Mi­li­ta­res dão gos­to mas não con­ven­cem

A enor­me dis­po­si­ção com que o 1º de Agos­to abor­dou o jo­go lo­go fa­zia pre­ver o seu de­sem­pe­nho

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - MO­RAIS CANÂMUA

O1º de Agos­to deu um im­por­tan­te pas­so pa­ra tran­si­tar pa­ra a se­gun­da eli­mi­na­tó­ria da Ta­ça dos Clubes Cam­peões Afri­ca­nos ao ven­cer on­tem, no es­tá­dio 11 de No­vem­bro, em Lu­an­da, por 30, a equi­pa do Futebol Clu­be Pla­ti­num do Zim­babwe, num jo­go vi­vo e com mui­ta emo­ti­vi­da­de mas sem convencer.

A enor­me dis­po­si­ção com que o 1º de Agos­to abor­dou o jo­go, lo­go fa­zia pre­ver que o seu de­sem­pe­nho se­ria aci­ma da mé­dia, ten­do em con­ta o iní­cio da épo­ca e, do mes­mo mo­do, o re­sul­ta­do que o seu ri­val, Petro de Lu­an­da con­se­guiu no sá­ba­do, tu­do pa­ra le­var o futebol an­go­la­no à conquista de Áfri­ca.

O futebol apoi­a­do e evol­ven­te an­te a equi­pa zim­babwe­a­na que vi­nha igual­men­te com li­ção bem es­tu­da­da e dis­pos­ta a con­tra­ri­ar o fa­vo­ri­tis­mo dos do­nos de ca­sa, ali­an­do ao enor­me apoio da sua cla­que, mo­ti­vou que os mi­li­ta­res en­tras­sem de rom­pan­te mas, ain­da as­sim, com pou­ca tran­qui­li­da­de e mui­ta an­si­e­da­de, por for­ça das in­su­fi­ci­ên­ci­as pro­vo­ca­das pela pré-épo­ca. Pro­va dis­so é que, de­sa­ce­le­rou e re­me­teu-se a jo­gar com al­gu­ma len­ti­dão es­pe­ran­do a re­ac­ção do adversário.

Mes­mo as­sim, os co­man­da­dos por Zo­ran Ma­ki in­sis­ti­am no ata­que e aos 7’ inau­gu­ra­ram o pla­car por in­ter­mé­dio de Mon­go, cul­mi­nan­do uma jo­ga­da de en­vol­vên­cia de Ge­ral­do que en­trou na área, cru­zou cur­ti­nho pa­ra Jac­ques que, de cos­tas pa­ra a ba­li­za, en­dos­sou a bo­la pa­ra Mon­go ati­rar pa­ra o fun­do da ba­li­za ad­ver­sá­ria.

Por seu tur­no, os fo­ras­tei­ros mos­tra­vam uma tran­qui­li­da­de es­tra­nha. Ou se­ja, mes­mo em des­van­ta­gem, não ace­le­ra­ram. Pas­sa­ram a jo­gar na mes­ma to­a­da, tro­can­do bem a bo­la e fa­zen­do tran­si­ções ofen­si­vas bem au­to­ma­ti­za­das, che­gan­do à ba­li­za ad­ver­sá­ria com al­gum pe­ri­go. Os zim­babwe­a­nos de­mons­tra­vam ter rit­mo com­pe­ti­ti­vo e al­gu­ma ma­tu­ri­da­de. So­bre­tu­do o que fa­zi­am den­tro das qua­tro li­nhas.

Nes­te pe­río­do, es­pe­ra­va-se que os mi­li­ta­res fos­sem con­ti­nu­ar a uti­li­zar "ar­ti­lha­ria pe­sa­da" in­ves­tin­do na ofen­si­va e apro­vei­tan­do o mo­men­to de al­ta. Ao con­trá­rio, pre­fe­riu re­du­zir o ful­gor.

