Fe­de­ra­ções do país es­tão ex­pec­tan­tes

Jornal dos Desportos - - MODALIDADES - PE­DRO FUTA

As Fe­de­ra­ções an­go­la­nas mos­tra­ram-se ex­pec­tan­tes, quan­to à ma­te­ri­a­li­za­ção das in­ten­ções abor­da­das no en­con­tro com o Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos. Le­o­nel Pin­to, pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção Pa­ra­lím­pi­ca An­go­la­na, espera que as dis­cus­sões se ma­te­ri­a­li­zem.

"Es­ta­mos a fa­lar de in­fra-es­tru­tu­ras, cri­ar as con­di­ções pa­ra que os trei­na­do­res e os atle­tas pro­du­zam re­sul­ta­dos re­gi­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. Is­so tu­do, pro­duz uma re­fle­xão no des­por­to", dis­se.

O di­ri­gen­te des­por­ti­vo in­cen­ti­vou a ini­ci­a­ti­va do Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos em exi­gir a pres­ta­ção de con­tas ", des­de o pró­prio pro­gra­ma".

"Se o Mi­nis­té­rio dá di­nhei­ro, é pre­ci­so que se pres­tem con­tas. Exis­tem paí­ses, que in­ves­tem me­nos do que An­go­la, e têm bons re­sul­ta­dos", sa­li­en­tou. Le­o­nel Pin­to em re­la­ção à fal­ta de or­ga­ni­za­ção, nas ins­ti­tui­ções des­por­ti­vas, dis­se:

"Há fal­ta de or­ga­ni­za­ção, de boa ges­tão e de con­tro­lo. Tem de ha­ver ri­gor e exi­gir às pes­so­as que fa­çam um es­for­ço pa­ra con­cre­ti­zar o ob­jec­ti­vo. Foi uma ori­en­ta­ção es­pe­cí­fi­ca, es­pe­ro que se ma­te­ri­a­li­ze", en­fa­ti­zou. O pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção an­go­la­na de Atletismo, Ber­nar­do João, mos­trou-se ex­pec­tan­te e sa­tis­fei­to.

"A Fe­de­ra­ção de Atletismo propôs um pon­to so­bre in­fra-es­tru­tu­ras, que não cons­ta­va do pro­gra­ma, mas foi apro­va­do no mo­men­to. Es­ta­mos à espera que se con­cre­ti­ze, uma vez que te­mos vá­ri­os Es­tá­di­os no país, mas não pos­su­em pis­tas de tar­tan", afir­mou.

Ber­nar­do João re­fe­riu que só exis­te um Es­tá­dio no país com tar­tan.

"Te­mos em An­go­la só o cam­po dos Co­quei­ros, com pis­ta. Dei­xa­mos ao cri­té­rio do Exe­cu­ti­vo. Te­mos o Es­tá­dio Na­ci­o­nal do 11 de No­vem­bro, em Lu­an­da, vá­ri­os Es­tá­di­os na pro­vín­cia da Huí­la que po­dem ser apro­vei­ta­dos", aler­tou.

O pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na dos Des­por­tos Mo­to­ri­za­dos, Ra­mi­ro Bar­rei­ra, mos­trou-se bas­tan­te sa­tis­fei­to com o en­con­tro.

"Fo­ram abor­da­das ques­tões per­ti­nen­tes, que vão aju­dar a me­lho­rar as Fe­de­ra­ções. Te­mos o au­tó­dro­mo de Lu­an­da, que foi dis­cu­ti­do no âmbito das in­fra-es­tru­tu­ra, e apre­sen­ta­mos os prin­ci­pais pro­ble­mas que apre­sen­tam em ter­mos de pis­ta e sa­ne­a­men­to bá­si­co. Em 2009, apa­re­ceu al­guém a dis­cu­tir o di­rei­to de su­per­fí­cie. Acha­mos, que es­te é um as­sun­to de di­rei­to pú­bli­co, e não pri­va­do", dis­se.

O di­ri­gen­te pe­diu ao Exe­cu­ti­vo que re­le­vas­se a im­por­tân­cia de uma in­fra-es­tru­tu­ra co­mo o au­tó­dro­mo.

"É ne­ces­sá­rio que o Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos re­le­ve a im­por­tân­cia de uma in­fra-es­tru­tu­ra co­mo es­ta, e crie con­di­ções pa­ra ter­mos uma pis­ta em bo­as con­di­ções", cla­mou.

Ra­mi­ro Bar­rei­ra não des­car­tou a pos­si­bi­li­da­de da ges­tão do au­tó­dro­mo pas­sar pa­ra o pri­va­do.

"Ain­da que o Exe­cu­ti­vo pas­se a ges­tão ao pri­va­do, que fa­ça den­tro dos pa­râ­me­tros de um pro­jec­to com a re­qua­li­fi­ca­ção in­se­ri­da. As obras de­vem con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do des­por­to Na­ci­o­nal. A ges­tão do au­tó­dro­mo de­ve cum­prir com pres­su­pos­tos em re­la­ção ao as­fal­to, ca­sas de ba­nho e sir­va o in­te­res­se na­ci­o­nal. E, sem­pre den­tro do slo­gan: 'cor­ri­gir o que es­tá mal e me­lho­rar o que es­tá bem'", ar­gu­men­tou.

M. MACHANGONGO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Le­o­nel da Ro­cha (à es­quer­da) in­cen­ti­va o Min­jud a exi­gir a pres­ta­ção de con­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.