Tí­mi­dos pas­sos não aju­dam o Des­por­to

Jornal dos Desportos - - REFLEXÕES - ARLINDO MA­CE­DO

Por aden­tro 2018 e ain­da não se sa­be se­quer, o que o ano irá dar de pri­mei­ros fru­tos de uma no­va era que o des­por­to an­go­la­no quer ou gos­ta­ria de atra­ves­sar. O for­mal re­no­var de vo­tos e de­se­jos não vai bas­tar em si pa­ra pro­du­zir efei­tos. O mo­te que ha­via de ter si­do da­do ain­da não foi ou­vi­do.

A di­rec­ção mais que­ri­da pa­ra o des­por­to pa­re­ce ter si­do re­en­con­tra­da a tem­po, qua­se em fi­nais do pre­té­ri­to ano, to­da­via, a po­tên­cia de ar­ran­que do no­vo mo­tor des­por­ti­vo pa­re­ce ain­da em si­len­ci­o­sa ro­da­gem, dei­xan­do em qua­se gri­tan­te ex­pec­ta­ti­va aque­les mais ávi­dos de ra­pi­dez nas ini­ci­a­ti­vas de mar­cha e ao en­con­tro do ru­mo dos acon­te­ci­men­tos pre­ten­di­do.

Uma reu­nião da no­va di­rec­ção do MIN­JUD com os Clu­bes do ‘Gi­ra­bo­la’ não foi na­da mau pa­ra re­co­me­ço de agen­da, em­bo­ra, aci­ma do ‘Gi­ra­bo­la’ ha­ja mais des­por­to, con­tu­do, es­se foi um si­nal inequí­vo­co de que a im­por­tân­cia do nos­so des­por­to con­ti­nua a ser mais o en­tre­te­ni­men­to so­ci­al, do que o res­to. De ou­tro mo­do, te­ria si­do uma reu­nião com os clu­bes em ge­ral, e não ape­nas do e pe­lo ‘Gi­ra­bo­la’.

Áfri­ca não po­de e nem de­ve re­su­mir-se a ser um con­ti­nen­te do fu­te­bol, ou os ful­mi­nan­tes as­tros do atletismo mun­di­al não se­ria do cor­no do con­ti­nen­te, Eri­treia, Etió­pia, Qué­nia e So­má­lia. Ho­je o Qué­nia é uma es­tre­la mais a as­cen­der no ho­ri­zon­te do rugby, an­tes re­du­zi­do à Áfri­ca aus­tral e em par­ti­cu­lar à Áfri­ca do Sul, Na­mí­bia ou Zim­babwe. A re­gião foi sem­pre for­te no té­nis, co­mo tam­bém o Ma­gre­be. Es­te pon­ti­fi­ca ain­da no atletismo e des­por­tos de sa­la, que do­mi­nam à ex­cep­ção de An­go­la e ain­da e sem­pre, em an­de­bol no fe­mi­ni­no.

Es­sa ex­cep­ção é a raiz qua­dra­da do pro­ble­ma an­go­la­no. O de­sen­vol­vi­men­to des­por­ti­vo não po­de ser dei­xa­do às re­gras do mer­ca­do, mas da ci­ên­cia des­por­ti­va: no que so­mos des­por­ti­va­men­te mais ta­lha­dos, pro­pen­sos e ca­pa­zes? E on­de não so­mos na­da e te­mos po­ten­ci­al pa­ra ser al­go pro­me­te­dor?

Ou­tra ques­tão: se­rá ain­da e sem­pre, o des­por­to, uma ar­ma de pro­pa­gan­da além de en­tre­te­ni­men­to de mas­sas pa­ra não fi­ca­rem a di­zer dis­pa­ra­tes nas re­des so­ci­ais e a cau­sar dis­túr­bi­os po­lí­ti­cos? Se sim, é bom ex­plo­rar me­lhor os vei­os des­sa pro­pa­gan­da.

