As pi­car­di­as en­tre D’Agos­to e FAF

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO -

As de­cla­ra­ções de Adão Cos­ta, vi­ce pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de fu­te­bol (FAF) se­gun­do as quais o clu­be mi­li­tar do 1º de Agos­to, to­mou uma me­di­da an­ti-pa­tri­o­ta ao não ce­der os seus jo­ga­do­res pa­ra a se­lec­ção na­ci­o­nal de fu­te­bol que vai dis­pu­tar o Chan de 2018 que ini­cia no dia 13 do cor­ren­te cri­ou um cli­ma aze­do en­tre as du­as ins­ti­tui­ções.

Adão Cos­ta, mos­trou-se in­dig­na­do com a su­pos­ta po­si­ção do 1º de Agos­to, pois em sua opi­nião, por ser uma ins­ti­tui­ção pa­tro­ci­na­da pe­las for­ças ar­ma­das An­go­la­nas, o 1º de Agos­to de­ve­ria ser o pri­mei­ro a dar o exem­plo ce­den­do os seus jo­ga­do­res a se­lec­ção de to­dos nós.

Em res­pos­ta, o clu­be mi­li­tar fez cir­cu­lar um co­mu­ni­ca­do on­de con­si­de­ra as de­cla­ra­ções de Adão Cos­ta co­mo sen­do “in­ju­ri­o­sas e fal­sas”. Mas a ver­da­de é que dos 23 jo­ga­do­res que vão re­pre­sen­tar os país no Chan dos Mar­ro­cos ne­nhum é do 1º de Agos­to.

Ten­do em aten­ção o le­ma “a Na­ção aos seus fi­lhos não im­plo­ra, or­de­na” e que o 1º de Agos­to co­nhe­ce mui­to bem, não se jus­ti­fi­ca a au­sên­cia dos jo­ga­do­res mi­li­ta­res na se­lec­ção na­ci­o­nal, pois es­tá em cau­sa os in­te­res­ses da na­ção.

Além do mais o 1º de Agos­to é o cam­peão na­ci­o­nal e tem no seu plan­tel jo­ga­do­res com gran­de va­lia téc­ni­ca que da­ri­am ou­tra di­nâ­mi­ca à se­lec­ção que tan­to pre­ci­sa de bons re­sul­ta­dos pa­ra sair da ver­go­nho­sa 141ª po­si­ção que ocu­pa no Ran­king da Fifa e con­se­quen­te­men­te atrair po­ten­ci­ais pa­tro­ci­na­do­res.

Se­gun­do o co­mu­ni­ca­do da tur­ma do "Rio se­co", fo­ram con­vo­ca­dos no­ve jo­ga­do­res dos mi­li­ta­res sen­do dois jo­ga­do­res por po­si­ção: dois la­te­rais es­quer­dos, dois trin­cos, dois ex­tre­mos e dois la­te­rais di­rei­to.

Em fun­ção da in­ten­ção da di­rec­ção do seu clu­be em atin­gir a fa­se de gru­pos nas Afro­ta­ças, as du­as di­rec­ções reu­ni­ram-se em “ter­re­no mi­li­tar” e che­ga­ram a con­clu­são que ce­de­ri­am ape­nas qua­tro jo­ga­do­res a sa­ber: Bwá, Mas­sun­gu­na, Ma­caia e Pai­zo.

En­tre­tan­to, por al­tu­ra da da­ta da apre­sen­ta­ção to­dos os jo­ga­do­res con­vo­ca­dos se fi­ze­ram pre­sen­tes pa­ra os exa­mes mé­di­cos ex­cep­to o Mas­sun­gu­na, que es­ta­va de férias no ex­te­ri­or do país e Pai­zo em Ben­gue­la em vi­si­ta a sua mãe que se en­con­tra­va do­en­te.

Pa­ra ocu­par a o va­zio des­tes jo­ga­do­res a di­rec­ção dos mi­li­ta­res en­vi­ou dois que fa­zi­am par­te dos no­ve a sa­ber: Na­ta­el e o Show, es­te que aca­bou sen­do dis­pen­sa­do pe­lo me­di­co da se­lec­ção por não es­tar bem fi­si­ca­men­te.

