Nu­an­ces de futebol e par­ti­da que aca­bou em con­fu­são

Jornal dos Desportos - - OPINÃO - NOR­BER­TO COS­TA

É con­sa­bi­do, que o ima­gi­ná­rio an­go­la­no re­fe­ri­do ao des­por­to é atra­ves­sa­do por vá­ri­as es­tó­ri­as e es­to­ri­e­tas, al­gu­mas re­ais e ou­tras fic­tí­ci­as.

Com efei­to, ao em­bre­nhar­mos no te­ma em apre­ço, vol­ta­mos a fo­lhe­ar a “An­to­lo­gia de con­tos an­go­la­nos - dos de­ser­tos, dos so­nhos, das tra­ves­si­as e do fu­tu­ro”, de­mos de ca­ras com as nu­an­ces de futebol nos textos de Al­cân­ta­ra Mon­tei­ro, Pedro So­bri­nho e de António Fon­se­ca, es­te úl­ti­mo, já tem uma alu­são da prá­ti­ca do futebol na “Crónica de um tem­po de si­lên­cio”, edi­ta­da pela UEA, em 1988:

“Mas os di­as pas­sa­vam e vi­nham no­vas lou­cas cor­re­ri­as. Ca­ça de pás­sa­ros e sar­dões, fi­gos e his­tó­ri­as do an­ti­ga­men­te, futebol per­to da ca­sa do Sô Pa­po Al­fai­a­te...”, fi­ze­ram -nos lem­brar os tem­pos da bo­la de tra­pos ou de “mi­ca”, qu­an­do da nos­sa per­di­da me­ni­ni­ce que não vol­ta mais, de tão re­so­lu­ta­men­te nos­tál­gi­ca….

No ca­so de Al­cân­ta­ra Mon­tei­ro, um mem­bro da "Ge­ra­ção da Men­sa­gem" ra­ra­men­te re­fe­ren­ci­a­do, tal­vez de­vi­do à par­ca pro­du­ção li­te­rá­ria, em “Eu vos con­to um con­to” pin­ça o epi­só­dio de Si­mão que cor­re co­mo um atle­ta sa­tis­fei­to com o seu ma­no mais no­vo, a quem ca­be di­a­ri­a­men­te a sua guar­da e que por ve­zes, não o dei­xa jo­gar a bo­la de far­ra­pos, de­vi­do à cho­ra­min­guei­ra cons­tan­te:

“Sa­tis­fei­to con­si­go pró­prio, pu­lan­do alegre co­mo a lebre, ou cor­ren­do co­mo a ga­ze­la, ia acom­pa­nhar os res­tan­tes ga­ro­tos da san­za­la no assalto aos ca­jus e às ga­ja­jas das re­don­de­zas, no bom­bar­de­a­men­to dos te­lha­dos de zin­co dos vi­zi­nhos, na ca­ça aos pás­sa­ros, à fis­ga, e nos in­ter­mi­ná­veis en­con­tros de futebol com bo­la de meia, en­tre a sua ‘li­nha’ a dos ‘do clu­be do Tel­mo’ e a dos ‘do clu­be do Me­lão e do Ca­tu­to’.”

Quan­to ao jo­go jo­ga­do, pro­pri­a­men­te di­to, o nar­ra­dor des­ta­ca que “eis que de sú­bi­to, uma avan­ça­da ful­gu­ran­te da ‘li­nha’ do Mateus é cor­ta­da pe­lo apa­re­ci­men­to do po­lí­cia - o an­ti­pá­ti­co ‘xui’--de­ban­da­da ge­ral”, ob­ser­va que “Mateus , afo­gue­a­do em­po­ei­ra­do , es­fo­la­do -- por­que o jo­go es­tá ri­jo – , vai à ca­sa da vi­zi­nha, a Xi­ca, ver se o ma­no ain­da es­tá “te­mo­so” .