O ca­so dos des­por­tos náu­ti­cos, num país de imen­sa cos­ta bai­xa e are­no­sa, baías e en­se­a­das, é al­go que de­ve­ria ter mai­or pro­vei­to des­por­ti­vo do que ver os bar­cos dos ou­tros a pas­sar. Ape­sar dos es­for­ços da fe­de­ra­ção pa­ra as ve­las na­ve­ga­rem, o país não pa­re­ce ter vo­ca­ção pa­ra ma­ri­nhei­ros, nem na­da­do­res de mar aber­to, pois, con­tam-se as ve­las pe­los de­dos e é um des­per­dí­cio enor­me pa­ra um des­por­to na­ci­o­nal fa­zer do mar ape­nas lo­cal de mer­gu­lhos, po­rém nem is­so se fa­zer na pis­ci­na de Al­va­la­de ou do an­ti­go Lo­bi­to Sport Clu­be, se pre­pa­ra­das pa­ra tal.

Não se no­ta ha­ver uma vi­são aber­ta do pro­ble­ma e do fe­nó­me­no des­por­ti­vo em An­go­la, ca­paz de ori­en­tar as am­bi­ções de pro­pa­gan­da na­ci­o­nal atra­vés do des­por­to pa­ra ob­jec­ti­vos mais am­plos e con­cre­tos, que tra­du­zam não ape­nas uma cul­tu­ra na­ci­o­nal em cres­cen­do, mas tam­bém vo­ca­ções e con­quis­tas des­por­ti­vas que tan­to ha­ve­ri­am de aju­dar a es­cul­pir a nos­sa ju­ven­tu­de e so­ci­e­da­de do fu­tu­ro. Por sor­te o MIN­JUD abar­ca a ju­ven­tu­de e o des­por­to, mas tem que ser al­go mais efec­ti­vo e di­nâ­mi­co, que no pa­pel. Ver-se a flo­res­ta, além da ár­vo­re.

Em um ‘post’ na re­de so­ci­al e que va­le tan­to quan­do um co­mu­ni­ca­do fi­nal, fi­cá­mos a sa­ber que “a Mi­nis­tra da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos e o Se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Des­por­to, no­me­a­da­men­te Ana Pau­la S. Ne­to e Car­los Al­mei­da, reu­ni­ram na se­gun­da-fei­ra (08.01.18), com os Pre­si­den­tes dos Clu­bes que jo­ga­rão o ‘Gi­ra­bo­la 2018’. No en­con­tro fo­ram abor­da­dos os te­mas que do­mi­nam a com­pe­ti­ção co­mo sen­do os cus­tos dos re­cin­tos des­por­ti­vos, o trans­por­te e aco­mo­da­ção das equi­pas e ain­da o es­pí­ri­to de en­tre aju­da que de­ve nor­te­ar os dis­tin­tos clu­bes par­ti­ci­pan­tes.

“O con­tra­to de tra­ba­lho e in­for­ma­ções so­bre a par­ti­ci­pa­ção de An­go­la nos Jo­gos da CPLP (Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa, vul­go Lusofonia) em Ju­lho do cor­ren­te ano e os Jo­gos da Zo­na 5 em De­zem­bro des­te ano com­ple­ta­ram agen­da.

“Do­ze clu­bes es­ti­ve­ram no en­con­tro; au­sên­ci­as no­tó­ri­as fo­ram as do Li­bo­lo, Do­man­te do Ben­go, Clu­be Cuando Cubango e Ka­bus­corp do Pa­lan­ca. Di­rec­to­res, con­sul­to­res e téc­ni­cos do mi­nis­té­rio par­ti­ci­pa­ram na reu­nião.

“Ho­je (3ª fei­ra, 09.01.18, ou se­ja an­tes de on­tem), a Di­rec­ção do Mi­nis­té­rio ‘reu­niu’ com os Pre­si­den­tes das Fe­de­ra­ções Des­por­ti­vas”, fi­na­li­za a in­for­ma­ção ins­ti­tu­ci­o­nal a que to­dos po­dem ter aces­so pe­la re­de so­ci­al pi­o­nei­ra.

