA­LAN­CAS Bu­ki­na Fa­so, Ca­ma­rões e Con­go Braz­za­vil­le, são os ad­ver­sá­ri­os de An­go­la. Um gru­po for­te, di­ga-se em abo­no da ver­da­de, mas que nos per­mi­te so­nhar com os oi­ta­vos de fi­nal, ape­sar de to­das as con­tra­ri­e­da­des que mar­ca­ram a sua fa­se de pre­pa­ra­ção.

Pes­so­al­men­te pen­so que de­ve­mos, por ago­ra, dei­xar de la­do to­das as in­qui­e­ta­ções vi­vi­das pe­los Pa­lan­cas Ne­gras e dar-lhe to­do o apoio pa­ra que con­si­ga su­pe­rar os nú­me­ros al­can­ça­dos na úl­ti­ma edi­ção em que es­te­ve pre­sen­te, on­de, in­fe­liz­men­te, não pas­sou da pri­mei­ra fa­se.

Pen­so mes­mo que se a Se­lec­ção Na­ci­o­nal fi­zer va­ler a ex­pe­ri­ên­cia vi­vi­da em 2011, no CHAN dis­pu­ta­do no Su­dão, em que dis­pu­tou a fi­nal com a Tu­ní­sia (der­ro­ta por 0-3), cer­ta­men­te vai se dar bem.

Se­rá im­por­tan­te ven­cer na jor­na­da inau­gu­ral, o Bur­ki­na Fa­so dia 16, no es­tá­dio Adrar, si­tu­a­do na ci­da­de de Aga­dir, se­de do Gru­po D. Se­guir-se-á os Ca­ma­rões, no dia 20. Se tu­do cor­rer bem, An­go­la te­rá 3 ou 6 pon­tos ao fim das du­as pri­mei­ras jor­na­das e fi­ca­rá em ex­ce­len­te po­si­ção pra se qua­li­fi­car pa­ra a fa­se se­guin­te, quan­do de­fron­tar o Con­go na der­ra­dei­ra jor­na­da da pri­mei­ra fa­se.

Os an­go­la­nos acre­di­tam que os Pa­lan­cas Ne­gras vão en­trar mui­to for­te nes­ta sua ter­cei­ra pre­sen­ça nu­ma fa­se fi­nal do CHAN. Que vão so­mar os pon­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra ca­rim­ba­rem o pas­se pa­ra os oi­ta­vos de fi­nal, su­pe­ran­do as­sim as per­for­man­ces al­can­ça­das na sua úl­ti­ma par­ti­ci­pa­ção. Aliás, um de­se­jo ma­ni­fes­ta­do pe­lo téc­ni­co Srd­jan Va­sil­je­vic, mo­men­to an­tes do em­bar­que pa­ra o Rei­no do Mar­ro­cos.

“O que pos­so di­zer é que equi­pa vai de­mons­trar um ele­va­do ní­vel de em­pe­nho, gar­ra e vai cor­rer mui­to. De­se­jo o me­lhor pa­ra a mi­nha equi­pa, que se­jam hu­mil­des e que em ca­da jo­go, jo­gue com o co­ra­ção cheio e te­nho a cer­te­za de que uma abor­da­gem des­tas po­de ser re­com­pen­sa­da po­si­ti­va­men­te”. Va­mos aguar­dar pa­ra ver.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.