Aten­te-se nes­ta úl­ti­ma ex­pres­são, o re­cur­so à lin­gua­gem co­lo­qui­al dos mus­se­ques, a cor­rup­te­la dos fa­la­res da gen­te hu­mil­de do nos­so po­vo que fez es­co­la na nos­sa li­te­ra­tu­ra, na pena dos po­e­tas Vi­ri­a­to da Cruz e António Ja­cin­to, so­bre­tu­do, com os pro­sa­do­res Lu­an­di­no Vi­e­ra, Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so e Jo­fre Ro­cha, a mar­ca­rem a rup­tu­ra só­cio -lin­guís­ti­ca com o por­tu­guês ver­ná­cu­lo fa­la­do em Portugal, ou pe­lo me­nos, pe­las eli­tes as­si­mi­la­das da co­ló­nia de Angola, no­me­a­da­men­te, em Lu­an­da, es­pa­ço em que ocor­re a es­tó­ria ver­ten­te.

En­quan­to em “Te­mo­so” te­mos uma cor­rup­te­la do por­tu­guês, em o “’o xui’ foi e não le­vou a bo­la (…)Tré­guas já é tem­po de pôr fim ao de­sa­fio que a sua ‘li­nha’ ven­ce.”

Nes­ta pers­pec­ti­va, com o re­cur­so ao ter­mo ‘xui’ es­ta­mos em pre­sen­ça de um ca­lão (Xui) que já vi­go­ra­va, afi­nal nos anos 50, tem­po em que o au­tor es­cre­veu a es­tó­ria em cau­sa.

Já no con­to “Ter­ra de Sol”, de Pedro So­bri­nho, além da “lu­ta li­vre” en­tre a ra­pa­zi­a­da, fi­xa-se o epi­só­dio de um jo­go de futebol num bair­ro pe­ri­fé­ri­co da ca­pi­tal, por si­nal uma cons­tan­te ain­da no are­al dos nos­sos su­búr­bi­os, com pedras e paus im­pro­vi­sa­dos pa­ra as ba­li­zas, a vi­a­bi­li­zar as­sim a prá­ti­ca des­por­ti­va en­tre cri­an­ças, adolescentes e jo­vens, um po­ten­ci­al que de­via ser ex­plo­ra­do pe­las au­to­ri­da­des vo­ca­ci­o­na­das ao ní­vel mu­ni­ci­pal e pela classe em­pre­sa­ri­al, - quais olhei­ros do pas­sa­do!

O nar­ra­dor de P.So­bri­nho en­fa­ti­za “o cho­ro com­pul­si­vo” do miú­do pos­to fo­ra de com­ba­te, e “a de­sa­pro­va­ção das mulheres” e res­pec­ti­vas “pa­la­vras de con­so­lo”.

Re­por­tan­do-se di­rec­ta­men­te à par­ti­da de futebol cap­ta-se o es­ta­do psi­co­ló­gi­co dos con­ten­do­res que per­de­ram o jo­go: “O ve­xa­me, a der­ro­ta, qua­se `a vis­ta dos ra­pa­zes da bo­la, três pu­los do cam­po do Pi­tra.

E, não se dis­tin­gue a ví­ti­ma. O am­ple­xo é for­te, a dor úni­ca. Os gol­pes do Ma­lan­za fa­zem so­frer Car­li­nhos, fa­zem chorar Be­to. A ra­pa­zi­a­da da bo­la che­ga-se.”

Mas o ti­ra- tei­mas não fi­ca por aqui. No con­to de António Fon­se­ca “Pri­mo Nar­ci­so”, uma par­ti­da de futebol ter­mi­na em con­fu­são, mui­to por cul­pa de um chu­to. Mas, não é só no futebol de bair­ro que há con­fu­são no cam­po ou fo­ra de­le.

As za­ra­ga­tas tam­bém abun­dam no des­por­to fe­de­ra­do. (Por is­so, a im­po­si­ção de uma sé­rie de re­gras obri­ga­tó­ri­as, co­mo a exis­tên­cia de uma equi­pa de ar­bi­tra­gem que pu­na as fal­tas e dis­tri­bui car­tões ama­re­los ou ver­me­lhos, não pou­pam mes­mo às ve­zes, a ou­sa­dia do banco qu­an­do se mos­tra in­con­ve­ni­en­te, es­ten­de a san­ção a trei­na­do­res e seus “mu­cha­chos”, - con­for­me a gra­vi­da­de da in­frac­ção.)

“Quem me ati­rou es­sa bo­la?” - vo­ci­fe­rou “Man­ki­di que pren­de­ra a bo­la”.