Mas, a es­ta­bi­li­da­de psi­co­ló­gi­ca pa­ten­te­a­da pe­los ra­pa­zes de Zo­ran Ma­ki fa­zia no­tar que mes­mo com alu­di­da len­ti­dão, pu­des­sem ca­den­ci­ar o jo­go im­pri­min­do, qu­an­do ne­ces­sá­rio as mu­ta­ções de ve­lo­ci­da­de pa­ra che­gar a ba­li­za ad­ver­sá­ria mas, lar­gas cau­te­las por­que, a par­tir do mi­nu­to 30’, os zim­babwe­a­nos su­bi­ram no ter­re­no e pas­sa­ram a che­gar com mai­or ra­pi­dez e fa­ci­li­da­des à ba­li­za de Ne­blú. O re­ma­te ao la­do aos 32’, do mé­dio Rodwell, jus­ti­fi­ca is­so mes­mo. An­tes de ter­mi­nar a eta­pa ini­ci­al, Ge­ral­do sur­giu bem pela di­rei­ta mas, fez mal o dri­ble pa­ra den­tro e foi de­sar­ma­do, numa "chan­ce" em que ti­nha tu­do pa­ra am­pli­ar o pla­car.

Na eta­pa com­ple­men­tar, a to­a­da foi a mes­ma no iní­cio do pré­lio mas, com 1º de Agos­to, co­mo lhe com­pe­tia, en­tran­do afoi­to, pro­cu­ran­do am­pli­ar a van­ta­gem. Os vi­si­tan­tes, aos 52’, bem ten­ta­ram o em­pa­te, num re­ma­te de Rodwell que obri­gou Ne­blú a uma gran­de de­fe­sa.

Zo­ran Ma­ki no­tou o sub-ren­di­men­to de Go­go­ró e o subs­ti­tuiu por Nel­son da Luz, aos 53’. No mi­nu­to se­guin­te, foi pre­ci­sa­men­te dos pés do jo­ga­dor re­cém-en­tra­do que saiu o pas­se pa­ra Na­ta­el. Es­te fez um cru­za­men­to pa­ra área obri­gan­do o cor­te da de­fe­sa com a bo­la a so­brar pa­ra Mon­go que fez um pri­mo­ro­so pas­se à Jac­ques que, numa meia vol­ta, ati­rou a con­tar. O mes­mo Jac­ques, vol­vi­dos mais 6’, vol­tou a re­ce­ber no pei­to ou­tro pas­se de Mon­go e, à pon­ta­de-lan­ça, re­ma­tou, ba­ten­do o guar­da-re­des Ma­ga­la­ne fa­zen­do o bis e o ter­cei­ro pa­ra a sua equi­pa.

Ain­da as­sim, os co­man­da­dos por Mor­gan Ma­pe­za não cru­za­ram os bra­ços. Con­ti­nu­a­ram numa to­a­da ofen­si­va, res­guar­dan­do o seu meio-cam­po de­vi­do aos con­tra-ata­ques rá­pi­dos dos do­nos de ca­sa. O sec­tor de­fen­si­vo dos mi­li­ta­res con­ti­nu­a­va a ter mui­to tra­ba­lho. Na res­pos­ta, aos 70’, Mon­go, que cin­co mi­nu­tos mais tar­de vi­ria a ser substituído por Bua, re­ma­tou for­te mas a bo­la em­ba­teu no pos­te es­quer­do do guar­da-re­des con­trá­rio.

Os vi­si­tan­tes con­ti­nu­a­ram a re­mar con­tra a ma­ré mas, sem con­se­guir os seus in­ten­tos. O 1º de Agos­to após o ter­cei­ro golo di­mi­nuiu o ful­gor e não mais in­co­mo­dou o úl­ti­mo re­du­to dos fo­ras­tei­ros. Ter­mi­na­va o jo­go em que os mi­li­ta­res ven­ce­ram mas, não con­ven­ce­ram por ra­zões de iní­cio de épo­ca.

KINDALA MA­NU­EL| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Es­pe­ra­va-se que os mi­li­ta­res fos­sem con­ti­nu­ar a uti­li­zar "ar­ti­lha­ria pe­sa­da" in­ves­tin­do na ofen­si­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.