Cri­se em Li­bo­lo

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Ao lon­go da úl­ti­ma dé­ca­da jun­tou-se ao le­que dos em­ble­mas des­por­ti­vos mais ex­pres­si­vos do país, o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, que não é uma no­vel agre­mi­a­ção, per­so­ni­fi­cou o res­sur­gi­men­to de uma co­lec­ti­vi­da­de que exis­tiu no tem­po da ou­tra se­nho­ra, ten­do ape­nas, e por ra­zões que nos são alhei­as, sus­pen­so a sua ac­ti­vi­da­de.

O res­sur­gi­men­to aca­bou, em boa ver­da­de, por ser uma tre­men­da ale­gria pa­ra as gen­tes da pro­vín­cia do Cu­an­za Sul, par­ti­cu­lar­men­te dos na­tu­rais do mu­ni­cí­pio do Li­bo­lo, Ca­lu­lo, que se dis­pu­tam os jo­gos da equi­pa prin­ci­pal de fu­te­bol. O bas­que­te­bol, "re­fu­gi­ou-se" em Lu­an­da, o que é acei­te e pa­cí­fi­co.

Com uma efi­ci­en­te po­lí­ti­ca de ges­tão ad­mi­nis­tra­ti­va, o res­sur­gi­do Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo mui­to ce­do lo­grou con­quis­tar um es­pa­ço privilegiado na pra­ça des­por­ti­va. Os êxi­tos com­pe­ti­ti­vos su­ce­di­am-se nas du­as mo­da­li­da­des em que se mo­vi­men­ta­va a agre­mi­a­ção. O fu­te­bol impôs­se no Girabola e o bas­que­te­bol fez a sua par­te na com­pe­ti­ção.

Ao êxi­to in­ter­no, se­guiu-se o êxi­to na pra­ça in­ter­na­ci­o­nal, no pa­no­ra­ma afri­ca­no par­ti­cu­lar­men­te. Pois, quer o fu­te­bol quer o bas­que­te­bol con­se­guiu ní­veis com­pe­ti­ti­vos fa­bu­lo­sos nas pro­va con­ti­nen­tais. Po­de di­zer-se que com o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo sau­dá­vel, o des­por­to an­go­la­no em si saiu tam­bém a ga­nhar.

En­tre­tan­to, por ra­zões de al­gu­ma es­tra­té­gia que não se ex­pli­ca em pou­cas li­nhas, ocor­reu em me­a­dos do ano pas­sa­do uma di­vi­são no seio do clu­be, fi­cou o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo, sob no­va li­de­ran­ça, ape­nas com o fu­te­bol, o bas­que­te­bol foi adop­ta­do por um no­vo em­ble­ma, que to­mou a de­sig­na­ção de Sport Li­bo­lo e Ben­fi­ca.

Es­ta di­vi­são pa­re­ce que não foi be­né­fi­ca pa­ra a co­lec­ti­vi­da­de do Cu­an­za-Sul, por aqui­lo que cons­ta­ta­mos no dia-a-dia. A equi­pa de bas­que­te­bol qua­se que se des­mem­brou. Boa par­te das prin­ci­pais uni­da­des dei­xou a equi­pa, fa­lou-se in­clu­si­ve de dí­vi­das co­los­sais pa­ra com al­guns. A equi­pa de fu­te­bol, te­mí­vel ou­tro­ra, é agra­ci­a­da com vo­lu­mo­sas go­le­a­das co­mo acon­te­ceu na quar­ta jor­na­da.

Lo­go, co­me­ça a de­se­nhar-se evi­dên­ci­as do fim de um im­pé­rio des­por­ti­vo que con­se­guiu em tão pou­co es­pa­ço de tem­po, cons­truir a sua re­pu­ta­ção. O pi­or, ain­da não ocor­reu. A sal­va­ção da ero­são do cas­te­lo é a nos­so ver pos­sí­vel. Oxa­lá, pes­so­as vin­cu­la­das aos dois em­ble­mas da vi­la de Ca­lu­lo en­con­trem uma saí­da ai­ro­sa pa­ra a cri­se e pos­sa­mos ver o Li­bo­lo des­por­ti­vo na má­xi­ma for­ça, se­ja por via do Re­cre­a­ti­vo, se­ja por via do Ben­fi­ca.

Com uma efi­ci­en­te po­lí­ti­ca de ges­tão ad­mi­nis­tra­ti­va, o res­sur­gi­do Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo mui­to ce­do lo­grou con­quis­tar um es­pa­ço privilegiado na pra­ça des­por­ti­va. Os êxi­tos com­pe­ti­ti­vos su­ce­di­am-se nas du­as mo­da­li­da­des em que se mo­vi­men­ta­va a agre­mi­a­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.