Por­tan­to, o te­ma do apu­ra­men­to ao Mun­di­al de Bas­que­te­bol sé­ni­or mas­cu­li­no e que en­vol­ve a an­ti­ga me­ni­na dos olhos da na­ção, não me­re­ceu pri­ma­zia, a ver-se pe­la at­mos­fe­ra mais pro­pí­cia a fa­lar de to­dos, do que de al­go em par­ti­cu­lar; mas o ‘Gi­ra­bo­la’ é igual­men­te um ca­so par­ti­cu­lar que re­le­vou em re­la­ção aos de­mais. E sem mais co­men­tá­ri­os à par­te.

A mi­nha mai­or ex­pec­ta­ti­va, ago­ra, é sa­ber quan­do é que, pra­ti­ca­men­te a caminho da me­ta­de do ci­clo olím­pi­co a de­cor­rer, se há-de fa­lar com o Co­mi­té Olím­pi­co Na­ci­o­nal (COA) pa­ra que, mui­to an­tes de se fa­lar em mis­são olím­pi­ca, e pos­sa fa­lar de uma es­tra­té­gia pa­ra o país não fi­car de­pen­den­te dos apu­ra­men­tos do an­de­bol e dos bas­que­te­bol, e das ‘wild cards’ ou con­vi­tes que nos têm aber­to mais por­tas.

A ca­no­a­gem, vo­lei­bol de praia, des­por­tos de com­ba­te, são exem­plos do que An­go­la de­ve apro­vei­tar pa­ra ca­pi­ta­li­zar al­gu­mas va­lên­ci­as que têm si­do des­va­lo­ri­za­das pe­lo cri­té­rio da prá­ti­ca, que cos­tu­ma ser o cri­té­rio da ver­da­de.

As­sim o zo­om da len­te do MIN­JUD de­ve ser tro­ca­do de al­can­ce o mais ur­gen­te­men­te pos­sí­vel. E as reu­niões de­vem ter mais al­can­ce do que a ro­ti­na ape­nas e o po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to que vi­va ape­nas das apa­rên­ci­as.

Se ao re­ce­ber os clu­bes do ‘Gi­ra­bo­la’, por si só par­te ape­nas do fu­te­bol na­ci­o­nal – qu­an­tos clu­bes e pro­vín­ci­as es­ti­ve­ram au­sen­tes? – ti­ves­se si­do re­ce­bi­do o fu­te­bol em ge­ral, so­bre­tu­do aque­le fu­te­bol que no fu­tu­ro nos tra­ria me­lho­res ‘gi­ra­bo­las’, aí, sim, es­ta­ría­mos a ver a flo­res­ta, além da ár­vo­re. Os clu­bes do ‘Gi­ra­bo­la’ pe­dem mais tu­do,

mas era im­por­tan­te di­zer­lhes quan­to do ‘to­do’ de­ve ser pa­ra in­ves­ti­men­to no fu­te­bol jo­vem.

Re­cor­da-me aqui o tem­po em que um re­vo­lu­ci­o­ná­rio mor­to pe­lo di­to me­lhor ami­go, fi­ze­ra pa­ra ten­tar emen­dar a so­ci­e­da­de do seu país; o herói bur­ki­na­be Tho­mas San­ka­ra ha­via de­cre­ta­do, en­quan­to che­fe de es­ta­do, que os sa­lá­ri­os fos­sem le­van­ta­dos pe­la es­po­sa le­gí­ti­ma, e ele sa­bia o que fa­zia; não po­de­mos ape­nas fa­zer o que nos con­vém, mas o que a to­dos con­vi­ria.