En­tre os miú­dos "ar­ma­dos" em gran­des jo­ga­do­res ins­ta­lou-se o me­do: “Mas, o miú­do , dos seus 12 anos , tal­vez 13, ar­ran­jou co­ra­gem e foi ter com Man Ki­di ”, sau­dou -o com to­do o res­pei­to de­vi­do: “Bo(a) (mais uma vez o re­cur­so só­cio lin­guís­ti­co aci­ma adu­zi­do, com o fa­lan­te a en­go­lir o “a”) tar­de tio…des­cul­pa.

Eu é que chu­tei…e foi golo e a bo­la pas­sou. Es­tou a pe­dir ao Ko­ta pa­ra me dis­pen­sar a bo­la e me des­cul­par…” Sem­pre agres­si­vo Man Ki­di não quis saber: “pe­ga nas ore­lhas do miú­do, le­van­ta-o e ati­ra-o pa­ra o chão, dá-lhe dois pon­ta pés e en­fia-lhe du­as cha­pa­das.”

De dra­ma em dra­ma en­tra em ce­na o Nar­ci­so co­mo de­fen­sor do ga­ro­to, que ao ver a ví­ti­ma a chorar, in­dig­na­do foi pe­dir sa­tis­fa­ções à Man Ki­di, que da­da a sua des­com­pos­tu­ra, tra­du­zi­da em vá­ri­as ame­a­ças ao po­ten­ci­al adversário, per­dia a sua má fama de bru­ta­mon­tes em dois tem­pos:

Na­que­le dia fa­tí­di­co, o to­do po­de­ro­so da san­za­la que var­ria meio mun­do, não im­por­tas­se se as vítimas fos­sem cri­an­ças, jo­vens, mulheres ou ve­lhos, o seu úl­ti­mo com­ba­te, ou se­ja, o seu rei­na­do de violência gra­tui­ta. Aca­bou o ter­ror no bair­ro, re­don­de­zas e cer­ca­ni­as.

Le­vou dois gol­pes fatais de Nar­ci­so, que as­sis­tia à par­ti­da de futebol do mais no­vo Afon­so e seus ami­gos das ha­bi­tu­ais tran­qui­ni­ces diá­ri­as.

O ilus­tre des­co­nhe­ci­do, con­tra as ad­ver­tên­ci­as dos cir­cuns­tan­tes, no­me­a­da­men­te, dos ga­ro­tos que so­nha­vam se­rem jo­ga­do­res de ver­da­de no fu­tu­ro e dos fa­mi­li­a­res do vi­o­len­ta­do, se ofe­re­ceu co­mo de­fen­sor do ga­ro­to ba­nha­do em lá­gri­mas, des­tro­nou Man-Ki­di, de­pois de vá­ri­as ame­a­ças a si di­ri­gi­das por es­te úl­ti­mo que res­pon­deu com bas­tan­te cal­ma , mais por pon­de­ra­ção do que re­ceio.

Nar­ci­so não se dei­xa­ra in­ti­mi­dar: as­ses­tou du­as que­das ao adversário triun­fa­lis­ta e que lhe dei­xou es­ta­te­la­do no ter­re­no do jo­go, an­te a ad­mi­ra­ção ge­ral.

De ver­go­nha, o la­ta­gão derrotado tro­cou de mo­ra­da, foi re­si­dir num ou­tro bair­ro, teve de fu­gir, for­ço­sa­men­te, dos apu­pos cons­tan­tes dos miú­dos jo­ga­do­res, que pas­sa­ram a jo­gar a bo­la em paz, ani­ma­dos do so­nho de vi­rem a ser um es­tre­la do Gi­ra­bo­la, co­mo os que mar­ca­ram épo­cas.

Fi­nal­men­te, “Man Ki­di, de ca­be­ça bai­xa, lá se foi e de­sa­pa­re­ceu do bair­ro. Fo­ra-se a sua fama e nas­ce­ra a do Nar­ci­so que cor­ria de bo­ca em bo­ca “-- re­ma­ta o nar­ra­dor re­cri­a­do por A. Fon­se­ca, de quem es­pe­ra­mos no­vas pro­pos­tas li­te­rá­ri­as com es­sa e ou­tras te­má­ti­cas li­ga­das ao futebol e não só, ain­da que ins­pi­ra­dos nos jo­gos do lú­di­co que en­for­mam o vas­to fi­lão es­pi­ri­tu­al da nos­sa ri­ca tra­di­ção oral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.