Por­tan­to, se­gun­do a di­rec­ção do 1º de Agos­to, tu­do foi fei­to pa­ra con­ci­li­ar os in­te­res­ses da se­lec­ção e da sua equi­pa. Dai a ra­zão de qua­li­fi­ca­rem co­mo sen­do fal­sas e in­ju­ri­o­sas as afir­ma­ções do vi­ce-pre­si­den­te da FAF.

A gran­de ques­tão é: qu­em es­ta­rá a fal­tar com a ver­da­de? As du­as ins­ti­tui­ções são idó­ne­as e não ve­mos por­que es­ta­ri­am a men­tir por um as­sun­to que a pri­o­ri não é de gran­de re­le­vân­cia. O que po­de ter acon­te­ci­do em fun­ção das ex­pli­ca­ções de am­bos os la­dos, é que hou­ve de­fi­ci­ên­cia na co­mu­ni­ca­ção en­tre as du­as en­ti­da­des.

De qual­quer mo­do a for­ma bom­bás­ti­ca em que o 1º de Agos­to re­a­giu as de­cla­ra­ções de Adão Cos­ta. Em ple­no sé­cu­lo 21 já não se ad­mi­tem ati­tu­des mus­cu­lo­sas.

Ao su­ge­ri­rem que a di­rec­ção da FAF abris­se um inqué­ri­to pa­ra dis­ci­pli­nar o seu fun­ci­o­ná­rio, acu­sa-lo de in­com­pe­ten­te e não me­re­cer es­tar na­que­le lu­gar o 1º de Agos­to, ul­tra­pas­sou os li­mi­tes e é inad­mis­sí­vel que um clu­be da sua di­men­são e com res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al que tem nes­te país te­nha es­te com­por­ta­men­to.

O 1º de Agos­to tem a obri­ga­ção de ter uma pos­tu­ra mais exem­plar por res­pei­to aos mi­lha­res de adep­tos que têm a ní­vel do país e não só, e que na sua mai­o­ria são jo­vens e que pre­ci­sam de bons exem­plos.

Os maus exem­plos que te­mos vis­to em paí­ses que são ti­dos co­mo evo­luí­dos e ci­vi­li­za­dos não de­vem ser trans­por­ta­dos pa­ra cá. To­dos nós te­mos de re­pro­var as ati­tu­des que não dig­ni­fi­cam o des­por­to, que tem a gran­de fun­ção de unir as pes­so­as.

No en­tan­to, te­mos de re­co­nhe­cer que as de­cla­ra­ções de Adão Cos­ta, tam­bém fo­ram mui­to du­ras, pois acu­sou a di­rec­ção do 1º de Agos­to de ser an­ti-pa­tri­o­ta, o que é mui­to gra­ve pa­ra uma equi­pa que re­pre­sen­ta as For­ças Ar­ma­das do país.

As­sim, es­ta­mos a che­gar a uma con­clu­são: Adão Cos­ta, pas­sou dos li­mi­tes nas su­as de­cla­ra­ções e a di­rec­ção do 1º de Agos­to (não sa­be­mos qu­em as­si­nou o co­mu­ni­ca­do) ig­no­rou o sá­bio pro­vér­bio que diz: “Não res­pon­das ao in­sen­sa­to se­gun­do a sua in­sen­sa­tez pa­ra que não te tor­nes igual a ele”.

A jul­gar pe­las res­pon­sa­bi­li­da­des que am­bas ins­ti­tui­ções têm a ní­vel da país, qu­e­re­mos acre­di­tar que o bom sen­so vai im­pe­rar e que as re­la­ções en­tre am­bas con­ti­nu­a­rão a ser das me­lho­res pa­ra o bem do nos­so fu­te­bol.

De res­to, a bo­la es­tá nas mãos dos pre­si­den­tes Car­los Hen­drick e Ar­tur Al­mei­da e Sil­va, que te­rão a mis­são de ori­en­tar a sua tro­pa a de­po­rem as ar­mas o mais rá­pi­do pos­sí­vel e jun­tos cor­ri­gi­rem o que es­te­ve mal por al­tu­ra das pi­car­di­as en­tre am­bos. Bem ha­ja.

AU­GUS­TO FER­NAN­DES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.