As­sim, no fu­te­bol, pe­lo me­nos um ter­ço do lei­te de­via ser pa­ra as cri­an­ças, o res­to pa­ra os mais cres­ci­dos. E qu­em fa­la do fu­te­bol fa­la­ria do res­to e do des­por­to em ge­ral. A im­por­tân­cia que da­mos à in­fân­cia vê-se pe­las va­ci­nas e es­co­la pri­má­ria; e as­sim de­via ser o des­por­to, por pro­jec­ção. Can­sa re­pe­tir o mes­mo por­que se tem per­sis­ti­do em fa­zer dis­so o mes­mo des­ca­so.

A Mi­nis­tra e o Se­cre­tá­rio de Es­ta­do sa­bem co­mo co­me­ça­ram a fa­zer des­por­to e che­ga­ram até on­de che­ga­ram, e es­pe­ro que não se te­nham es­que­ci­do dis­so.

Por ou­tro la­do, de­ma­si­a­das aten­ções da­das a Lu­an­da – exem­plo do ca­so ‘Gi­ra­bo­la’ – não é sa­lu­tar pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do des­por­to na­ci­o­nal e ca­da equi­pa mi­nis­te­ri­al e seu ca­pi­tão de­vem acres­cen­tar ti­jo­los à cons­tru­ção que en­con­tra­rem e que lhes foi da­da pa­ra er­guer, uma equi­pa após ou­tra con­so­an­te a mu­dan­ça em cam­po da ‘di­rec­ção’. E is­to não são li­ções, ape­nas con­se­lhos, pois, é es­pe­ra­do de qu­em go­ver­na, al­gum sa­ber pa­ra tal.

Ao pe­gar no ‘even­to des­por­ti­vo mais me­di­a­ti­za­do do país’, o MIN­JUD de­ve igual­men­te pug­nar pa­ra fa­zer des­se even­to um es­pec­tá­cu­lo des­por­ti­va­men­te mais ren­tá­vel, in­do pa­ra além dis­so, ou se­ja da ga­ran­tia do es­pec­tá­cu­lo não fa­lhar, à ga­ran­tia de o es­pec­tá­cu­lo ter de ren­der.

O ‘Gi­ra­bo­la’ con­so­me so­mas des­por­ti­vas exor­bi­tan­tes – por si­nal mui­to a gos­to dos di­ri­gen­tes do clu­bes e so­bre­tu­do quan­do os ge­rem co­mo a sua pró­pria quin­ta – sem que es­se di­nhei­ro pú­bli­co re­pre­sen­te in­ves­ti­men­to, de­sen­vol­vi­men­to e cres­ci­men­to. E é tam­bém pa­pel do ‘es­ta­do’ ve­lar pe­lo apro­vei­ta­men­to dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros des­pen­di­dos.

Mui­to bem, che­gou o ‘con­tra­to-pro­gra­ma’; aliás, re­gres­sa ou re­a­pa­re­ce o con­tra­to­pro­gra­ma, po­rém, nun­ca des­de a sua in­tro­du­ção em 2004, se não er­ro, pe­lo en­tão ti­tu­lar do des­por­to, Mar­cos Bar­ri­ca, se ha­via sa­bi­do do de­sa­pa­re­ci­men­to, re­vo­ga­ção ou su­pres­são do di­to-cu­jo, pe­lo que a par da sa­tis­fa­ção pe­lo seu re­gres­so, re­a­pa­re­ci­men­to ou reins­ta­la­ção, o que se­ja, se­ria apra­zí­vel igual­men­te a sua se­ri­e­da­de.

O que há-de acon­te­cer a qu­em não atin­gir ou cum­prir as me­tas? Dar-se-á me­nos di­nhei­ro ou for­çar-se-ão elei­ções nes­sa in­frac­to­ra fe­de­ra­ção?

Ca­so a fal­ta de cum­pri­men­to do con­tra­to-pro­mes­sa im­po­nha san­ções, as mes­mas não de­vem pu­nir a mo­da­li­da­de, mas os in­ca­pa­zes. E as fe­de­ra­ções an­dam pe­ja­das de­les, po­rém, são as as­sem­blei­as des­ses des­por­tos, por sua vez sú­mu­la dos seus clu­bes e as­so­ci­a­dos, qu­em de­ci­de. E ho­je, no­te-se, não ha­ve­rá mui­tas as­sem­blei­as-ge­rais de

fe­de­ra­ção, as­so­ci­a­ção ou clu­be que se pre­zem, de que eu me or­gu­lhe co­mo an­go­la­no e aman­te des­por­ti­vo.

São, em bas­ta mai­o­ria, uma da­ta de cúm­pli­ces do mal que tem si­do fei­to ao des­por­to, na mi­nha opi­nião e aos meus olhos e ou­vi­dos. An­ti­gos pra­ti­can­tes e di­ri­gen­tes e ‘fi­gu­ras’ que fa­zem o ver­bo de en­cher e de di­zer sim sem me­ter con­di­ções, a não ser, as mais das ve­zes, se­rem lem­bra­dos vez ou ou­tra, pa­ra pas­sei­os. Fos­se o con­trá­rio, já te­ria si­do ba­ti­do o pé a mui­to pre­da­dor que o des­por­to an­go­la­no aco­lhe e con­ti­nua a aco­lher ca­da vez mais, pois, é vi­sí­vel nas cam­pa­nhas qu­em vem cons­truir e qu­em vem co­mer. O mes­mo se di­ria de al­guns re­e­lei­tos.

Co­mo ór­gão de tu­te­la, o MIN­JUD de­ve aper­tar com a fis­ca­li­za­ção dos ca­sos de fo­ro le­gal, pa­ra que os agen­tes des­por­ti­vos não ilu­dam os re­gu­la­men­tos, ca­sos em que, por exem­plo, clu­bes es­te­jam ile­gais, mas a com­pe­tir, ou de­vam pres­tar re­qui­si­tos pa­ra po­der com­pe­tir, que não pres­tam, ca­so da obri­ga­to­ri­e­da­de dos ‘gi­ra­bo­li­nos’ e ‘se­gun­dões’ te­rem que ter em ac­ti­vi­da­de e com­pe­ti­ção as su­as equi­pas de jo­vens.

Mas não era tu­do, po­rém já se­ria óp­ti­mo. Aos pou­cos po­de­re­mos lá che­gar, mas ha­ja se­ri­e­da­de, ri­gor e cum­pri­men­to. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca já de­mons­trou que é li­gei­ro a em­pre­en­der cor­rec­ções e é de­se­já­vel que ele ve­le pe­lo des­por­to, co­mo qu­em ve­la pe­la des­pe­sa na­ci­o­nal.

É ho­ra Ao pe­gar no ‘even­to des­por­ti­vo mais me­di­a­ti­za­do do país’, o MIN­JUD de­ve igual­men­te pug­nar pa­ra fa­zer des­se even­to um es­pec­tá­cu­lo des­por­ti­va­men­te mais ren­tá­vel, in­do pa­ra além dis­so, ou se­ja da ga­ran­tia do es­pec­tá­cu­lo não fa­lhar, à ga­ran­tia de o es­pec­tá­cu­lo ter de ren­der.NJUD ir além do ‘Gi­ra­bo­la’...e de Lu­an­da

A di­rec­ção mais que­ri­da pa­ra o des­por­to pa­re­ce ter si­do re­en­con­tra­da a tem­po, qua­se em fi­nais do pre­té­ri­to ano, to­da­via, a po­tên­cia de ar­ran­que do no­vo mo­tor des­por­ti­vo pa­re­ce ain­da em si­len­ci­o­sa ro­da­gem

Ao pe­gar no ‘even­to des­por­ti­vo mais me­di­a­ti­za­do do país’, o MIN­JUD de­ve igual­men­te pug­nar pa­ra fa­zer des­se even­to um es­pec­tá­cu­lo des­por­ti­va­men­te mais ren­tá­vel, in­do pa­ra além dis­so, ou se­ja da ga­ran­tia do es­pec­tá­cu­lo não fa­lhar, à ga­ran­tia de o es­pec­tá­cu­lo ter de ren­der.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.